Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Feriado Municipal da Guarda

por Correio da Guarda, em 27.11.18

      A atribuição, por D. Sancho I, da carta de foral à Guarda, em 1199, é a efeméride assinalada hoje, dia do feriado municipal.

     Tradicionalmente, e após o abandono da data de 3 de Maio, o feriado municipal da Guarda era comemorado a 26 de Novembro, evocando assim o nascimento, oficial, da cidade. A divergência sobre a data de atribuição da carta de foral foi expressa, pela primeira vez, num artigo publicado, em 1985, no jornal "Notícias da Guarda".

     A partir dessa altura alargou-se o interesse pelo estudo da questão e não faltaram argumentos sobre a prevalência de 26 de Novembro; por outro lado, a favor do dia 27 deste mesmo mês os argumentos manifestaram igualmente a sua solidez.

     De facto, o documento medieval da outorga da carta de foral refere que "foi feita esta carta em Coimbra no dia Quinto antes das Calendas de Dezembro de 1237, no ano do nosso reinado." Assim, e como foi sustentado pelos investigadores que defenderam a nova data, o dia V antes das Calendas de Dezembro é o dia 27 de Novembro de 1237, o que convertido à data cristã (menos 38 anos) cai sobre o ano de 1199. A data de 27 de Novembro acabou, assim, por ser institucionalizada, há alguns anos atrás, como feriado municipal.

D. Sancho I -  Foto Helder Sequeira.jpg

      Se é verdade que a outorga da carta de foral constitui um marco de referência na história desta terra, a sua origem (luso-romana, visigótica ou medieval) é uma questão à qual não foi dada ainda resposta definitiva e segura; sabe-se, isso sim, que lusitanos, romanos e visigodos deixaram por aqui traços indeléveis da sua passagem, testemunhos diversificados, igualmente espalhados pelo distrito.

    O ano de 1199 marca um período novo e mais conhecido da história guardense. Através da carta de foral os habitantes recebiam diversos privilégios e o incentivo ao povoamento desta zona, desejado pelo monarca português. À carta de foral da Guarda, bem como a outro importante documento conhecido por "Costumes da Guarda”, dedicou Alexandre Herculano a sua atenção, sendo realçado o contributo para o conhecimento do período medieval português.

     A história da Guarda encerra muitas e diversificadas páginas, onde emergem a sua importância militar, a sua projecção religiosa, o passar dos séculos e de vultos que sobressaíram na vida eclesiástica, política, literária ou científica. (Hélder Sequeira).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:05

Guarda assinala 818º aniversário

por Correio da Guarda, em 16.11.17

Estátua e Catedral da Guarda - HS.JPG

    A Guarda assinala no próximo dia 27 de novembro o 818º aniversário da atribuição de foral pelo rei D. Sancho I.

   No programa comemorativo organizado pela Câmara Municipal da Guarda merece destaque dia da cidade, 27 de novembro, que começa logo pela manhã, às10h30, com o Hastear da Bandeira na Praça do Município; momento que contará com a guarda de honra das três corporações de Bombeiros do Concelho: Guarda, Famalicão da Serra e Gonçalo acompanhadas pela Banda Filarmónica de Famalicão da Serra. Segue-se, pelas 10h45, a Sessão Solene comemorativa do 818º aniversário da atribuição do foral à cidade da Guarda, nos Paços do Concelho, e às 12h00 a inauguração das Obras de Requalificação Urbana do Parque da Cidade, no âmbito da Eixo Central da Guarda.

  O Dia da Cidade termina com o concerto de Pedro Abrunhosa & Comité Caviar no Grande Auditório do Teatro Municipal da Guarda (TMG) às 21h30. O músico português atuará ainda no dia seguinte, 28 de novembro, num segundo concerto no TMG.

    O programa das comemorações não se restringe, contudo, ao dia de aniversário, e por isso, as celebrações arrancam já no dia 24, às 18h00, no Museu da Guarda, com a palestra "O Meu Tio Fernando Pessoa" por Luiz Rosa Dias e às 21h30 no Pequeno Auditório do TMG o concerto de apresentação do novo disco do projeto "Campânula", grupo que integra músicos guardenses.

   Para o dia seguinte, 25 de novembro, está agendado o Torneio de Futebol Infantil Cidade da Guarda que decorrerá entre as 9h30 e as 12h30 e entre as 14h00 e as 17h30, nos Pavilhões Desportivos de S. Miguel, Gimnodesportivo da Guarda e do Instituto Politécnico da Guarda. Nos dias 25 e 26 de novembro decorrerá no Complexo de Piscinas Municipais o Torneio Nadador Completo. O dia 26 de novembro é inteiramente dedicado à atividade desportiva.

   O programa comemorativo do 818º aniversário termina no dia 28 de novembro com o concerto de Pedro Abrunhosa no TMG e com o lançamento do número 37 da Revista Cultural Praça Velha, às 18h00 na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço.

    (fonte: CMG)

 

    A atribuição do Foral

 

    A atribuição, por D. Sancho I, da carta de foral à Guarda, em 1199, é a efeméride assinalada no feriado municipal.

    Tradicionalmente, e após o abandono da data de 3 de Maio, o feriado municipal da Guarda era comemorado a 26 de Novembro, evocando assim o nascimento, oficial, da cidade. A divergência sobre a data de atribuição da carta de foral foi expressa, pela primeira vez, num artigo publicado, em 1985, no jornal "Notícias da Guarda".

   A partir dessa altura alargou-se o interesse pelo estudo da questão e não faltaram argumentos sobre a prevalência de 26 de Novembro; por outro lado, a favor do dia 27 deste mesmo mês os argumentos manifestaram igualmente a sua solidez.

   De facto, o documento medieval da outorga da carta de foral refere que "foi feita esta carta em Coimbra no dia Quinto antes das Calendas de Dezembro de 1237, no ano do nosso reinado." Assim, e como foi sustentado pelos investigadores que defenderam a nova data, o dia V antes das Calendas de Dezembro é o dia 27 de Novembro de 1237, o que convertido à data cristã (menos 38 anos) cai sobre o ano de 1199. A data de 27 de Novembro acabou, assim, por ser institucionalizada, há alguns anos atrás, como feriado municipal.

   Se é verdade que a outorga da carta de foral constitui um marco de referência na história desta terra, a sua origem (luso-romana, visigótica ou medieval) é uma questão à qual não foi dada ainda resposta definitiva e segura; sabe-se, isso sim, que lusitanos, romanos e visigodos deixaram por aqui traços indeléveis da sua passagem, testemunhos diversificados, igualmente espalhados pelo distrito.

   O ano de 1199 marca um período novo e mais conhecido da história guardense. Através da carta de foral os habitantes recebiam diversos privilégios e o incentivo ao povoamento desta zona, desejado pelo monarca português.

   À carta de foral da Guarda, bem como a outro importante documento conhecido por "Costumes da Guarda”, dedicou Alexandre Herculano a sua atenção, sendo realçado o contributo para o conhecimento do período medieval português.

   A história da Guarda encerra muitas e diversificadas páginas, onde emergem a sua importância militar, a sua projeção religiosa, o passar dos séculos e de vultos que sobressaíram na vida eclesiástica, política, literária ou científica. (HS)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:15

Judeus e Cristãos em Terras de Fronteira

por Correio da Guarda, em 25.11.15

 

    “Diálogos e Conflitos: Judeus e Cristãos em Terras de Fronteira" constituem o tema central da jornada de debate e reflexão que se inicia amanhã, e prolonga até sexta-feira, na Guarda, no âmbito das comemorações 816º aniversário da atribuição do foral sanchino a esta cidade.

     No decorrer desta jornada serão abordadas algumas das múltiplas e divergentes vias em que se moveu a convivência entre a maioria cristã e a minoria judaica e a diversidade social, cultural e religiosa vivenciada nos territórios de fronteira, base da criação de uma identidade local e regional muito própria.

    Através deste debate científico pretende-se apoiar científica e tecnicamente as iniciativas de estudo, conservação e promoção turística das judiarias, ações que devem estar alicerçadas em investigação histórica rigorosa e atualizada.

    Amanhã o programa inclui, a partir das 9h30, as intervenções: “Relações entre cristãos e judeus na Idade Média peninsular”, por José Hinojosa Montalvo (Universidad de Valencia); “Judeus, cristãos e muçulmanos no Portugal Medieval”, por Filomena Barros (Universidade de Évora e CIDEHUS); “Comunidades e personalidades judaicas ao serviço e sob proteção da família real: uma relação mantida desde os primórdios da monarquia portuguesa até finais do século XV”, por Manuela Santos Silva (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa); “Interações artísticas entre judeus e cristãos em Portugal”, por Luís Afonso (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa); “Povoamento Judaico no território da Diocese da Guarda, durante a Idade Média”, por Maria José Ferro Tavares (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa); “Falando de si mesmos. Duas comunidades próximas: os judeus de Guimarães e de Braga”, por José Alberto Tavim (Centro de História – Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa); “Aspetos da controvérsia antijudaica na Idade Média portuguesa”, por Saúl Gomes (Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra); “Las relaciones entre judíos y cristianos en los fueros medievales de Cáceres”, por Fernando Jiménez Barrocal – (Archivo Histórico Municipal de Cáceres); “Os manuscritos hebraicos medievais portugueses (Séculos XIII e XIV), por Tiago Asseiceira Moita (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa).

     O programa prossegue dia 27, a partir das 14h30, com intervenções sobre as “Relações entre judeus e cristãos na Idade Média, por Isabel Cristina Fernandes, e Judaísmo e Arquitetura, por José da Conceição Afonso. Os trabalhos vão decorrer na Câmara Municipal da Guarda, Sala “Almeida Santos”.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:27

Sara Tavares no TMG

por Correio da Guarda, em 24.11.15

 

SARA_TAVARES.jpg

      Sara Tavares vai atuar no Teatro Municipal da Guarda, no próximo dia 27 de Novembro, no âmbito do programa comemorativo do feriado municipal da Guarda que assinala o 816º aniversário da atribuição do foral à Guarda, por D. Sancho I.

     O espetáculo tem lugar no Grande Auditório, a partir 21h30. «O que poderemos esperar deste espetáculo? Muita intimidade, muitas emoções e muita partilha do palco para o público e do público para o palco. Todos os espetáculos são diferentes… e todos os espetáculos são iguais na sensação que trazemos para casa depois de assistir; como já ouvimos dizer "é como sair de alma e barriga cheias"», garante a produção do espetáculo.

    Sara Tavares assume-se definitivamente como uma das cantoras e compositoras que mais importa ouvir na Lisboa mulata do século XXI. A artista foi nomeada para os prestigiados prémios "World Music" da BBC Radio 3 e tem somado distinções desde o início da carreira.

    É das poucas artistas portuguesas que não cantam fado a conquistar os palcos internacionais. A música de Sara Tavares faz uma síntese de várias coordenadas geográficas, fruto de um processo e de uma vivência que a artista foi aprofundando ao longo da sua carreira de 20 anos e dos seus quatro discos a solo: Mi Ma Bô (1999), Balancê (2005), Alive in Lisboa (2008) e Xinti (2009).

    Fonte: CMG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:20

815º aniversário da Guarda

por Correio da Guarda, em 27.11.14

D. Sancho I -  Foto Helder Sequeira.jpg

      A atribuição, por D. Sancho I, da carta de foral à Guarda, em 1199, é a efeméride assinalada hoje, dia do feriado municipal.

     Tradicionalmente, e após o abandono da data de 3 de Maio, o feriado municipal da Guarda era comemorado a 26 de Novembro, evocando assim o nascimento, oficial, da cidade. A divergência sobre a data de atribuição da carta de foral foi expressa, pela primeira vez, num artigo publicado, em 1985, no jornal "Notícias da Guarda".

     A partir dessa altura alargou-se o interesse pelo estudo da questão e não faltaram argumentos sobre a prevalência de 26 de Novembro; por outro lado, a favor do dia 27 deste mesmo mês os argumentos manifestaram igualmente a sua solidez.

     De facto, o documento medieval da outorga da carta de foral refere que "foi feita esta carta em Coimbra no dia Quinto antes das Calendas de Dezembro de 1237, no ano do nosso reinado." Assim, e como foi sustentado pelos investigadores que defenderam a nova data, o dia V antes das Calendas de Dezembro é o dia 27 de Novembro de 1237, o que convertido à data cristã (menos 38 anos) cai sobre o ano de 1199. A data de 27 de Novembro acabou, assim, por ser institucionalizada, há alguns anos atrás, como feriado municipal.

     Se é verdade que a outorga da carta de foral constitui um marco de referência na história desta terra, a sua origem (luso-romana, visigótica ou medieval) é uma questão à qual não foi dada ainda resposta definitiva e segura; sabe-se, isso sim, que lusitanos, romanos e visigodos deixaram por aqui traços indeléveis da sua passagem, testemunhos diversificados, igualmente espalhados pelo distrito.

    O ano de 1199 marca um período novo e mais conhecido da história guardense. Através da carta de foral os habitantes recebiam diversos privilégios e o incentivo ao povoamento desta zona, desejado pelo monarca português.

      À carta de foral da Guarda, bem como a outro importante documento conhecido por "Costumes da Guarda”, dedicou Alexandre Herculano a sua atenção, sendo realçado o contributo para o conhecimento do período medieval português.

     A história da Guarda encerra muitas e diversificadas páginas, onde emergem a sua importância militar, a sua projecção religiosa, o passar dos séculos e de vultos que sobressaíram na vida eclesiástica, política, literária ou científica. (HS)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:33

Feriado municipal da Guarda

por Correio da Guarda, em 27.11.12

 

     A atribuição, por D. Sancho I, da carta de foral à Guarda, em 1199, é a efeméride assinalada no feriado municipal.

     Tradicionalmente, e após o abandono da data de 3 de Maio, o feriado municipal da Guarda era comemorado a 26 de Novembro, evocando assim a data de entrega do foral sanchino. A divergência sobre a data de atribuição da carta de foral foi expressa, pela primeira vez, num artigo (de Manuel Luis dos Santos) publicado, em 1985, no jornal "Notícias da Guarda".

     A partir dessa altura alargou-se o interesse pelo estudo da questão e não faltaram argumentos sobre a prevalência de 26 de Novembro; por outro lado, a favor do dia 27 deste mesmo mês os argumentos manifestaram igualmente a sua solidez.

     De facto, o documento medieval da outorga da carta de foral refere que "foi feita esta carta em Coimbra no dia Quinto antes das Calendas de Dezembro de 1237, no ano do nosso reinado." Assim, e como foi sustentado pelos investigadores que defenderam a nova data, o dia V antes das Calendas de Dezembro é o dia 27 de Novembro de 1237, o que convertido à data cristã (menos 38 anos) cai sobre o ano de 1199. A data de 27 de Novembro acabou, assim, por ser institucionalizada, há alguns anos atrás, como feriado municipal.

     Se é verdade que a outorga da carta de foral constitui um marco de referência na história desta terra, a sua origem (luso-romana, visigótica ou medieval) é uma questão à qual não foi dada ainda resposta definitiva e segura; sabe-se, isso sim, que lusitanos, romanos e visigodos deixaram por aqui traços indeléveis da sua passagem, testemunhos diversificados, igualmente espalhados pelo distrito.

    O ano de 1199 marca um período novo e mais conhecido da história guardense. Através da carta de foral os habitantes recebiam diversos privilégios e o incentivo ao povoamento desta zona, desejado pelo monarca português.

     À carta de foral da Guarda, bem como a outro importante documento conhecido por "Costumes da Guarda”, dedicou Alexandre Herculano a sua atenção, sendo realçado o contributo para o conhecimento do período medieval português.

     A história da Guarda encerra muitas e diversificadas páginas, onde emergem a sua importância militar, a sua projecção religiosa, o passar dos séculos e de vultos que sobressaíram na vida eclesiástica, política, literária ou científica.

 

     Helder Sequeira

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:58

500 anos foral de Longroiva

por Correio da Guarda, em 18.09.10

     O quinto centenário da atribuição do foral manuelino de Longroiva (concelho da Meda) vai ser assinalado amanhã naquela localidade.

     O programa comemorativo inicia-se pelas 11 horas, com uma missa na Igreja Matriz, onde estarão presentes elementos da Ordem dos Templários; seguir-se-á uma visita pelo centro histórico de Longroiva.

 

    

      No período da tarde, a partir das 14 horas, terá lugar na Casa Municipal da Cultura da Meda o lançamento da publicação fac-similada do foral atribuído por D. Manuel I, em 1 de Junho de 1510. Este acto antecede, no mesmo espaço, de um colóquio que terá como tema "Longroiva: 1510-2010" e o Prof. Adriano Vasco Rodrigues como o principal orador.

     Pelas 17 horas, em Longroiva, iniciar-se-á a recriação histórica da atribuição do foral, efeméride que os CTT vão também evidenciar através da edição de um selo comemorativo.

     Até ao final do ano via estar patente, no Arquivo Municipal da Meda, exposição documental sobre a carta de foral atribuída pelo Rei D. Manuel I.

     Aquela povoação do concelho da Meda tem origens remotas, havendo indícios que o local registou já povoamento nos períodos do Paleolítico e Neolítico.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:45

Forais de Pinhel

por Correio da Guarda, em 08.09.10

 

     A obra Os Forais de Pinhel foi recentemente apresentada naquela cidade, com edição da Câmara Municipal.

     No livro são reproduzidas duas das três cartas de foral atribuídas a Pinhel: o foral de 1209, outorgado por D. Sancho I (mais tarde confirmado por D. Afonso II e depois por D. Dinis), e o Foral de 1510, mandado lavrar por D. Manuel I e confirmado em 1684 por D. Pedro II.

     A edição deste trabalho contou com a colaboração de Paula Pinto Costa, docente na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

     Para o Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, António Ruas, trata-se de um livro «com um significado muito especial para Pinhel e para os pinhelenses». O autarca evidenciou o trabalho daquela docente universitária, através do qual se viabilizou um maior conhecimento „sobre Pinhel e os seus costumes».

     Paula Costa referiu, no decorrer da apresentação, que os forais «são património de todos e, como tal, temos a obrigação de os conservar e de os dar a conhecer».

     Aquela investigadora diria depois que «os forais de Pinhel reflectem, sem dúvida, a história desta região da Beira, mas também são elementos que ajudam a explicar fenómenos à escala nacional. Neste sentido, estudá-los equivale a reflectir sobre a história de Portugal, em geral, e sobre a de Pinhel, em particular».

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:16

Foral manuelino evocado em Manteigas

por Correio da Guarda, em 22.01.10

 

“Reinventando a nossa História” é o tema do concurso que o Arquivo Municipal de Manteigas vai promover no âmbito das comemorações do feriado concelhio, a 4 de Março.
Este concurso é destinado aos alunos das escolas do concelho e tem como base o Foral Manuelino que foi concedido à vila de Manteigas em 1514.
Usando a imaginação, e após a leitura daquele documento, os concorrentes podem apresentar quer uma ilustração, quer um conto ou um poema que referencie o foral.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:09

809º aniversário da Guarda

por Correio da Guarda, em 27.11.08

 

Na Guarda é hoje assinalado o 809º aniversário da atribuição, por D. Sancho I, da carta de foral a esta cidade.
Tradicionalmente, e após o abandono da data de 3 de Maio, o feriado municipal da Guarda era comemorado a 26 de Novembro, evocando assim o nascimento oficial da cidade.
A divergência sobre a data de atribuição da carta de foral foi expressa, pela primeira vez, num artigo publicado, em 1985, no jornal "Notícias da Guarda".
A partir dessa altura alargou-se o interesse pelo estudo da questão e não faltaram argumentos sobre a prevalência de 26 de Novembro, por outro lado, a favor do dia 27 deste mesmo mês.
Contudo, o documento medieval da outorga da carta de foral refere que "foi feita esta carta em Coimbra no dia Quinto antes das Calendas de Dezembro de 1237, no ano do nosso reinado."
Assim, e como foi sustentado pelos investigadores que defenderam a nova data, o dia V antes das Calendas de Dezembro é o dia 27 de Novembro de 1237, o que convertido à data cristã (menos 38 anos) cai sobre o ano de 1199.
Há oito anos foi, finalmente, institucionalizada a data de 27 de Novembro como feriado municipal.
Se é verdade que a outorga da carta de foral, por D. Sancho I, constitui a certidão de nascimento desta terra, a sua origem (luso-romana, visigótica ou medieval) é uma questão a que não foi dada ainda resposta definitiva e segura.
Sabemos, isso sim, que lusitanos, romanos e visigodos deixaram por aqui traços indeléveis da sua passagem, testemunhos diversificados, espalhados igualmente pelo Distrito.
Mas o ano de 1199 marca, de facto, um período novo e mais conhecido da história guardense; através da carta de foral os habitantes recebiam diversos privilégios e o incentivo ao povoamento desta zona, bem desejado pelo monarca português.
À carta de foral da Guarda, bem como a outro importante documento conhecido por "Costumes da Guarda" dedicou Alexandre Herculano a sua atenção, sendo realçado o seu contributo para o conhecimento do período medieval português.
A história da Guarda encerra muitas e diversificadas páginas, onde emergem a sua importância militar, a sua projecção religiosa, o passar dos séculos e de vultos que sobressaíram na vida religiosa, política ou literária. (H.S.)
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:04


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com



Google +


Referenciar citações

Protected by Copyscape Website Copyright Protection