Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


CalaFrio apresenta OssO de Rui Zink

por Correio da Guarda, em 12.05.17

 

osso8.JPG

    No Teatro Municipal da Guarda (TMG) continua em cena, até amanhã, a nova produção do Teatro do CalaFrio, OssO de Rui Zink, cuja estreia teve ontem lugar.

    De referir que a sessão do dia 13 de Maio contará com a presença do autor da peça. Após o espetáculo (que se inicia às 21h30), haverá um encontro com o escritor Rui Zink no Bar do seguindo piso do TMG. Este novo trabalho do CalaFrio tem encenação de Américo Rodrigues e interpretação de Luciano Amarelo e Valdemar Santos; a cenografia é assinada por José Teixeira e o desenho de luz é José Neves

    Esta é a sexta produção do CalaFrio, depois de “Mas era proibido roer os ossos”, a partir de dois textos de Franz Kafka (estreada em Abril de 2014); "Empresta-me um revólver até amanhã", com dois textos de Anton Tchekhov (Abril de 2015); “Bartleby”, baseada em Bartleby, o escrivão: uma história de Wall Street, de Herman Melville (Dezembro de 2015); "Diário de um louco", de Nikolai Gogol (Abril de 2016) e “O Ingénuo”, de Voltaire (Dezembro de 2016).

    “ (...) História literalmente no osso, sem corpos nem paisagem, todo o aparato da escrita reduzido ao palco de uma cela onde se digladiam duas vozes. Trata-se de uma espécie de teatro mental, por onde passam algumas das maiores tensões e angústias do nosso tempo: a retórica do medo, a intolerância, os abusos cometidos em nome da democracia, a incapacidade de compreender o outro, de respeitar quem não pensa como nós. Zink não faz do duelo entre os dois homens mero veículo para um qualquer discurso político. Em vez disso, e com muito mais eficácia, descontrai ideias feitas sobre a ameaça do fanatismo religioso e o seu reverso (a paranóia securitária) mostrando-nos como as relações de poder se podem dissolver no próprio absurdo que as sustém.” Escreveu José Mário Silva a propósito desta obra de Rui Zink.

    Escritor e professor universitário, Rui Zink enquanto escritor, é autor de vários livros, de entre os quais, ensaios e ficção, se salientam talvez os romances Hotel Lusitano (1987), Apocalipse Nau (1996), O Suplente (1999) e Os Surfistas (2001), e a novela O Anibaleitor (2006). Colaborou ainda em jornais e revistas, entre os quais o semanário O Independente (1991) e a revista K (1992). Enquanto tradutor, traduziu obras de Matt Groening, Saul Bellow e Richard Zenith.

    Rui Zink recebeu o Prémio do P.E.N. Clube Português pelo romance Dádiva Divina (2005), e representou Portugal em eventos como a Bienal de São Paulo, a Feira do Livro de Tóquio ou o Edimburgh Book Festival.

 

    Fonte: CalaFrio

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01

Daniel Rocha apresenta novo trabalho

por Correio da Guarda, em 18.04.16

 

     Na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, na Guarda, será feita no próximo dia 30 de Abril, pelas 16 horas, a apresentação e lançamento da edição em português da peça Um Outro Fim, de Daniel António Neto Rocha.

Daniel Rocha.jpg

    Um outro fim é uma peça de teatro onde, no meio de uma casa em construção, uma pausa desperta um diálogo incomum e uma situação absurda. Duas pessoas, que não se conhecem mas que se relacionam profissionalmente, ficam então a saber mais sobre as estranhas errâncias do Fim.

    Nessa ocasião vão ser igualmente apresentados 34 exemplares da edição especial bilingue (Português e Neerlandês) een andere afloop, traduzida e pintada por Jos van den Hoogen e complementada com trabalhos fotográficos de Alexandre Costa, Pedro Carvalho e Ricardo Marta.

   A apresentação dos opúsculos será feita por Patrícia Couto, do Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Durante a sessão será lida integralmente a peça por dois actores: Carla Morgado (Aquilo Teatro) e Pedro Sousa (Acert).

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:02

Três dedos abaixo do joelho

por Correio da Guarda, em 04.07.13

 

      A peça “3 dedos abaixo do joelho” vai ser apresentada no Teatro Municipal da Guarda no próximo dia 13 de Julho.

     Tem encenação de Tiago Rodrigues e interpretação de Isabel Abreu e Gonçalo Waddington, sendo a nova produção da Mundo Perfeito.

     De referir que esta peça ganhou o prémio de melhor espectáculo da Sociedade Portuguesa de Autores e também o Globo de Ouro na mesma categoria.

     No arquivo da Torre do Tombo, Tiago Rodrigues encontrou um arquivo enorme da Censura exercida sobre o teatro durante o regime fascista. Entre milhares de textos de teatro submetidos ao exame dos censores do Secretario Nacional de Informação, Tiago Rodrigues ficou particularmente interessado nos relatórios escritos pelos próprios censores onde explicam os cortes ou proibições de textos e encenações.

    A ironia por trás de três dedos abaixo do joelho é que transforma os censores em dramaturgos, usando os seus relatórios como o texto de um espectáculo que é uma máquina de censurar poética e absurda. De alguma forma, aqueles que oprimiram a liberdade artística e política do teatro deixaram nos uma herança que nos pode ajudara redescobrir o perigo e a importância do teatro na sociedade.

Fonte: TMG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:03

As últimas palavras de Swazo Camacase

por Correio da Guarda, em 14.09.12

 

 

 

     A peça As últimas palavras de Swazo Camacase [ou Um pouco mais de nada], de Pedro Dias de Almeida vai ser apresentada, em estreia, dia 26 de Setembro, no Teatro Municipal da Guarda.

    Trata-se de mais uma produção do Projéc~, estrutura teatral do TMG, com encenação, cenografia e interpretação de Américo Rodrigues.

    “Um velho escritor conversa com o seu público em jeito de despedida. Há mais de um mês o seu médico deu-lhe um mês de vida. Mesmo assim, Swazo Camacase é, ou acredita ser, como sempre foi, um «abismo de possibilidades» - tão entusiasmado pela velocidade do seu Porsche 911 verde como pela desaceleração dos dias, um tédio procurado, um nada cheio de vida interior”, explica o autor da peça.

    Pedro Dias de Almeida é natural da Guarda, sendo jornalista da revista VISÃO desde 1994; desempenha, actualmente, as funções de editor da secção de Cultura.

 

     O Projéc~ é um projecto de criação desenvolvido no âmbito do Teatro Municipal da Guarda; tem por base uma pequena estrutura flexível de profissionais da área do teatro. Inscreve as suas produções no âmbito da programação do TMG.

Até à data, o Projéc~ apresentou: “E outros diálogos” de João Camilo com encenação de Luciano Amarelo; “A Cozinha Canibal” de Roland Topor com encenação de Américo Rodrigues; “Na Colónia Penal”, ópera de Philip Glass, segundo conto de Kafka e com encenação de Américo Rodrigues; “O Barão” de Luís de Sttau Monteiro com encenação de Fernando Marques; “Eu queria encontrar aqui ainda a terra” de António Godinho e Manuel A. Domingos com encenação de Luciano Amarelo; “Os Sobreviventes” de Manuel Poppe com encenação de Américo Rodrigues; “Querido Monstro” de Javier Tomeo com encenação de José Neves, “São Francisco de Assis” e “Mun­dus Imaginalis num quadro de Van Gogh” de Vicente Sanches com encenação de Américo Rodrigues, “Simplesmente Complicado” de Thomas Bernhard com encenação de Américo Rodrigues, a peça radiofónica “Senhor Henri” de Gonçalo M. Tavares com José Neves, “The Dumb Waiter” de Harold Pinter com encenação de Fernando Marques; “A Acácia Vermelha” de Manuel Poppe com encenação de Valdemar Santos; “D’abalada” de Jorge Palinhos com encenação de Luciano Amarelo; “A dama pé de cabra” de Alexandre Herculano com encenação de Antónia Terrinha; “Fragas”, a partir de textos de Miguel Torga, com encenação de João Neca.

 

   Fonte: TMG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:31

Samuel Beckett no TMG

por Correio da Guarda, em 25.09.09

 

O Centro Dramático de Évora (CENDREV) vai apresentar hoje, no TMG, a peça de Samuel Beckett “Os Dias Felizes”, integrada no programa do Acto Seguinte - Festival de Teatro da Guarda.
Trata-se de «um poema de amor, o canto de uma mulher que ainda quer ouvir e ver o homem que ama», de acordo com a informação distribuída pelo Teatro Municipal da Guarda (TMG).
É a história de Winnie, uma personagem que cria o seu presente a partir de fragmentos de uma existência anterior e que está a afundar-se na terra.
«Enterrada até à cintura, ela passa o tempo entre a campainha que toca para acordar e a que toca para dormir e tentando envolver Willie – o seu companheiro – na conversa, evocando memórias de uma vida anterior, em que a mobilidade era possível, contando histórias a si própria e remexendo nos seus objectos dentro do saco. O seu conflito interior reside no facto de o seu interlocutor lhe poder falhar e ter que passar a falar sozinha, coisa que não poderá suportar.
Na condição em que se encontra, é absolutamente necessário que encontre forma de passar o tempo “à moda antiga”, de forma a minimizar as adversidades que enfrenta, dia após dia. Assim, não pode parar de falar, para se obrigar a não pensar no que a atormenta, como não pode prescindir dos seus objectos, recordações palpáveis do que ela já foi e pode (enquanto os puder usar) continuar a ser, vivendo assim um “dia feliz” de cada vez».
“Os dias felizes” tem a encenação de Júlio Castronuovo e a interpretação de Rui Nuno e Isabel Bilou. A peça será apresentada, a partir das 21h30, no Pequeno Auditório do TMG.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:02

Novo Caderno TMG

por Correio da Guarda, em 10.01.09

 

No Café Concerto do Teatro Municipal da Guarda será hoje apresentado, pelas 21h30, um novo Caderno TMG, intitulado “Eu queria encontrar aqui ainda a terra”.
Depois da peça da autoria de António Godinho e de Manuel A. Domingos que a estrutura de produção teatral do TMG, Projéc~, apresentou em Maio de 2008, é agora a vez do Teatro Municipal da Guarda e do Centro de Estudos Ibéricos editarem em livro os textos da peça, no âmbito da Colecção Cadernos TMG.
 “Eu queria encontrar aqui ainda a terra” é uma peça teatral baseada nas narrativas cruzadas de duas figuras de peso da cultura portuguesa: Vergílio Ferreira e Eduardo Lourenço.
A entrada é livre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:36


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com



Google +


Referenciar citações

Protected by Copyscape Website Copyright Protection




Error running style: Style code didn't finish running in a timely fashion. Possible causes: