Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Manuel Ferreira: paixão pela fotografia e pela Serra

por Correio da Guarda, em 06.05.21

 

 

De raízes nas profundezas da Serra da Estrela, Manuel Ferreira alia o gosto pelas paisagens da montanha aos registos fotográficos que vai realizando aquando das suas incursões, tendo como aliados a sua proximidade ao meio e o seu conhecimento científico, proveniente da licenciatura em geografia.

É na alma e no silêncio da serra, onde a natureza impera que Manuel Ferreira – com quem o CORREIO DA GUARDA conversou – encontra a sua inspiração, construindo dessa forma o portfólio exposto.

É um observador assumido, de olhar atento ao meio envolvente, que faz da fotografia a sua melhor forma de se expressar, refletindo um trabalho de paixão e evolução contínua, onde as redes sociais são o principal canal de divulgação e projeção.

A consagração surge através dos resultados alcançados nos diversos concursos fotográficos nacionais e internacionais, confirmando assim a qualidade dos registos efetuados. Embora não sendo a sua principal atividade, na Escola Profissional da Serra da Estrela Manuel Ferreira desempenha o papel de formador do módulo de fotografia e orienta diversos workshops no âmbito desta temática.

Fotógrafo oficial do Geopark Estrela, durante o primeiro ano da candidatura, publica em vários sites de referência na especialidade.

Manuel Ferreira - fotógrafo.jpg

Como e quando surgiu o interesse pela fotografia?

O interesse pela fotografia surge durante a formação académica, da necessidade de registar conteúdos programáticos em diversas cadeiras da Licenciatura de Geografia (2001-2005).

Entretanto, por motivos pessoais e profissionais, a fotografia passa para um segundo plano e só mais tarde no ano de 2013 volta a despertar esse meu interesse, quando numa noite por coincidência tive que ser “fotógrafo de serviço” na cobertura de um evento.

 

Que géneros de fotos prefere? Paisagem, retrato?...

Sem qualquer dúvida, paisagem e natureza com um gosto especial pela astrofotografia.

A fotografia social, tem surgido por vezes como um desafio e aprecio a oportunidade de captar as emoções e sentimentos que se fazem sentir durante os eventos.

 

A Serra da Estrela continua a ser cenário de inspiração?

A Serra da Estrela, com ou sem máquina é sempre inspiradora, pela ligação umbilical, pelas paisagens únicas, mas principalmente pela luz e a dinâmica que tem no relevo montanhoso. E claro, não esquecendo a serenidade que me transmite.

Serra - foto de Manuel Ferreira -.jpg

O que gosta mais de fotografar na Serra?

Prefiro a questão ao contrário: Só não gosto de fotografar na Serra se estiver céu totalmente azul, a luz muito intensa não permite mostrar certos detalhes.

No entanto, há duas épocas que me fascinam, o Outono pelos tons que as encostas da montanha ganham nessa altura do ano e o Inverno na expetativa que alguns dias de meteorologia mais agreste crie cenários únicos que permitam fazer trabalhos distintos de qualquer outro lugar de Portugal.

 

Qual tem sido a reação das pessoas às suas fotos?

Provavelmente as opiniões dividem-se, mas o que faço e como o mostro, é como eu o vi ou imaginei, no entanto as opiniões que me chegam são positivas e de agrado pela forma como retrato e divulgo a Serra.

 

Serra da Estrela - Fot Manuel Ferreira -2.jpg

 

Os prémios que tem recebido constituem um incentivo para novos trabalhos?

Os prémios acima de tudo geram uma maior responsabilidade, estimulam a vontade de fazer ainda mais e melhor e se forem monetários ajudam nas despesas.

 

Qual foi a distinção que mais gostou de receber?

Há sempre um sentimento especial e de gratidão em cada uma, não conseguindo distinguir, apenas diferenciar quando analiso os restantes trabalhos de outros fotógrafos que se propõem a essa distinção.

 

O digital incrementou, junto das pessoas em geral, o gosto pela fotografia?

Considero que há uma diferença entre imagens e fotografia, sendo que o digital facilitou o acesso à imagem, em relação à fotografia, o assunto é diferente, mas com certeza que estimulou um maior número de pessoas que o analógico, por ser muito mais económico e instantâneo. Mas não confundamos imagem com fotografia.

 

Fazer fotografia implica uma permanente atualização dos equipamentos?

Na minha opinião, não, metaforicamente falando, consoante o poder económico de cada indivíduo, é importante saber escolher a gama do veículo, para o género e tamanho da viagem que necessitamos de realizar.

As marcas e o mercado “criam-nos necessidades” que por vezes não temos assim tanta necessidade, é importante saber filtrar.

 

Os preços dos equipamentos são hoje mais acessíveis?

Da experiência que tenho em aquisições, os preços mantêm-se quando nos estamos a referir a equipamentos com o mesmo patamar de qualidade, ou seja os topos de gama entram no mercado com preços muito semelhantes aos lançados já anteriormente.

 

Para além das iniciativas que tem havido, na área de fotografia, o que podia ser ainda feito para aproximar o público em geral dos trabalhos fotográficos aqui produzidos?

Sem dúvida que é um grande desafio, mas passa pela sensibilização e motivação cultural das camadas mais jovens, porque na diversidade e qualidade de eventos que se realizam, não vejo motivos para existir esse afastamento.

 

Tem algum episódio curioso, ou que lhe tenha deixado boas recordações, no decorrer da sua atividade fotográfica?

Diversos, dos quais os que mais me entusiasmam são a convivência com os pastores que vou encontrando pela Serra, são pessoas cheias de histórias que me transportam para o Mundo deles, momentos esses em que troco a máquina pela conversa e me deixo levar pelas infindáveis histórias e sabedoria que me transmitem.

 

E episódio menos agradável?

Sentir que uma entidade relacionada com a Serra da Estrela com a qual colaborei na cedência de fotografias para a sua divulgação durante algum tempo, de forma gratuita, após ter conseguido financiamento, dispensaram a minha colaboração por discórdia em relação aos direitos autorais, mas que posteriormente não os verifiquei nos restantes trabalhos que divulgam.

foto de Manul Ferreira.jpg

 

Que projetos tem, no campo da fotografia?

Tenho dois a decorrer há já algum tempo, são projetos de longo prazo onde o mote principal é a componente humana relacionada com as “lides serranas”, mas que por enquanto não vou revelar.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01

Caminhando...

por Correio da Guarda, em 05.05.21

Idosos -  HS.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:15

Ismael Marcos: um beirão no Alentejo

por Correio da Guarda, em 23.04.21

 

Ismael Marcos desenvolveu ao logo de algumas décadas a sua atividade profissional na Guarda, na área da comunicação. Inicialmente na rádio e depois na televisão, acompanhou o pulsar da região beirã, através de múltiplos trabalhos.

Hoje a sua atenção centra-se noutros territórios do país; mas nas suas memórias está a sempre a Guarda, como aliás expressou ao CORREIO DA GUARDA.

Ismael Marcos - RTP - 1.jpg

Onde está a desenvolver, atualmente, o seu trabalho?

Neste momento estou na delegação da RTP em Évora numa área de cobertura que vai de Portalegre a Ourique e Mértola

Porquê a opção por Évora?

Na altura era uma região que me fascinava e foi também juntar o útil ao agradável, pois o meu filho mais velho entrou esse ano2015 na universidade de Évora 

Que comparação ou diferenças acentua entre a Guarda e a cidade onde vive atualmente?

São cidades completamente diferentes, em todos os aspetos, desde a própria geografia delas à construção, à preservação, etc. ..

Guarda boas memórias da sua passagem pela Rádio? O que gostou mais de fazer?

Claro que guardo excelentes memórias da minha passagem pela Rádio Altitude, desde a aprendizagem à própria camaradagem e penso que também deixei algum contributo com os conhecimentos que trazia de outra grande casa que é a Rádio Renascença.

Tenho boas memórias dos diretos que fazia com o Emílio Aragonês, aos fim-de-semana, das diversas câmaras municipais.

O trabalho na televisão marcou um novo ciclo na sua vida?

Sim o trabalho em televisão é um trabalho mais desafiante muito diferente da rádio, na televisão temos que estar lá, não podemos fazer à distância, temos que tratar não só do som mas também da imagem, preparados para qualquer situação e qualquer tema, desde a sociedade à política, passando pelo desporto etc.

Como estou numa delegação tenho a vantagem da polivalência, ou seja desde a captação da imagem à edição da peça e depois ao envio prontinha para emissão tudo é feito por mim.

Ismael MARCOS - RTP.jpg

Que episódios positivos ou negativos regista do seu trabalho, em televisão?

São muitos os episódios positivos, que passam desde o conhecimento de pessoas novas e diferentes diariamente, assim como locais, às várias deslocações ao estrangeiro, cobertura de eleições em todo o território nacional, voltas a Portugal em bicicleta e muito mais…

Notas negativas, aquelas que inerentes à concorrência, as nossas chefias se vêm obrigadas a nos pedirem coisas que por vezes não tem qualquer interesse (basicamente as secas que muitas vezes apanhámos quer seja por exemplo à porta de um tribunal ou à porta de uma prisão, muitas vezes à chuva e ao frio ou ao calor tórrido do Alentejo)

Qual o evento que mais gostou de acompanhar?

Sem dúvida a cobertura dos jogos paraolímpicos em Pequim 2008

O seu futuro vai cruzar-se ainda com a Guarda?

Nunca podemos dizer desta água não beberei, mas não me importava, são as minhas raízes.

A Guarda tem potencialidades para um maior desenvolvimento? Qual a sua maior riqueza?

A Guarda tem todas as potencialidades, desde as pessoas que são trabalhadoras e empreendedoras, à própria localização geográfica da cidade, as vias de acesso e comunicação; tem todas as potencialidades para ser uma grande cidade e uma grande região, assim haja sinergias e vontade política!...

Tem pensado algum projeto pessoal que queira implementar?

Para já projetos...e com a pandemia à nossa volta, é viver o dia a dia!...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

Atividade física e pessoas idosas

por Correio da Guarda, em 22.11.18

 

     O projeto Gmove+, liderado pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG), está no terreno desde segundo trimestre de 2017 e tem como missão aumentar a prática regular de atividade física pelas pessoas idosas Guarda, através da otimização das sinergias entre os vários parceiros locais com maior responsabilidade social neste âmbito.

    A primeira fase do projeto está quase finalizada (identificar barreiras e motivações para a prática regular de atividade física), tendo sido avaliados mais de 300 idosos encaminhados pelos médicos e enfermeiros dos Centros de Saúde da Guarda, bem como pelos diretores técnicos de centros de dia e de convívio.

    Os resultados da primeira fase do estudo indicam que a população idosa da Guarda apresenta valores de prática de atividade física inferiores ao observado em estudos de âmbito nacional. De acordo com a Investigadora Responsável, Profª Carolina Vila-Chã, estes resultados, ainda que preliminares, constituem motivo de preocupação dado que a inatividade física e o comportamento sedentário estão entre os principais fatores que contribuem para o aparecimento de doenças crónicas não transmissíveis, como a diabetes e hipertensão.

    Esta alteração do comportamento motor é já considerada um problema de saúde pública tanto a nível nacional como mundial e que precisa de ser combatido através de medidas adaptadas à população local e coordenadas entre vários setores da sociedade. Os resultados indicam também que os idosos avaliados pelo Gmove+ percebem como principais barreiras à prática de atividade física as más condições climatéricas, considerarem já serem fisicamente ativos e a falta de instalações perto de casa e/ou falta de transporte para as atividades. Algumas destas barreiras podem ser colmatadas através da articulação com os serviços já disponibilizados pela Câmara Municipal da Guarda (CMG). No entanto, outras barreiras carecem de maior sensibilização da população para a prática da atividade física, processo este em que os profissionais de saúde da ULS podem ter um papel fundamental. Neste momento estão a ser debatidas com a CMG medidas para levar a prática da atividade física a mais idosos do concelho, aumentando os locais de atividade e procurando otimizar as redes de transporte. Está previsto também a inclusão de outras atividades no programa Guarda+65, tomando em consideração as motivações expressas pelos idosos durante este primeiro estudo. Juntamente com a ULS e com a CMG, está previsto, a curto prazo, iniciar um programa de atividade física especificamente direcionado os idosos com diabetes, podendo ser alargado a outras condições de doenças crónicas não transmissíveis.

    O projeto tem participado em várias ações de sensibilização não só no concelho, mas também no distrito.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30

Violência contras as pessoas idosas

por Correio da Guarda, em 24.01.17

 

     “Violência contra as pessoas idosas. Conhecer para atuar” é o tema da conferência que vai ter lugar no próxima sexta-feira, dia 27, pelas 14h30, na Escola Superior de Saúde da Guarda /IPG , com a colaboração da APAV - Associação Portuguesa de Apoio à Vítima

     Esta conferência insere-se nas atividades desenvolvidas pelo Consórcio Idade Mais (CI+),que junta as três instituições de ensino superior da Beira Interior, Universidade da Beira Interior, Instituto Politécnico de Castelo Branco e Instituto Politécnico da Guarda, e que pretende fomentar projetos de investigação e intervenção para um envelhecimento bem-sucedido.

     No âmbito dos princípios subjacentes e objetivos deste consórcio, CI+, pretende-se reunir recursos e articular esforços para a realização de projetos com impacto na qualidade de vida de quem envelhece.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:22


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Contacto:

correio.da.guarda@gmail.com