Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um tiro no pé...

por Correio da Guarda, em 10.06.14

    

    “Tenham respeito por Portugal e pelas Forças Armadas”. Este o apelo do General Pina Monteiro na sequência do episódio que, na manhã de hoje, originou a interrupção do discurso do Presidente da República.

    Pina Monteiro – visivelmente desagradado, como militar, como Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas e por certo como guardense que é – foi certeiro e elucidativo na observação.

    O protesto protagonizado por alguns – têm as suas razões, todos nós temos fortes e legítimos motivos de descontentamento e direito a manifestarmos as nossas ideias e a nossa contestação – redundou num autêntico tiro no pé, face ao momento escolhido e no contexto do perfil da cerimónia que estava a decorrer.

    Para quem, regularmente, invoca o papel das forças armadas no abrir e no abril das portas da liberdade e da democracia, não fica nada bem este registo, que poderia ficar expresso noutro passo do evento ou em cenário diferente.

    A maioria das pessoas que se deslocou ao Parque Urbano do Rio Diz (na Guarda e não nos arredores da Guarda como ouvimos num canal de televisão) foi por outros motivos que não a gritaria ou a contestação (toda a gente, repetimos, tem inúmeras razões de queixa pelas políticas governamentais, pelas atitudes da classe política, pelo desprezo a que é sistemáticamente votada, muito especial aqui no interior de Portugal). E também a simpatia dos presentes não era, obviamente, unânime relativamente aos responsáveis institucionais e político; mas discordar ou ter motivos de queixa não é sinónimo de falta de respeito e de sentido de responsabilidade cívica.

    Este era um momento festivo de Portugal, das forças armadas, das comunidades portuguesas, da comunidade guardense que sempre tem privilegiado a hospitalidade. E a Guarda (não vamos discorrer aqui acerca de opções, de gastos, de escolhas, do programa) soube receber, como o tinha feito em 1977, ano em que, também nesta cidade, foi celebrado – pela primeira vez – o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas…

    Este foi um protesto inapropriado, para a hora e local.

    Não faltavam oportunidades e locais para manifestarem a sua indignação (isso não se contesta)…

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:42



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com