Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Vídeo Documental sobre o Jarmelo

por Correio da Guarda, em 19.12.21

 

O projeto Rostos da Aldeia acaba de lançar um vídeo documental sobre Jarmelo, no concelho da Guarda. Trata-se do quarto episódio de uma mini-série documental com a qual se pretende valorizar os chamados territórios de baixa densidade, promover o turismo em ambiente rural e estimular a fixação de gente nas aldeias portuguesas.

 

Mateus Miragaia.jpg

Foto: Filipe Morato Gomes

O projeto “Rostos da Aldeia”, uma plataforma onde se publicam histórias positivas de todos aqueles que contribuem para que o despovoamento não seja uma tendência inexorável, acaba de lançar o quarto episódio da sua mini-série documental, desta feita sobre Jarmelo (concelho da Guarda), da autoria do multipremiado videógrafo Tiago Cerveira, com banda sonora original do músico e compositor Daniel Pereira Cristo, amante confesso dos instrumentos tradicionais de raiz.

Luísa Pinto, jornalista há mais de 20 anos e mentora do Rostos da Aldeia, afirma que o que se pretende é “documentar a vida nos territórios do interior, com especial enfoque nos habitantes impulsionadores da mudança ou criadores da diferença.”

Pessoas como “Bárbara Moreira, que tem o sonho de criar aldeias sustentáveis e comunidades intergeracionais e interculturais; Mateus Miragaia, o último artesão do país a fazer tesouras para tosquiar de forma artesanal; ou o ex-autarca Agostinho Silva, apaixonado confesso pelo Jarmelo”.

Para além do vídeo documental, a equipa produziu ainda relatos na primeira pessoa que revelam o quotidiano, a rotina, o labor e o amor de que se faz a vida das suas gentes; e ainda um guia prático com o que fazer em Jarmelo, da autoria de Filipe Morato Gomes, o rosto por detrás do conceituado blogue de viagens Alma de Viajante, na esperança que possa servir de inspiração para motivar mais pessoas a visitar a região e a aumentar a duração média das estadas.

Com o objetivo de ter impacto real positivo, a plataforma dispõe também de uma montra online, a partir da qual se direcionam os visitantes para produtos regionais, incluindo os doces e chutneys artesanais criados na aldeia de Ima pela equipa do projeto LAR - Love & Respect e as tesouras para tosquiar feitas pelo ferreiro Mateus Miragaia na aldeia de Donfins.

Depois de Jarmelo, os autores continuarão a percorrer o país de lés a lés, em busca de histórias de pessoas inspiradoras que promovam a divulgação dos seus territórios e motivem novos visitantes e potenciais moradores, estando a próxima paragem marcada para a região do Douro Vinhateiro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:02

Avelãs de Ambom: no mapa dos produtos biológicos

por Correio da Guarda, em 11.04.21

 

Em Avelãs de Ambom (uma localidade a poucos quilómetros da cidade da Guarda) surgiu em 2015 uma marca de produção de frutos vermelhos e frutos de casca rija.

A Ambombagas é uma micro-empresa de base familiar onde Pedro Pinheiro, empresário em nome individual, é o responsável por toda a sua estrutura. Apostando na produção de produtos biológicos em modo sustentável, o principal objetivo da Ambombagas é a comercialização de frutos vermelhos de qualidade, de compotas e fermentados destes frutos.

Ao CORREIO DA GUARDA, Pedro Pinheiro afirma que cada projeto que se desenvolve nas nossas aldeias é um impulsionador para outros, que seguindo o exemplo, possam criar uma ideia de querer fazer igual ou melhor”

ambom bagas 09.jpg

Como surgiu a Ambombagas?

A Ambombagas surge depois da criação de um projeto de produção de frutos vermelhos e frutos de casca rija, como uma marca de produtos biológicos, na aldeia de Avelãs de Ambom, no concelho da Guarda.

 

Quais foram as principais dificuldades?

Inicialmente a falta de mercados para colocação dos produtos, a falta de experiência no campo para este tipo de culturas e a falta de mão-de-obra local, foram as principais dificuldades.

IMG_20190626_204201.jpg

As apostas iniciais foram em que produtos?

A primeira aposta foi na venda dos frutos vermelhos frescos (mirtilos, amoras, framboesas e groselhas), que se mantém e é a nossa principal fonte de rendimento neste projeto.

Depois surgiram as compotas e licores para aposta em feiras e pequenas lojas, de modo a divulgar a marca.

 

Como foi a aceitação por parte do público consumidor?

A aceitação foi muito positiva. A fruta fresca tem desde o início certificação biológica, que marca a diferença na qualidade, no sabor e na sustentabilidade.

Estes fatores revelaram-se determinantes para o público-alvo que sempre quisemos atingir, que valorize o que é do nosso concelho, que aposte na qualidade e em produtos benéficos para a saúde.

ambom bagas 06 (1).jpg

Quais são os principais destinos de venda?

O principal destino é o mercado local e de proximidade. Fazemos entregas de fruta fresca em casa, no trabalho de cada um dos nossos clientes particulares.

Temos também um importante número de clientes de diferentes locais do país, enviamos a fruta por transportadora que chega no dia seguinte à colheita. Temos ainda um parceiro que coloca os nossos produtos em lojas de produtos biológicos desde o Porto até ao Algarve.

 

Que produtos se seguiram e como foram recebidos?

Uma das criações da Ambombagas foram cabazes prenda personalizados (caixinhas de madeira), com decorações naturais, que têm sido enviadas para muitos locais em Portugal e no estrangeiro. Fizemos também uma aposta em geleias de frutos vermelhos com vinho espumante embaladas em bisnagas.

Mais recentemente surgiu a ideia de fermentar os frutos surgindo assim um produto inovador: uma bebida fermentada de amoras e framboesas que podemos equiparar a um vinho, com um sabor único.

 

Quantas pessoas estão envolvidas na produção, embalagem e comercialização?

A nossa pequena empresa é uma empresa familiar. Por ser sazonal, o trabalho que envolve mais pessoas é a colheita, durante cerca de 2 meses e meio. Poderemos ter nessa altura cerca de 15 pessoas, sendo quase exclusivamente familiares e amigos que trabalham/ajudam nessa tarefa. Durante o resto do ano são solicitados alguns trabalhadores locais para a poda e manutenção das estufas e do terreno.

 

Qual o principal canal que tem sido utilizado para a divulgação dos produtos da Ambombagas?

O principal canal de divulgação é na internet, nas redes sociais e a apresentação dos nossos produtos em feiras locais.

ambom bagas 01.jpg

Qual o impacto que provocou a pandemia no trabalho que vinha sendo desenvolvido?

Com a suspensão de feiras e o isolamento adiou alguns investimentos e ideias para desenvolver novos produtos.

 

Consideras que este pode ser um exemplo para outras iniciativas, diferenciadas, por parte de jovens no interior?

Penso que devemos olhar sempre como um bom exemplo todas a atividades que levem pessoas a fixar-se no interior, em aldeias cada vez mais ausentes de pessoas. Cada projeto que se desenvolve nas nossas aldeias é um impulsionador para outros, que seguindo o exemplo, possam criar uma ideia de querer fazer igual ou melhor.

 

A pandemia obrigou a repensar os jovens ao nível do empreendedorismo no interior?

Penso que a pandemia impulsionou muitos jovens a olhar para o interior com outros olhos.

O interior como um local onde a vida se vive de uma forma mais intensa, mais saudável mais sustentável, sinónimo de qualidade de vida.

Quem vive no interior tem uma janela de oportunidades, pois há disponibilidade de terrenos, de casas para recuperar, de locais únicos para descobrir.

 

Que apoios deveriam ser dados para a afirmação de projetos como a Ambombagas?

Os apoios deveriam ser dados pelo governo e pelas estruturas de poder local no sentido de os nossos produtos, sempre que disponíveis, serem adquiridos para serem consumidos nos organismos do estado (escolas, hospitais…).

Ambombagas - Guarda.jpg

Estava prevista uma loja física ou a entrega das encomendas continuará a ser pessoal e por transportadoras?

Já passou pela ideia ter um espaço físico, mas sendo a principal aposta na comercialização da frusta fresca, durante 2 meses e meio, não se justifica a abertura de um espaço comercial. Vamos continuar a aposta de entrega em mão e do envio por transportadora dos nossos produtos.

 

Novos projetos ou produtos para curto prazo?

Os novos projetos passam melhoria de infraestruturas para melhoria dos produtos já criados.

 

+info aqui.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:33

Desdramatizar e desmitificar o cancro

por Correio da Guarda, em 02.08.19

 

“Cancro – a história que nos une” é o tema da exposição que, a partir de amanhã e até 25 de agosto, vai estar patente em Figueira de Castelo Rodrigo. Trata-se de um conjunto de fotos que já estiveram expostas na Guarda e noutras cidades.

A autora e impulsionadora desta exposição é Gabriela Fonseca, de 28 anos, natural da Guarda onde viveu em estudou, bem como em Figueira de Castelo Rodrigo, onde agora apresenta esta exposição através da qual deixa a sua mensagem.

Esta jovem guardense formou-se Comunicação, no ISCIA em Aveiro. No ano de 2016 foi-lhe diagnosticado um Linfoma de Burkitt no estádio IV A. Por essa altura, como nos disse, a sua vida “dá uma reviravolta”. Atualmente, vive em Coimbra é blogger e consultora de comunicação e marketing.

Ao “Correio da Guarda”, Gabriela Fonseca falou um pouco de si e da exposição que será inaugurada amanhã em Figueira de Castelo Rodrigo.

 

Helder Sequeira

 

Como surge esta exposição e com que objetivos?

 

Chegamos ao final de um ano, e desejamos sempre o melhor para o ano seguinte. E foi com as minhas resoluções para 2019 que nasce “Cancro, a história que nos une”. Com amor, felicidade, partilha, vida e mais 8 desejos que constituem este projeto.

A exposição tem vários objetivos. Destaco essencialmente mostrar à sociedade que o cancro tem cura. Sim, porque a cura está presente, mas pouco exposta. E se uma imagem vale mais que mil palavras, o que dirão 12 imagens de protagonistas de cancros agressivos?

 

Onde esteve já patente esta exposição?

 

Amanhã, sábado (3 de agosto), assinalamos a 12º. Exposição. Até ao momento, já esteve em Coimbra, cidade onde aconteceu a sua inauguração, Lisboa, Aveiro, Porto, Castro Verde, Guarda, Carregal do Sal e Portimão.

 

Com tem sido a adesão das pessoas a esta iniciativa?

 

Nunca esperei que a Exposição viesse a ter o impacto que está a ter na sociedade, porque muitas pessoas nem a palavra “cancro” pronunciam em voz alta. Quanto mais visitarem uma exposição sobre cancro?! Porém, a vida surpreende-nos e cada pessoa que visita a exposição olha-me nos olhos ou envia-me uma mensagem a agradecer.

Pela capacidade que os 12 retratos têm de inspirarem e incentivarem os visitantes a abrirem horizontes, a enfrentarem os desafios e a estimularem a reflexão sobre a capacidade que o ser humano tem em tornar o impossível possível. Seja em ambiente hospitalar, bibliotecas, metros ou centros comerciais. E isso é muito emocionante.

Gabriela Fonseca - HS.jpg

A Gabriela tem desenvolvido uma série de trabalhos e atividades que procuram sensibilizar a sociedade para uma realidade bem atual. Quando surgiu esta decisão?

 

Ter um linfoma de burkitt no estádio IV A, aos 25 anos, foi assustador. Somou-se o conhecimento da doença através da conotação negativa enraizado na sociedade e, ainda se tornou bem mais assustador.

No entanto, quando sou a protagonista percebo que existe uma interpretação errada. Muito errada… Há dias cinzentos, mas há dias coloridos. E em outubro de 2016, ainda em tratamentos, decido desdramatizar e desmitificar o cancro com a partilha do meu Dia de Mudança!

 

Quais os meios que a Gabriela tem utilizado para a prossecução dos objetivos que traçou?

 

Há quem queira tornar o mundo num lugar melhor. Eu escolhi mostrar que é possível viver com cancro e viver depois do cancro. Atualmente, tenho o meu cantinho nas redes socias, faço palestras motivacionais, sou o rosto de algumas intuições oncológicas, tenho um programa de rádio. Enfim, uso a comunicação…

 

A adesão das pessoas circunscreve-se a um determinado escalão etário ou é transversal?

 

É uma questão que me colocam várias vezes. O meu projeto é dos 8 aos 80.

Muitas vezes, na plateia está a filha que acompanha o meu trabalho no Instagram, a mãe que ouviu a minha história e que começou a ler o Blog e a avó que foi “obrigada” a ir à Palestra. Obviamente, há muita reticência quanto ao meu trabalho. Mas, a leveza e o humor têm conquistado vários públicos.

Gabriela Fonseca - fot HS.jpg

Estudou na Guarda, o que significa para si esta cidade?

Acho que os 5 f´s tiveram uma grande influência na construção da minha personalidade.

 

Que projetos tem para o futuro, quer nesta área da sensibilização da luta contra o cancro quer em termos pessoais.

 

Tenho vários projetos até ao final do ano que me vão permitir chegar ainda mais perto das pessoas para desmistificar o cancro. Também estou a desenvolver a minha carreira como freelancer na área da comunicação e do marketing.

A nível pessoal, quero muito casar e ser mãe. Mas sei que o futuro será sempre risonho se tiver saúde. Embora possa parecer cliché, é a verdade.

Gabriela Fonseca - Fotog HS.jpg

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:38

A vida por entre escolhas

por Correio da Guarda, em 01.02.19

Bebidas - álcool  - CGuarda.jpg

     "A Vida por entre escolhas: Os jovens e o Álcool" é o tema de um Seminário que terá lugar na Guarda no próximo dia 3 de abril.

   Trata-se de uma iniciativa do Núcleo Hospitalar de Apoio a Crianças e Jovens em Risco, no âmbito da Campanha de Prevenção de Maus Tratos em Crianças e Jovens.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:55

Ar celebra aniversário da Guarda

por Correio da Guarda, em 16.11.12

     “Guarda: Sopro Vital” é o espectáculo que terá lugar, no Grande Auditório do TMG, nos dias 23 e 24 (Sexta e Sábado) às 21h30 horas e no dia 25 de Novembro (Domingo) às 16h00.

     Este espectáculo comunitário – que assinalará o 813º aniversário da cidade da Guarda – contará com o envolvimento de centenas de participantes das colectividades e associações do concelho, bem como de músicos e actores da cidade, bem à semelhança das anteriores edições,“Guarda: Paixão e Utopia”, “Guarda: Rádio Memória” e“Guarda: A República”.

     Em “Guarda: Sopro Vital”, desta vez é o “Ar” o protagonista de toda a trama, ou não fosse a Guarda, cidade distinguida pela Federação Europeia de Bioclimatismo com a insígnia“Cidade Bioclimática Ibérica”.

     «O ar puro da Guarda é, desde há muito, uma "marca" associada à Guarda. Mais evidente, desde o tempo em que aqui se construiu um sanatório. A "Guarda: cidade da saúde", por causa dos ares, é uma imagem recorrente quando falamos da nossa terra. Este espectáculo assenta nessa ideia-forte para contar outras histórias (pessoas, vidas, caminhos, sucessos, falhanços, sonhos, doenças, mortes, etc.).

     As personagens que criámos estão ali juntas, naquele espaço, por causa do ar da Guarda. Por causa da excelência de um ar que não sendo milagroso tem a força de ajudar a superar mazelas do corpo e da alma. Aquelas pessoas estão naquele espaço porque o ar da Guarda ajuda a qualificar as suas vidas. Vamos acompanhar aquelas personagens, ouvindo e vendo o que têm para nos contar. Sobre si próprias, sobre a cidade, sobre o ar, sobre a vida e sobre o futuro»,refere Américo Rodrigues, o coordenador deste espectáculo.

     “Guarda: Sopro Vital” é um espectáculo produzido em parceria pela Câmara Municipal da Guarda, pelo Teatro Municipal da Guarda e pelo Trigo Limpo – Teatro ACERT, com a coordenação geral de Américo Rodrigues.

     O guião e textos são de Américo Rodrigues, João Neca e José Rui Martins, a encenação de José Rui Martins, a assistência de encenação de João Neca, a direcção musical e música original de César Prata, a cenografia de José Tavares e o vídeo de Mecca (RM21).

     No elenco do espectáculo figuram João Pereira, Carlos Lopes, Pedro Sousa, Alcides Fernandes, António Rebelo, Américo Rodrigues, Filipa Teixeira, Albino Bárbara, Daniel Rocha, Agostinho da Silva, Ana Luisa Neves, Carla Morgado, Elisabete Fernandes, Vanda Rodrigues, Rui Pedro Dias, Luís Teixeira, Ronaldo Fonseca, Sá Rodrigues, Sérgio Currais, José Rui Martins, Honorato Esteves, António Godinho, Carlos Morgado, Anabela Chagas, Helena Rodrigues, José Monteiro e João Teixeira.

     As colectividades participantes são o Aquilo Teatro, Ronda do Jarmelo, Associação Cultural Social e Recreativa da Sequeira, Grupo de Cantares da Arrifana, Gambozinos e Peobardos, Conservatório de Música de São José, Rancho Folclórico do Centro Cultural da Guarda, Grupo Coral Pedras Vivas, Camponeses de Aldeia do Bispo, Grupo de Cantares “A Mensagem”, Clube de Montanhismo da Guarda e “Ontem, Hoje e Amanhã” de Maçainhas.

 

    Fonte: TMG

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:15

Sabor e saúde para uma vida melhor

por Correio da Guarda, em 25.05.10

    

      “Sabor e Saúde para uma vida melhor” é o tema da acção que vai decorrer, no próximo dia 27 de Maio, na Escola Superior de Comunicação e Desporto (ESECD) do Instituto Politécnico da Guarda.

     Organizada pelos alunos do curso de Comunicação e Relações Públicas, no âmbito da unidade curricular de Atelier de Comunicação, esta iniciativa – que decorrerá a partir das 14 horas, na ESECD – tem por objectivo incentivar os alunos daquela escola superior a consumirem alimentos saudáveis.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:27


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Contacto:

correio.da.guarda@gmail.com