Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Intervenção cirúrgica inovadora

por Correio da Guarda, em 08.08.18

     Joana Rei, uma jovem médica guardense, integrou a equipa que ontem, no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia, procedeu a uma intervenção cirúrgica inovadora no panorama nacional.

Centro Hospitalar Gaia Espinho.jpg

     (Foto: Centro Hospitalar Gaia / Espinho)

 

    Tratou-se de uma "sleeve" lobectomia com reimplantação brônquica por Cirurgia Toracoscópica Uniportal, “num doente com neoplasia pulmonar central, após dois ciclos de quimioterapia neoadjuvante”.

    Como foi referido na página do Facebook daquela unidade hospitalar, esta operação ocorreu “exatamente 70 anos após a primeira Cirurgia Torácica realizada nesta Instituição, à época Sanatório Dom Manuel II, no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia”.

    Ainda de acordo com a informação veiculada na referida página, “ao fim de quatro anos e meio de prática de Cirurgia Toracoscópica Uniportal com ressecções anatómicas, demos mais um passo inovador a nível nacional, ao realizar a primeira reimplantação brônquica por toracoscopia, evitando desta forma uma possível Pneumectomia (remoção total do pulmão) ou realizar essa mesma reimplantação por via aberta, numa toracotomia póstero-lateral clássica, incisão da coluna ao esterno. A incisão nesta cirurgia foi de apenas 4 centímetros”.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:41

ULS da Guarda encerra unidade e reduz camas

por Correio da Guarda, em 02.07.18

 

Hospital da Guarda - Fot HS.jpg

 

     O encerramento da Unidade de Cuidados Intermédios de Cardiologia e a redução de 16 camas, de vários serviços do Hospital Sousa Martins, foram duas medidas tomadas hoje pela Administração da Unidade Local de Saúde da Guarda.

    De acordo com a informação divulgada por aquela unidade de saúde, esta decisão prende-se com a necessidade de “fazer face à escassez de recursos humanos agravada pela redução do horário de trabalho de 40 para 35 horas, desde dia 01 de julho de 2018”.

   A ULS da Guarda deu ainda a conhecer que “para não colocar em causa a qualidade e segurança dos cuidados a prestar aos doentes, foi temporariamente ajustada a oferta assistencial no Hospital de Sousa Martins”.

   Este ajuste contempla o encerramento da Unidade de Cuidados Intermédios de Cardiologia, “passando o Serviço de Medicina Intensiva a assegurar as situações de necessidade na área, nas camas de cuidados intermédios que lhe estão alocadas”, deu a conhecer a ULS da Guarda.

   O Serviço de Cirurgia foi reduzido em 4 camas e o Serviço de Ortopedia verificou o mesmo número de redução de camas, enquanto aos serviços de Otorrinolaringologia e serviço de Oftalmologia foi retirada uma cama, com “deslocalização das restantes seis camas para próximo do Serviço de Ginecologia”.

   Ao Serviço de Pneumologia foram retiradas 6 camas.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:58

ULS da Guarda recebe estudantes americanas

por Correio da Guarda, em 11.06.18

 

     A Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda recebeu esta segunda-feira o primeiro grupo de alunos americanos, para a realização de um programa observacional hospitalar.

    Esta iniciativa surge no âmbito de um programa designado Atlantis, formalizado com o Saint Mary’s Institute for Educational Excellence, com sede em Washington, nos Estados Unidos da América. Este grupo, de acordo com a informação divulgada pela ULS da Guarda, tem apenas três alunas, que foram distribuídas por diferentes serviços do Hospital Sousa Martins.

    A parceria da ULSG com a Atlantis, coordenada por uma equipa de educadores e técnicos de programas internacionais, estará vigente por cinco anos. A ULS da Guarda é a primeira instituição do interior do país a receber estudantes universitários estrangeiros de medicina, de saúde e graduados recentes, para a realização de programas deste âmbito.

    A Atlantis, fundada em 2007, tem como missão proporcionar aos futuros profissionais de medicina e de saúde o fortalecimento das ligações com outros profissionais internacionais, com a dinamização de programas de observação hospitalar. O projeto Atlantis já está presente em onze países e colabora com mais de sessenta hospitais.

 

    Fonte: ULS da Guarda

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:22

Politécnico integra projeto europeu

por Correio da Guarda, em 03.06.18

 

     "Movement Environment Well-being | MEW” é designação de um projeto europeu em que o Instituto Politécnico da Guarda está envolvido. Integram este projeto, orientado para o bem-estar físico e psicológico, instituições de oito países.

    O MEW visa a constituição da "Rede Europeia para a Saúde" que irá promover o "Modelo de Ação" (MA) elaborado pelo projeto para combater o sedentarismo e para demonstrar a poupança de dinheiro e o bem-estar individual, e social, gerados por comportamentos ativos na vida diária.

   O projeto começa com uma pesquisa internacional de material científico, e depois define um "protocolo de atividades" – físico e sanitário - para 200 beneficiários de vários países da EU; o protocolo foi definido por um grupo multidisciplinar de especialistas que vão monitorizam todas as fases.

    O projeto prevê o envolvimento de beneficiários em atividades de grupo apoiando os seus esforços e favorecendo a motivação e relações sociais; ao mesmo tempo, haverá eventos desportivos para promover áreas urbanas e extra-urbanas de trekking e / ou de bicicleta.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:56

Património agonizante...

por Correio da Guarda, em 18.05.18

 

     O Ano Europeu do Património Cultural está a ser celebrado, pela primeira vez, por iniciativa da União Europeia, balizado pelos objetivos da promoção da diversidade e do diálogo interculturais e da coesão social.

     Como foi divulgado, esta é uma oportunidade para a “realização de iniciativas envolvendo as comunidades, os cidadãos, as organizações, as entidades públicas e privadas, contribuindo para uma maior visibilidade da cultura e do património e para o reconhecimento da sua importância e do seu caráter transversal em todos os setores da sociedade.” Se atentarmos numa especificação mais pormenorizada dos objetivos, verificamos que eles apontam para incentivar uma abordagem centrada nos cidadãos, inclusiva, prospetiva, integrada e transectorial; promover modelos inovadores de governação e de gestão a vários níveis do património cultural que envolvam diferentes partes interessadas; realçar o contributo positivo do património cultural para a sociedade e para a economia; promover estratégias de desenvolvimento local na perspetiva da exploração do potencial do património cultural através da promoção do turismo cultural sustentável.

    O conceito de património não se circunscreve, atualmente, à conceção que prevalecia há algumas décadas anos atrás, resumindo-o a monumentos, às coleções de pintura, às esculturas e a palácios. “A memória coletiva de uma determinada população estende-se aos territórios onde vive, aos seus monumentos, aos vestígios do passado e do presente, aos seus problemas, à cultura material e imaterial e às pessoas”.

    Assim, o património edificado é uma das várias abordagens que podem ser efetuadas de entre a definição mais lata de património cultural. É, aliás, a este nível que têm sido cometidos os maiores atentados, perante a indiferença e a impunidade de quem, por direito, tinha obrigação de atuar.

    Essa apatia começa, como tivemos já a oportunidade de escrever neste jornal, no próprio cidadão comum, conquistado por um doentio comodismo que orienta os seus padrões culturais no limitado horizonte do quotidiano profissional ou dos amenos diálogos e discursos (convenientes) dos círculos de convívio e lazer. Escasseia a sensibilidade cívica…

Saanório Sousa Martins - Pavilhão - foto HS.jpg

     Na Guarda, os pavilhões que outrora pertenceram ao Sanatório Sousa Martins são um exemplo dessa falta de sensibilidade cívica e outrossim do desleixo continuado de entidades oficiais ou da incapacidade reivindicativa (de sucessivas administrações) para contrariarem o caminho da ruína e destruição conducente a “um túmulo de memória”.

     Uma atitude tanto mais criticável quanto o Sanatório foi uma instituição que marcou o desenvolvimento da cidade durante a primeira metade do passado século; a passagem (hoje dia 18 de maio de 2018) de mais um aniversário da sua inauguração é um bom pretexto para voltarmos a sublinhar, uma vez mais, o estado de ruína deste património citadino.

     A inauguração (inicialmente prevista para 28 de abril e depois para 11 de Maio) dos três pavilhões que integravam o Sanatório ocorreu a 18 de maio de 1907, com a presença do rei D. Carlos e da Rainha D. Amélia que materializou nesta instituição de tratamento da tuberculose a homenagem a Sousa Martins, atribuindo-lhe o nome daquele clínico, cuja ação e dinamismo ela tinha já evocado numa intervenção pública, no seio da Associação Nacional aos Tuberculosos, realizada em 1889.

    “Aos dezoito dias do mês de Maio de mil novecentos e sete, num dos edifícios recentemente construídos no reduto da antiga Quinta do Chafariz, situada à beira da estrada número cinquenta e cinco, nos subúrbios da cidade da Guarda, estando presentes Sua Majestade a Rainha Senhora Dona Amélia (...), procedeu-se à solenidade da abertura da primeira parte dos edifícios do Sanatório Sousa Martins e da inauguração deste estabelecimento da Assistência Nacional aos Tuberculosos, fundada e presidida pela mesma Augusta Senhora (...)”.

     Assim ficou escrito no auto que certificou a cerimónia inaugural da referida estância de saúde, da qual, por muitos e diversos motivos, resta hoje uma pálida imagem.

   O Sanatório foi, durante décadas, o grande cartaz de propaganda da Guarda, “a cidade da saúde”; hoje, o que resta, está com péssimo prognóstico e certamente nem os “ares” do Ano Europeu do Património Cultural, nem os objetivos anteriormente mencionados vão minorar a “doença” ainda com cura…

    Na Guarda do património e da cultura o estado de degradação dos Pavilhões D. António de Lencastre e Rainha D. Amélia exige e merece medidas concretas e eficazes de defesa e salvaguarda, pois fazem parte da história da cidade e da história da saúde em Portugal. (Helder Sequeira)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:45

Seminário “O Doente Grande Queimado

por Correio da Guarda, em 20.12.17

 

     Na Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico da Guarda vai realizar-se, no próximo dia 3 de Janeiro, um seminário subordinado ao tema “O Doente Grande Queimado”.

    Este seminário, que decorrerá a partir das 14h40, terá como oradora Ana Margarida Martinho da Unidade de Queimados do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

    Esta iniciativa é dirigida à comunidade académica da ESS e a todos os profissionais de saúde. A inscrição (obrigatória) é gratuita.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:10

Uso de medicamentos pelos idosos

por Correio da Guarda, em 15.07.17

 

      O Instituto Politécnico da Guarda (IPG) obteve, recentemente, a aprovação e financiamento dos seis projetos submetidos ao Sistema de Apoio à Investigação Científica e Tecnológica (SAICT) dos quais é líder. O IPG obteve o pleno de candidaturas que a instituição se podia submeter e assegurou a participação em mais nove projetos com instituições de Ensino Politécnico congéneres.

    Uma das candidaturas aprovadas relaciona-se com o Projeto MediElderly-Polimedicação do idoso, intervenção educativa para melhorar o uso de medicamento pelos idosos e a disponibilização de informação adequada, incidindo nos Problemas Relacionados com Medicamentos (PRM), quer devido ao uso elevado de medicamento quer devido ao declínio das funções cognitiva e física.

      A elevada prevalência de doenças crónicas na população idosa predispõe esta população a um elevado consumo de medicamentos. Em média, os doentes idosos tomam diariamente cerca de 2 a 5 medicamentos prescritos, sendo que, cerca de 20 a 40% dos idosos tomam mais de 5 medicamentos. O elevado consumo de medicamentos está também associado à utilização de medicamentos sem prescrição, frequência de utilização e consumo por períodos superiores à indicação clínica.

Medicamentos.jpg

 

      O referido Projeto visa o desenvolvimento de uma intervenção educativa focada nos principais problemas relacionados com medicamentos identificados na população alvo constituída pelos idosos da região. Inicialmente será desenvolvido um estudo qualitativo com o objetivo de explorar o conhecimento, experiências e atitudes dos doentes idosos em relação aos seus medicamentos. Será também explorada a perceção dos profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, farmacêuticos e técnicos de farmácia) sobre problemas relacionados com medicamento nos doentes idosos. A segunda fase do projeto consistirá na revisão da terapêutica e num estudo quantitativo para identificação dos principais determinantes de uso inadequado de medicamentos pela população idosa. A informação recolhida durante estas fases será essencial para desenhar uma intervenção educativa junto da população focando soluções para resolver os problemas identificados, e, cujo objetivo final é melhorar o uso de medicamentos pela população idosa com impacto positivo na sua saúde e qualidade de vida.

     Com a intervenção educativa, pretende-se melhorar a literacia em saúde dos idosos e seus cuidadores promovendo o seu empoderamento na gestão da sua saúde; de salientar que empoderamento dos doentes é considerado, pela ONU, como um dos pontos-chave para o desenvolvimento sustentável dos sistemas nacionais de saúde.

     Fátima Roque (ESS/IPG), investigadora responsável pelo projeto entende que “este estudo responde a um importante desafio societal da região, promovendo a saúde e consequentemente a qualidade de vida da população idosa, contribuindo, também, para uma diminuição de custos em saúde e para uma melhor sustentabilidade dos recursos em saúde através de uma gestão eficaz e racional do uso de medicamentos”.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:57

 

 

Entrada.jpg

      No Instituto Politécnico da Guarda vai  decorrer a partir da próxima segunda-feira, e até  12 de Julho de 2017, a décima terceira edição do Seminário Internacional de Educação Física, Saúde e Lazer (SIEFLAS).

    O tema central deste seminário, “Desafios interdisciplinares na promoção da Atividade Física”, será abordado em conferências, mesas de debate temático e pósteres por reconhecidos investigadores nacionais e internacionais.

    O Seminário é entendido como um momento de reflexão e troca de conhecimento entre investigadores de vários países, em torno de um tema de importância crescente na sociedade atual”; por outro lado é referido que a Direção Geral de Saúde criou em 2016, pela primeira vez em Portugal, um programa prioritário de promoção da atividade física que visa, além da promoção de estilos de vida saudáveis e a avaliação dos seus benefícios, formar profissionais para aconselharem e mudarem os comportamentos dos utentes.

    Pedro Teixeira (Programa Nacional de Promoção da Atividade Física - DGS); Jorge Mota (Programa Acorda /FADEUP); Romeu Mendes (Programa Diabetes em Movimento - UTAD); José Antonio de Paz Fernández (Programa Esclerosa Múltipla – ULeón, Espanha); José Rodrigues (REDESPP /ESDRM), Nuno Ferro (Sociedade Portuguesa de Educação Física), César Sá (IPVC), Carlos Neto (FMH), Nuno Serra (IPG) e Rita Cordovil (FMH) são alguns dos conferencistas.

    O programa pode ser consultado em www.ipg.pt/13sieflas/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:48

Memória de um Sanatório...

por Correio da Guarda, em 18.05.17

 

    “O passado passou. O presente agoniza.” Estas palavras de Miguel Torga são uma legenda adequada para a imagem atual de dois dos emblemáticos pavilhões do antigo Sanatório Sousa Martins.

Sanatório - Pavilhão D. António de Lencastre -

     Neste contexto de elevação da língua e música portuguesa, e após um fim de semana de alegrias e emoções lusas, justifica-se uma breve nota sobre a importância da preservação da memória, e do património, de uma cidade que foi uma eminente âncora de esperança e futuro, na vanguarda da luta pela saúde.

    “A incompreensão do presente nasce fatalmente da ignorância do passado”, dizia o historiador Marc Bloch: daí que, uma vez mais, anotemos uma efeméride e a importância de salvaguardarmos e rentabilizarmos os edifícios de uma instituição que teve projeção nacional e internacional, associando ao facto a mais alta cidade do país.

    Hoje, 18 de Maio, ocorre a passagem do 110º aniversário da inauguração do Sanatório Sousa Martins, que foi uma das principais instituições de combate e tratamento da tuberculose, em Portugal. A designação de “Cidade da Saúde”, atribuída à Guarda, em muito se fica a dever a uma instituição que a marcou indelevelmente, ao longo de sete décadas, no século passado.

   A Guarda foi, nessa época, uma das cidades mais procuradas de Portugal, afluência que deixou inúmeros reflexos na sua vida económica, social e cultural; a sua apologia como localidade “eficaz no tratamento da doença” foi feita por distintas figuras da época, pois era “a montanha mágica” junto à Serra.

   Muitas pessoas (provenientes de todo o país e mesmo do estrangeiro) subiam à cidade mais alta de Portugal com o objetivo de usufruírem do clima de montanha, praticando, assim, uma cura livre, não sendo seguidas ou apoiadas em cuidados médicos. As deslocações para zonas propícias à terapêutica “de ares”, e a consequente permanência, contribuíram para o aparecimento de hotéis e pensões, dado não haver, de início, as indispensáveis e adequadas unidades de tratamento; situação que desencadeou fortes preocupações nas entidades oficiais da época.

    Já no primeiro Congresso Português sobre Tuberculose, Lopo de Carvalho (que viria a ser o primeiro Director do Sanatório Sousa Martins, e pai de outro conceituado clínico) destacou os processos profiláticos usados na Guarda; este médico foi um dos mais fervorosos defensores da criação do Sanatório que seria inaugurado a 18 de Maio de 1907 – completam-se hoje 110 anos – com a presença do rei D. Carlos e da Rainha D. Amélia.

   O fluxo de tuberculosos superou, largamente, as previsões, fazendo com que os pavilhões do Sanatório Sousa Martins (a autoria do projeto dos edifícios pertence a Raul Lino) se tornassem insuficientes perante a procura; o Pavilhão 1 (designado também de Lopo de Carvalho, onde está atualmente instalada a administração da ULS da Guarda) teve de ser aumentado um ano depois, duplicando a sua capacidade.

    Um novo pavilhão, que se juntou aos três já existentes, foi inaugurado em 31 de Maio de 1953; com este novo edifício (que ladeia a atual Avenida Rainha D. Amélia) o Sanatório Sousa Martins ganhou maior dimensão e capacidade de tratamento dos doentes.

    Anotar a passagem dos 110 anos após a inauguração do Sanatório Sousa Martins não é cair em exercício de memória ritualista mas sublinhar o estado em que se encontra o património físico de uma instituição, indissociável da História da Medicina Portuguesa, da solidariedade social, da cultura (pelos projetos que criou e desenvolveu) e da radiodifusão sonora portuguesa.

    É já tempo de novo tempo para ações concretas em prol da reabilitação e aproveitamento desta memória, agonizante, da Guarda do século passado...

 

                                                                                                                Hélder Sequeira

 

    (in O Interior, 18 Maio 2017)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:45

Educação Física, Saúde e Lazer

por Correio da Guarda, em 22.04.17

DESPORTO - HS.jpg

     No Instituto Politécnico da Guarda vai realizar-se, de 10 a 12 de Julho de 2017, a décima terceira edição do Seminário Internacional de Educação Física, Saúde e Lazer (SIEFLAS).

    O tema central deste seminário, “Desafios interdisciplinares na promoção da Atividade Física”, será abordado em conferências, mesas de debate temático e pósteres por reconhecidos investigadores nacionais e internacionais.

   De referir que este Seminário teve o seu berço no Instituto de Estudos da Criança, da Universidade do Minho, em 2005, prosseguindo, nos anos seguintes, em diversas Instituições do ensino superior em Portugal, bem como na Alemanha e Brasil.

    Para a organização, deste ano, do SIEFLAS este evento “constituí um momento marcante da Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto do IPG, instituição que há 30 anos proporciona uma formação na área do Desporto”.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:50


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com



Google +


Referenciar citações

Protected by Copyscape Website Copyright Protection