Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Dia Mundial do Rádio

por Correio da Guarda, em 13.02.24

 

Hoje assinala-se o Dia Mundial do Rádio, data que foi assim designada, em 2011, pelos estados-membros da UNESCO. No ano seguinte esta escolha seria validada pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

A opção por 13 de fevereiro fica a dever-se ao facto de ter sido nesse dia, em 1946, que a Rádio das Nações Unidas emitiu pela primeira vez um programa em simultâneo para um grupo de seis países.

Nesse mesmo ano, recorde-se, ocorriam na Guarda as primeiras experiências de radiodifusão sonora que estiveram na origem da Rádio Altitude. Assinalar esta efeméride é, também, exercer o dever de memória e relembrar o pioneirismo da mais alta cidade portuguesa no campo da radiodifusão sonora.

Estúdio da Rádio Altitude_onda média - HS.jpg Estúdio da Rádio Altitude (1979), emissão em onda média. 

 

Este ano, o tema do Dia Mundial do Rádio sublinhou “um século de informação, entretenimento e educação”, iluminando “o passado notável, o presente relevante e a promessa de um futuro dinâmico”, como foi referido numa nota informativa divulgada pela da UNESCO. “(…) A oportunidade oferecida pelo marco de mais de 100 anos do rádio merece ser propagada a todo volume. O centenário é uma ocasião para celebrar com orgulho as amplas virtudes e a potência contínua deste meio. O momento é oportuno, pois o rádio enfrenta desafios cada vez maiores em relação aos números de audiência e receita obtidas por plataformas digitais, redes sociais, divisões digitais e geracionais, ventos contrários da censura e, para alguns meios de comunicação, dívidas sufocantes, bem como dificuldades económicas exacerbadas por um mercado de publicidade fraco”. Um cenário sobre o qual já escrevemos recentemente.

A propósito da comemoração, em 2024, do Dia Mundial do Rádio, a UNESCO acentuou a “história indelével” deste meio de comunicação e seu “poderoso impacto nas notícias, teatro, música, desportos”, não deixando de aludir ao “valor utilitário atual do rádio como uma rede de segurança pública relativamente gratuita e portátil durante emergências”. Uma mais-valia a que não se tem dado a devida atenção, talvez pela confiança que se tem colocado noutras redes de transmissão, as quais, por várias vezes (grandes fogos florestais, por exemplo) demonstraram fragilidades. As emissoras de rádio, apoiadas e apetrechadas com os adequados geradores de emergência seriam, podem ser, mais uma eficaz antena para a proteção civil.

Por outro lado, para a comemoração do Dia Mundial do Rádio foi igualmente apontado como mote de reflexão “o valor democrático contínuo do rádio para servir como um catalisador de base para a conexão entre grupos carentes, incluindo imigrantes, religiosos, minorias e populações atingidas pela pobreza; e como um termómetro instantâneo da opinião pública expressa por meio dos auspícios da liberdade de expressão no espaço público”. A UNESCO, no texto divulgado a propósito do Dia Mundial do Rádio, considerou ser “uma conquista notável para um importante meio de comunicação de massa manter sua relevância após 100 anos e ainda ser uma força para a liberdade de expressão, alegria e conhecimento. Ao contarmos com orgulho sua história, vamos dar as boas-vindas ao futuro do rádio no próximo século.”

Celebrando o Rádio, este dia mundial teve entre os seus objetivos a consciencialização do público e dos media sobre o valor do serviço público de áudio, e o alerta para a importância do incremento de estações livres, independentes, pluralistas capazes de reforçarem o seu papel e poder no quadro de uma rede de cooperação internacional; facilitada hoje pelas tecnologias da informação e por uma diversificada gama de equipamentos, que garantem novas potencialidades, num tempo de enormes dificuldades e desafios, sobretudo nas regiões com menor densidade populacional.

Contudo, o tempo presente continua a ser do rádio, interventivo que saiba construir e lutar pelo futuro. Deverá ser também o tempo de darmos uma nova e objetiva atenção às estações de radiodifusão existentes no interior de Portugal. É também o tempo de serem apoiadas as estações que, apesar das múltiplas dificuldades continuam a emitir. Apoiar estas emissoras – como já tivemos a oportunidade de escrever noutras ocasiões – é um imperativo moral e ato de justiça, pelo seu papel de serviço público que desenvolvem em prol das populações. Em apontamentos anteriores falámos já das dificuldades crescentes com que, nos últimos nos, se têm vindo a debater as estações de rádio.

O debate em torno do perfil da rádio, na atualidade e no futuro, tem suscitado posturas diferenciadas, mas convergentes quanto à sua continuidade. Para alguns, a rádio tem de resistir à tentação de perder a sua credibilidade na concorrência diária que enfrenta com as redes sociais e media socias. Essa credibilidade passa pelo rigor e salvaguarda permanente da sua função informativa, pela ação ao nível do entretenimento, nas várias vertentes.

Tendo em consideração a constante evolução tecnológica e as tendências dos consumidores, é também defendido que caminhamos para a existência de menos rádios físicas e mais virtuais. Mas não se esqueça que a humanização da rádio é fundamental; as pessoas não podem ser afastadas do processo evolutivo e do plano radiofónico. Temas de reflexão que se juntam aos apresentados pela UNESCO a propósito do Dia Mundial do Rádio que se assinala hoje, como já dissemos.

O importante é que a o rádio seja de todos os dias, pois este meio de comunicação deve continuar a ser indissociável das nossas vidas.

 

Hélder Sequeira

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:30

Entender e reinventar a Rádio

por Correio da Guarda, em 21.06.23

 

O panorama atual das rádios portuguesas é substancialmente diferente daquele que era vivido há duas ou três décadas. Houve uma seleção natural das estações nascidas sob o alvor da regulamentação do espectro radioelétrico, face a condicionalismos de vária ordem; mormente da necessidade de serem afirmados projetos pautados pelo profissionalismo, com um esclarecido entendimento da função social da rádio.

O suporte económico-financeiro não deixou de ser um fator importante, sobretudo em zonas de baixa densidade populacional, como a nossa, onde as fontes de receita proporcionadas pela publicidade diminuíram de forma drástica. A pandemia fez-se também notar de forma impiedosa, ainda que chamando a atenção para novas fórmulas de desenvolvimento do trabalho na rádio.

Microfone _ estúdio_ HS .jpg

A diminuta fatia (quando existente) da publicidade institucional acentuou ainda mais a preocupante realidade de muitas estações. Os projetos radiofónicos não evoluem se não for garantida a sua sustentabilidade financeira, a sua autonomia e, simultaneamente, criadas dinâmicas capazes de reforçarem a qualidade dos conteúdos programáticos, ampliarem audiências, aproximarem-se dos seus destinatários e interlocutores.

Será oportuno recordar que nos fins genéricos da atividade de radiodifusão se inscreve a obrigação de contribuir para a informação do público, garantindo aos cidadãos o direito de informar, de se informar e de ser informado, sem impedimentos nem discriminações. Por outro lado, a lei estabelece que às rádios compete contribuir para a valorização cultural da população, assegurando a possibilidade de expressão e o confronto das diversas correntes de opinião, através do estímulo à criação e à livre expressão do pensamento e dos valores culturais que traduzem a identidade nacional.

O debate em torno do perfil da rádio, na atualidade e no futuro, tem suscitado posturas diferenciadas, mas convergentes quanto à sua continuidade. Para alguns, a rádio tem de resistir à tentação de perder a sua credibilidade na concorrência diária que enfrenta com as redes sociais e media socias. Essa credibilidade passa pelo rigor e salvaguarda permanente da sua função informativa, pela ação ao nível do entretenimento, nas várias vertentes.

Tendo em consideração a constante evolução tecnológica e as tendências dos consumidores, é também defendido que caminhamos para a existência de menos rádios físicas e mais virtuais; para uma rádio interativa no plano musical, com a escolha por parte do ouvinte. Este cenário faz emergir novas exigências para os seus profissionais que têm de estar dotados de competências ao nível da utilização das redes sociais, da edição de áudio e vídeo relativa aos seus trabalhos; sejam peças informativas, sejam as intervenções específicas na programação regular.

Não esqueçamos que a humanização da rádio é fundamental; as pessoas não podem ser afastadas do processo evolutivo e do plano radiofónico. Um radialista espanhol escrevia, a este propósito, que quanto mais complexa é a tecnologia mais se valorizam os conteúdos humanos que existem no seu interior. Assim, importa evidenciar e valorizar a importância da voz na rádio, a presença do animador de emissão, que nos envolva no fascínio da rádio; o qual não é incompatível com a adequação das suas emissões a novas plataformas e meios de receção.

Longe vai o tempo da mobilidade que o transístor nos permitia; hoje o telemóvel está presente no nosso quotidiano, ultrapassando largamente a função de fazer ou receber chamadas. É arquivo, é meio de consulta e informação, meio de registo áudio ou vídeo, elo permanente de ligação com o mundo. A audição da rádio passa, igualmente, pelos dispositivos móveis. A rádio não pode olvidar estes novos recetores e a adequação das suas emissões para estes equipamentos; adequação que pode ser complementada com aplicações que agilizem e agendem alertas para programas, notícias, trabalhos específicos que interessem ao cidadão.

Neste contexto é fundamental centrar a atenção nos conteúdos programáticos. Percebe-se, cada vez mais, que o ouvinte escolha perfis identitários numa emissora onde a diferença da oferta informativa e musical constitua uma possibilidade de opção face à uniformidade das propostas radiofónicas; geralmente com a exaustiva repetição de músicas, com a sucessiva reedição de temas de política nacional ou local, com demasiado peso da opinião de comentadores, com a redundância de temáticas que podem ser gratas aos intervenientes de um espaço de debate radiofónico, mas não têm o mesmo interesse para a generalidade de quem escuta.

Escrevíamos, nas linhas anteriores, que os conteúdos humanos são fundamentais, mesmo com o atual quadro tecnológico. De facto, é por uma rádio com gente dentro, por uma rádio atenta à realidade local dando expressão a quem tenha algo de novo e diferente para dizer, que passa também o futuro da rádio, muito para além dos limites definidos pelas ondas hertzianas.

Aliás, “O Rádio sem Onda – convergência digital e novos desafios na radiodifusão” é o sugestivo título de um livro de Marcelo Kischinhevsky; uma publicação onde foi feita uma síntese da trajetória do rádio nas últimas décadas e de alguns caminhos para o futuro (alguns já do presente), onde ficam balizados o podcasting ou o rádio digital por assinatura.

Estes novos cenários da rádio devem merecer a indispensável atenção de forma que se potenciem recursos humanos, agilizem estratégias, se alcancem objetivos de audiência e se garanta uma posição de vanguarda. Claro que não podemos ser redutores quanto à questão de a rádio tradicional ter limites temporais na sua existência, nem ficarmos presos ao debate se a o rádio na internet é rádio.

Esta atividade não se pode alhear da evolução tecnológica, por um lado, nem alimentar, por outro, a ideia sublinhada por muitos de que o rádio tradicional ficará obsoleto como os discos de vinil. Não é verdade, muito menos para este exemplo, pois sabemos que o vinil emergiu com uma nova força e qualidade sonora.

Uma boa e completa informação (distribuída equilibradamente ao longo da emissão), numa estação de rádio, reforça a sua presença na zona onde se insere, atribui-lhe identidade, e visibilidade no contexto global. Como têm defendido vários investigadores da área dos media, “a força do jornalismo numa emissora de rádio local é o instrumento que lhe dá a sensação de plenitude local e regional”. A informação a privilegiar pela rádio local é a que está relacionada aos acontecimentos da proximidade; na opinião de Cebrián Herreros "o mais importante é cobrir as notícias que os demais não dão", mesmo que menos sensacionais.

O êxito de uma estação de rádio, em especial neste espaço geográfico do interior do país, passa por um entendimento objetivo dessa realidade e pela permanente aproximação e interação com a mesma. Desde logo com os setores populacionais circunscritos ao meio rural e que, não seguindo conteúdos informativos do meio televisão – por variadas razões – encontram na rádio a companhia diária, um interlocutor de proximidade, uma maior identificação.

Este trabalho das rádios implica um grande labor diário, uma permanente formação, atualização, a par de uma imprescindível interpretação dos contextos sociais, culturais, políticos e económicos. Um trabalho sério e isento, equidistante, sem declinar, naturalmente, uma salutar relação profissional sempre com a devida consciência das normas deontológicas e éticas.

O futuro da rádio – alicerçado em pilares de competência, profissionalismo e experiência – passa pela sua reinvenção e perceção da sua inconfundível magia.

 

Helder Sequeira

 

in jornal O Interior, 21_junho_2023

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:42

João Neves: a Rádio não tem limites

por Correio da Guarda, em 27.10.21

 

 

João Neves é uma voz da rádio, com quem se relacionou bem cedo. Competente, trabalhador, cordial e discreto, João Neves sustenta que a “rádio não tem limites” e fala dela sempre com o entusiasmo dos primeiros tempos.

Natural do Porto, onde nasceu em setembro de 1962, João Crisóstomo das Neves veio ainda muito novo para a Mêda (onde tinha família), vivendo mais tarde em Trancoso e posteriormente na Guarda, onde reside. “Comecei por frequentar a segunda classe do ensino primário, na escola do Espírito Santo. Prossegui cá os estudos até ao secundário, começando logo a trabalhar. Mais tarde retomei a aprendizagem, tirando vários cursos profissionais, jornalismo escrito, e jornalismo de rádio, que me conduziram à profissão que tive; animador de emissão (locutor)”. Disse João Neves ao CORREIO DA GUARDA.

Para o nosso interlocutor de hoje, “a Rádio não deve ser o que as pessoas querem, antes o que nós queremos dar às pessoas. É assim que se “educam” os ouvintes. Se não lhes oferecermos programas de qualidade, elas cingir-se-ão apenas ao que se lhes propõe! Se for bom, tanto melhor.” Tem também, para além da rádio, outros gostos que nos revela. “Gosto de fotografia, automóveis antigos, música, conduzir, conviver com os amigos, e passar o maior tempo possível junto da família (o meu bem mais precioso). Gosto também de me manter anónimo quanto baste”.

JOÃO NEVES - 1.jpg

 

Quem é o João Neves?

Não sou eu que devo falar de mim. Essa pergunta seria mais bem dirigida a uma terceira pessoa. Atrever-me-ia a redirecionar-lhe a pergunta a si! Quem é o João Neves?

Considero-me um cidadão comum, com defeitos e virtudes. Sério, honesto, justo e apaixonado pela família. Detesto conflitos. Sou muito pacato e não gosto de vedetismo.

 

É um reconhecido apreciador de música. Quando começou a manifestar esse gosto? Houve alguma influência familiar?

O meu gosto pela música, começou era ainda criança.

Venho de uma família de classe média. A minha mãe era telefonista, e o meu pai radiotécnico. Frequentava ainda a instrução primária, quando, num Natal o papá me deu um rádio. Pequenino, vermelho com detalhes dourados, e que era também mealheiro, com chave e tudo! Creio que foi a partir desse dia, que o gosto de ouvir música nasceu. Foi, de facto, o meu pai que me “mostrou” a música.

 

Recorda-se dos seus primeiros vinis? Quais eram os cantores ou grupos preferidos?

Eram muito variados. Ainda hoje escuto os meus primeiros LPs oferecidos pelo meu pai, eram também os que ele escutava. Pink Floyd, The Doors, Led Zeppelin, Rolling Stones, Bob Marley, Genesis, Yes, a música eletrónica dos Tangerine Dream, Kraftwerk, Klaus Schulze, Vangelis, e o incomparável Andreas Vollenweider, que faziam “viajar” um solitário introvertido (o que eu era).

Tantos, tantos outros, que se tornaria enfadonho enumerar aqui.

 

João Neves 8 .jpg

 

Ainda conserva os seus primeiros vinis? E cassettes?

Com certeza! Jamais me separarei deles, apesar de ter sido “acossado” várias vezes para os vender. E estamos perante grandes quantias que alguns colecionadores estavam dispostos a oferecer!...

Nunca os venderei. É o meu espólio. Pertence aos meus filhos, que também têm um gosto musical bastante apurado.

 

O que representam para si os antigos equipamentos de áudio? Tem algum preferido?

Tal como os discos, também preservo algum do primeiro equipamento. Guardo ainda o meu primeiro gira discos. A funcionar! Um “La Voix De Son Maitre”, pesadíssimo, trazido de França pelo meu pai, e que, no tempo do liceu, levava para as festas de adolescentes.

Depois veio o PE, e mais tarde, depois de vários “upgrades” (como se diz hoje) surge a Grundig. Uma aparelhagem por módulos, completa, com um som potente e límpido. Uma coisa sublime!...

Custou-me o equivalente a um ano de trabalho. Foi importada pelo representante da marca em Portugal. (Apenas pessoas com algum poder financeiro a podiam adquirir – foi um “investimento” enorme para mim).

 

Partilhava os gostos musicais com os seus irmãos?

Sim. Sem dúvida. Até porque na época, eu, como irmão mais velho, já trabalhava e tinha um salário, que acabava por empregar quase na totalidade, em discos e livros.

A minha mãe nunca me exigiu nenhuma “comparticipação” para ajudar nas despesas da casa, apesar se ser apenas ela a trabalhar para sustentar os três filhos e a nossa ama de toda a vida, que vivia connosco, e praticamente nos criou. A mensalidade era toda minha. Assim, nós três ouvíamos juntos a mesma música.

Nunca separámos os discos. Eram NOSSOS! Simples.

Tanto é, que hoje sou eu que tenho comigo todos eles, e os guardo qual tesouro bem preservado.

 

Rádio Antigo.JPG

 

Como surgiu, e quando, a sua ligação com a Rádio?

A minha ligação à Rádio começou muito cedo. Talvez aos 14 anos!

Andava já no ensino secundário, quando o meu pai me ofereceu um gravador de cassetes Philips portátil e um microfone, e muitas cassetes. Eu gravava tudo, mas mesmo tudo o que me parecia importante. Tinha sempre cassettes prontas.

Preservo ainda as gravações (áudio) que fiz da televisão aquando da queda da estação espacial Skylab, há mais de 40 anos, e que tanto alarido provocou na altura. Foi um acontecimento mediático mundial. Anunciava-se até a venda de capacetes para proteção dos eventuais destroços que atingissem a Terra.

E, ainda mais importante para nós portugueses, a notícia em direto da morte do então primeiro-ministro Francisco Sá Carneiro, a 4 de Dezembro de 1980, no trágico acidente de Camarate, como ficou conhecido, e que ainda hoje permanece um “mistério”. Foi arrepiante… depois de interrompida a emissão, fez-se um silêncio e “apagou-se” a imagem na televisão. Coloquei-me em frente ao ecrã, de microfone na mão (como se já soubesse o que iria acontecer!) e comecei a gravar. Foi Freitas do Amaral quem deu a notícia: …”…português… morreu Sá Carneiro…”…

Naquele momento, tive logo a noção de que estava perante um facto histórico, e que tinha na minha posse um verdadeiro “documento” áudio.

Isto para explicar o meu interesse pela comunicação áudio visual e pela informação. Creio que foi nessa altura que comecei a interessar-me verdadeiramente pela Rádio, e pelo poder que ela tinha.

Cerca dos 16 anos, mais coisa menos coisa, fui para a Rádio Altitude, levado pelo amigo Emílio Aragonês, onde desempenhei variadíssimas tarefas, mas bem cedo me colocaram no estúdio a fazer programas em direto. Estava verdadeiramente “No Ar”. Mas só mais tarde tive os meus próprios programas, à noite, que era o meu ambiente.

 

Foi fácil a adaptação ao ambiente da rádio?

Foi. Foi muito fácil para mim, pois eu vinha habituado a “mexer com os aparelhos”. Nunca precisei que ninguém me dissesse como funcionavam, ou para que servia este ou aquele botão. Hoje é completamente diferente. Também já sou mais velho… e nem sempre acompanhei a evolução tecnológica.

 

Quais foram os seus primeiros trabalhos e em que programas?

Como disse, fiz vários programas. Desde os discos pedidos, até “ler” os jornais na antena.

Quando o então presidente da república Mário Soares fez uma presidência aberta pelo distrito da Guarda (1988), eu estive todo o tempo, desde a abertura até ao fecho da estação (Rádio Altitude), em antena. Foi nesses dias que fiz de tudo, incluindo os noticiários, pois que os restantes companheiros jornalistas, seguiam a comitiva em permanência para dar aos ouvintes toda a informação.

Depois tive os meus próprios programas. Fazia as noites na Rádio Altitude, das oito à meia-noite, e foram programas de muita audiência, onde se inclui mais tarde, o famosíssimo “Música Pimba” que eu fiz (durante a primeira hora), não por apreciar esse “tipo” de música (antes pelo contrário), mas por um desafio de um companheiro. Mal imaginava eu o sucesso que viria a ter, com os próprios cantores em estúdio e tudo! Eu era “falado” em todo o lado!

Alem de conversar com os ouvintes, cativava-os com a minha maneira de ser, calmo, atencioso e, obviamente, com a música que os “ensinei” a ouvir. O telefone tocava incessantemente. Sempre utilizei os meus discos. Cheguei a passar música em “exclusivo nacional”, pois costumava comprar muitos discos que mandava importar, muito antes de serem editados por cá. E assim fidelizava os ouvintes, que ouviam o que não estavam habituados a ouvir. E era ali que acontecia.

Tive patrocinadores do programa da noite, que pagavam, não só o meu salário, como ainda geravam receitas publicitárias para a Rádio. Fui o primeiro “avençado” a ter um ordenado fixo por mês. De referir que fui eu quem inaugurou o FM da Rádio Altitude, uma banda de frequência mais “pura” que fazia com que qualquer risco ou “pico” ou até pó que existisse num disco de vinil não passasse despercebido, ao contrário da Onda Média (AM). Daí também a minha preocupação em utilizar apenas os meus discos (sempre muito bem preservados e limpos).

 

João Neves 5 .jpg

 

Teve também programas de que foi responsável. Quais os que gostou mais de produzir?

Como já disse, foram, sem dúvida, os programas da noite. Que aliás mantive, na Rádio F, de que também fui fundador, em 1990. (Era o único animador de emissão no quadro de profissionais).

 

Quais os/as colegas que recordas dessa época?

Recordo todos eles. Todos foram muito importantes na minha formação profissional e pessoal. A todos deverei uma parcela da minha limitada sabedoria, pois a Rádio não tem limites. Auto regenera-se ao longo do tempo. Hoje é completamente diferente do meu tempo. Mas a essência e os princípios do que se deve ou não deve fazer, mantêm-se.

Não destaco nenhum companheiro em especial para evitar esquecer-me de algum. Como disse todos foram importantes para mim. Guardo-os no coração.

 

Como era a relação que se estabelecia com os ouvintes?

Era uma relação óptima e verdadeira. Hoje não é assim!

Estabeleciam-se amizades, algumas que ficaram prá vida. Houve namoricos… e ainda alguns “amargos de boca”!... mas regra geral travavam-se conhecimentos sadios.

Muitas das vezes nem era preciso o contacto físico. As amizades fluíam através da antena…

 

As pessoas identificavam-no no exterior, reconheciam a sua voz?

Eu era um “ilustre desconhecido”.

As pessoas conheciam e “amavam” a minha voz (se assim posso referir-me à minha ferramenta de trabalho). Mas isso era o suficiente para elas. Sabiam que eu estava ali para lhes fazer companhia com a minha música, mas também para ouvir, off record, os seus desabafos e até os seus segredos. Confiavam no locutor como se fosse da família. Chegaram a levar-me o jantar, guloseimas, flores, alguém me fez uma vez uma camisola de lã cinzenta (que eu adorava e usei até deixar de servir) … e por aí em diante.

Mas também houve casos complicados, que se mantiveram vários anos, inclusivamente depois de casar, e que me obrigaram a trocar de número de telefone, por exemplo. Sabiam de cor todos os meus passos e horários, “ameaçaram” suicidar-se, trinta por uma linha! Hoje rio-me daquele tempo louco!

 

Como era feita a seleção musical para os programas que apresentava?

O critério era sempre a qualidade, embora houvesse uma seleção muito variada.

Eu mostrava-me aos ouvintes, como era, através da música. Apesar do meu inglês não ser, nem sequer razoável, o importante para mim, além das palavras, era a melodia.

O som é que me fazia viajar. E era assim que eu gostava de me apresentar a quem me ouvia. Eram passadas muitas “mensagens” para o lado de lá do microfone!

 

Como era a relação entre a Rádio e a Cidade/Região? As pessoas apreciavam a rádio?

Naquela época a Rádio tinha um papel muito importante nas pessoas. Além de informar, era a companhia. Era um ponto de referência. “Ouvi no rádio que…”. “O rádio disse que…”. As pessoas se queriam saber alguma coisa, ligavam o rádio, e telefonavam muito, também a dar “notícias” do que acontecia junto delas, nas suas terras. Não havia ainda telemóveis, nem internet...

 

Tem algum episódio que possa ilustrar essa relação?

Por exemplo um apelo para recolha de donativos, que viriam a ajudar os pais de uma criança a levá-la para Inglaterra, a fim de ser sujeita a um tratamento médico, que não havia cá.

Outro caso em que se tratava de uma família que tinha imensas dificuldades e vivia em condições precárias. Também foi ajudada.
Mas já não me lembro de pormenores, nem isso é importante. O importante era mesmo sentirmo-nos úteis.

Isso era prática corrente na Rádio, sempre que alguém necessitava.

A Rádio desempenhava também um papel social e solidário muito importante.

 

Qual foi a sua experiência mais positiva na rádio? E a mais negativa?

A experiência mais positiva foi poder fazer o que sempre gostei. A música, e o contacto com as pessoas. Mas nunca gostei nem pretendi ser conhecido! Antes reconhecido. Amei muito a Rádio, em devido tempo.

Quanto à questão mais negativa, prefiro, neste momento, não me pronunciar!... (Mas a esta distância, lido pacificamente com a situação!)

 

Tem também feito publicidade, na rádio. Gosta desse trabalho?

Com toda a sinceridade… Não!

É outra etapa da minha vida. Sempre a Rádio, mas agora desempenhando outras funções, pois todos estes anos me deram o “conhecimento de causa”, eu diria!

Estou dentro da Rádio. Sei como funciona. O que se deve ou não fazer. Terminarei a minha carreira nas atuais funções; administrativas e comerciais. (A minha voz, já não é o que era! Hoje não gosto de me ouvir!).

 

A rádio do passado e do presente: diferenças, semelhanças, desafios?

A Rádio evoluiu muito, e está em constante mutação.

Apesar de hoje os ouvintes serem mais exigentes, a rádio é contudo, mais fácil. Tudo é digital.

Hoje com um simples “clique” chega-se a todo o lado, e faz-se praticamente tudo. A tecnologia está ao nosso serviço e disposição.

Tenho para mim que o futuro da rádio passará para as plataformas digitais “online”. Acaba-se o acto de sintonizar o rádio.

 

Hoje é mais fácil o acesso à produção de programas de rádio?

Sem dúvida. Apesar de ser primordial ter, cada vez mais, conteúdos de qualidade. Caso contrário, satisfarão apenas uma imensa minoria.

Sempre fui apologista de que a Rádio não deve ser o que as pessoas querem, antes o que nós queremos dar às pessoas. É assim que se “educam” os ouvintes. Se não lhes oferecermos programas de qualidade, elas cingir-se-ão apenas ao que se lhes propõe! Se for bom, tanto melhor.

 

Acha que a história da Rádio, em Portugal, passa também pela Guarda?

Claro que sim. Até porque é na Guarda que está a rádio local mais antiga de Portugal. Desde 1948. A Rádio Altitude.

 

Os carros, em especial os clássicos, têm merecido a sua atenção e entusiasmo. Teve inclusivamente, uma página sobre “Os Matrícula Preta”. Como surgiu este gosto e o projeto que desenvolveu?

“Os Matrícula Preta” é uma página onde eu e o meu filho João Paulo mostramos as fotos dos carros pré clássicos e clássicos que circulam pelo país com matrículas de fundo preto e numeração branca, e que vamos captando por aí.

O conceito surgiu da junção de dois gostos de família; a fotografia e os automóveis. “Os Matrícula Preta” começaram por ser um blogue, até 2006, tendo depois surgido com uma página no facebook.

Este hobby familiar, uma comunidade em constante crescimento e evolução, conta já com 5162 seguidores, e foi inclusivamente tema em destaque num programa na Rádio Altitude. Todos os veículos presentes são efetivamente fotografados por nós, únicos administradores da página.

O surgimento “oficial” de  “Os Matrícula Preta” no Facebook, a 9 de Outubro de 2011, acabou por rapidamente se revelar um projeto interessante a todo o tipo de públicos e faixas etárias. 

Apesar de estar “adormecido” há cerca de dois anos, por motivos de ordem pessoal, contamos permanecer nesta rede social com a divulgação de mais exemplares. (Temos ainda em arquivo milhares de fotos por publicar, obtidas em vários pontos do país).

João Neves 6 .jpg

Que outras coisas gosta de fazer, nos seus tempos livres?

Além de ouvir música, gosto de ler, navegar na net, (conhecer coisas novas, pesquisar, informar-me, etc.), fotografar e viajar (adoro conduzir – gostava de fazer uma “volta a Portugal com a minha máquina fotográfica”. Hoje muito mais acessível, devido ao digital! Mas esta ideia já tem muitos anos).

 

João Neves 7 .jpg

 

Como vê, hoje, a cidade onde vive?

Vejo a Guarda como sempre vi. Apesar de ter havido alguma evolução ao longo de todos estes anos, para quem cá está, isso não é muito percetível, no imediato. Contudo, hoje vive-se muito melhor. Aqui sim. Temos qualidade de vida!

 

O que desejava para esta cidade e região?

O que seria preciso nesta terra? Talvez indústria, para que as pessoas se fixassem cá. Com isto, o comércio também cresceria.

Pouco mais temos além de serviços.

 

O que representam para si os amigos?

Simples. É preciso tê-los. E saber onde estão quando precisamos deles. (Felizmente tenho alguns!).

João Neves 2 .jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:00


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Contacto:

correio.da.guarda@gmail.com