Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Emílio Aragonez homenageado pelo Rotary Clube

por Correio da Guarda, em 17.03.18

N.JPG

     O jornalista Emílio Aragonez foi hoje homenageado pelo Rotary Clube da Guarda. A homenagem no decorreu durante um almoço-palestra (numa unidade hoteleira) onde António José Teixeira falou sobre “Jornalismo e Democracia” e Helder Sequeira referenciou o percurso pessoal e profissional do homenageado.

    Durante décadas, Emílio Aragonez foi uma das vozes mais populares das emissões radiofónicas feitas, em onda média, a partir da cidade mais alta de Portugal.

   Emílio Aragonez, figura com profundas ligações à Rádio Altitude, nasceu em 1934 em Portalegre; para a Guarda veio com cinco anos. Posteriormente, face às contingências resultantes da atividade profissional do pai, foi viver para Cascais, Pinhel, Peniche e Seia, após o que ocorreu o regresso definitivo à Guarda.

    Com onze anos começou a trabalhar na Ourivesaria Correia, nesta cidade; as aulas no Liceu ficaram para trás, pois os horários não eram compatíveis com o trabalho; o estudo circunscreveu-se ao período da noite. Emílio Aragonez frequentou o Colégio de S. José, a Escola Comercial e Industrial e a Escola dos Gaiatos, nesta cidade.

   Aos dezoito anos abriu o seu primeiro estabelecimento comercial, na Rua 31 de Janeiro. Três anos depois mudou-se para a Rua do Campo, instalando-se no antigo espaço da Espingardaria Sport, que pertencera a um antigo chefe da Polícia; iniciava-se um ciclo de atividades na área da relojoaria e ótica; contudo, circunstâncias diversas contribuíram, muitos anos depois, para o abandono da vida comercial e empresarial. Ficou, deste modo, aberto o caminho para uma dedicação total ao jornalismo e à rádio.

    Desde os dezanove anos que mantinha, aliás, uma permanente paixão pela Rádio Altitude, onde começou a colaborar no início da década de cinquenta. “Foi aberto concurso para pessoas externas ao Sanatório, concorri e fui admitido. Para mim era um desafio. Trabalhava durante o dia e à noite ia para a Rádio, a apresentar discos pedidos, que eram imensos. Contudo isto representava o início da concretização de um sonho, de estar ligado à rádio e à informação”.

   Nessa época, as emissões da Rádio Altitude eram à noite, tendo depois passado a existir um espaço na hora do almoço. Predominavam os programas de discos pedidos, os quais registavam uma permanente avalanche de solicitações, cujo atendimento se ia prolongando por semanas sucessivas. “Eram tantos os pedidos e o espaço tão reduzido que era colocado um disco num dia e outros em programas posteriores. Por vez para se ouvirem quatro dedicatórias tinha de se esperar um mês”, lembra Emílio Aragonez, mais tarde rendido ao fascínio das reportagens.

    Por essa altura, e anos subsequentes, havia regras rígidas relativamente às emissões radiofónicas e, como aconteceu até ao 25 de Abril de 1974, a polícia política estava sempre atenta, e atuante. Mesmo assim, Emílio Aragonez desvaloriza essa interferência. “As notícias que eram transmitidas, nos primeiros tempos, eram baseadas nos jornais e estes já tinham passado pela censura”. O que não impediu diversas chamadas de atenção por parte do Administrador ou Diretor da Rádio, e a deslocação, por duas vezes, às instalações de P.I.D.E., contudo sem quaisquer consequências.

    Pessoa de improviso fácil, e anotações rápidas, Emílio Aragonez assegurava os diretos da rádio de uma forma atrativa, suscitando o interesse informativo, curiosidade e audição atenta. A Rádio foi, sem reservas, uma grande afeição da sua vida, feita de trabalhos, desencontros, incompreensões silêncios, amarguras e felicidade; vida simultaneamente enraizada em convicções e em princípios, passando ao lado, de eventuais críticas ou atitudes injustificadas.

    Ao longo de décadas, deu voz à notícia, trouxe à luz da ribalta questões tantas vezes ignoradas; desencadeou o confronto de opiniões, denunciou injustiças, foi porta-voz de múltiplas aspirações de terras e gentes.

    Emílio Aragonez assumiu o jornalismo e a rádio sem nunca esquecer a função social subjacente; o que, aliás, foi sempre reconhecido pelos ouvintes, a quem nunca negou a sua presença, e voz, mesmo em situações nas quais motivos de ordem pessoal, o cansaço ou a doença aconselhavam repouso.

    Sempre atento ao quotidiano, na sua memória circulam, volvidos estes anos, muitas imagens e sons que pertencem aos bastidores da rádio; fora do estúdio de emissão havia lugar a dramas individuais, sofrimentos, dificuldades a superar, batalhas contra o tempo, necessidade de discernir e graduar com rapidez aquilo que era matéria informativa e não mero adereço de projeções institucionais ou pessoais; ocorriam confrontos marcantes no percurso individual e profissional; impressões muitas vezes gravadas de maneira indelével, que não pactuam com o esquecimento.

    O nascimento de Emílio Aragonez para a rádio, e a projeção que alcançou através desta popular emissora, ocorreu na época das emissões em onda média, quando a frequência modulada estava longe de ser uma realidade na estação CSB-21, o indicativo atribuído à Rádio da mais alta cidade portuguesa. A sua voz aquecia as noites guardenses, esbatia a solidão, aumentava progressivamente o auditório, despertando incontidas manifestações de simpatia. “Diziam-me que a minha voz era agradável e depois, também pelo que me é dito, tinha uma maneira muito peculiar de falar. Isto começou, realmente, nos programas da noite, quando a cidade precisava de companhia e a companhia era a rádio. Foram anos, anos e anos com a minha voz a entrar pela casa das pessoas”.

   A Rádio Altitude representa para Emílio Aragonez “praticamente uma vida toda. Uma pessoa que entra para ali aos 19 anos e fica lá até aos 68 obviamente que representa tudo”.

   Emílio Aragonez é uma memória viva da Guarda e da sua emblemática estação emissora – das suas estórias e tradições – igual a si próprio, referência de um tempo cúmplice das ondas hertzianas, quais laços de solidariedade com a cidade e uma vasta região. (H.S.)

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:39

O segredo e a informação estratégica em democracia

por Correio da Guarda, em 26.06.16

 

    Jorge Silva Carvalho, ex-diretor do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED) vai proferir na Guarda, no próximo dia 1 de Julho, uma conferência subordinada ao tema “O segredo e a informação estratégica em Democracia”. Esta iniciativa surge no âmbito da comemoração do aniversário da Cápsula do Tempo.
    O programa que anualmente, desde 2013, evoca o encerramento da Cápsula do Tempo está desta vez a cargo da Rádio Altitude (a organização é rotativa entre os parceiros do projeto), que convidou o conhecido consultor em inteligência, segurança e defesa.
     Especialista em estratégia, informações e inteligência económica e competitiva, antigo quadro dirigente do Serviço de Informações e Segurança (SIS) e ex-diretor do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED), Jorge Silva Carvalho acedeu ao convite da rádio local mais antiga de Portugal e dos restantes promotores da iniciativa para estar na Guarda, no dia 1 de Julho, sexta-feira, onde falará do papel dos serviços de informações em Democracia e da inteligência geoestratégica.

     A conferência decorrerá a partir das 18h00 no auditório da Associação Comercial da Guarda, um dos parceiros do projeto Cápsula do Tempo da Guarda. Antes, às 17h30, o historiador e investigador Manuel Luís dos Santos será a personalidade da Guarda convidada para cinzelar a laje em granito referente ao ano 2016, no momento simbólico na Encosta do Tempo (o local onde se encontra enterrada a Cápsula do Tempo, junto à Torre de Menagem, no ponto mais elevado da cidade), onde será também plantada mais uma árvore.
     O programa do dia 1 de Julho incluirá ainda o lançamento de mais uma chávena de coleção da autoria do arquitecto António Saraiva. O tema da chávena é também o segredo.
     Recorde-se que a Cápsula do Tempo Guarda 2050 é um projecto que assinalou os 40 anos do Programa Escape Livre e os 65 Anos da Rádio Altitude, em Julho de 2013. Na Encosta do Tempo, junto à Torre de Menagem da Guarda, foi enterrado um depósito que reúne os testemunhos, as fotografias e alguns objetos de 40 personalidades de diversas áreas profissionais e de algumas entidades, empresas e turmas de escolas.

    A Cápsula do Tempo será reaberta a 1 de Julho de 2050. Além da Rádio Altitude e do Programa Escape Livre, o Instituto Politécnico da Guarda é outro parceiro desde o primeiro momento, aos quais se juntaria também a Associação de Comércio e Serviços do Distrito da Guarda.

 

    Fonte: Rádio Altitude

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01

Exposição sobre Carolina Beatriz Ângelo

por Correio da Guarda, em 25.06.10

    

     No Museu da Guarda está patente, a partir de ontem, a exposição temporária “Carolina Beatriz Ângelo. Intersecções dos sentidos / palavras, actos e imagens”.

     Fundadora da Associação da Propaganda Feminina, Carolina Beatriz Ângelo foi a primeira mulher a exercer, em Portugal, o direito de voto, posicionando-se também num lugar de destaque no quadro europeu, ao nível da intervenção cívica.

     Nascida na Guarda, a 20 de Maio de 1877, aqui frequentou o Liceu, a partir de 1891, antes de rumar para Lisboa onde estudou na Escola Politécnica e, dois anos depois, na Escola Médico-Cirúrgica, concluindo o curso de Medicina em 1902. Nesse mesmo ano casou com o médico Januário Barreto, natural de Aldeia do Souto (Covilhã).

     Carolina Beatriz Ângelo, para além do facto que a tem envolvido em singularidade e distinção, é conhecida igualmente por ter sido a primeira mulher portuguesa a desenvolver actividade cirúrgica, no Hospital de São José, em Lisboa; naquela cidade teve consultório na Rua do Almada.

     Tendo abraçado desde cedo a causa feminista, onde pontuaram nomes como Maria do Carmo Lopes, Adelaide Cabete, Ana de Castro Osório e Domitila de Carvalho, entre outras, Carolina Ângelo viria a aderir à Maçonaria; fundadora, e elemento activo, da Liga Republicana das Mulheres Portuguesas afastou-se, por divergência de princípios com outras dirigentes, e empenhou-se na criação da Associação de Propaganda Feminista, a que, aliás, presidiu.

     Foi um período de grande envolvimento na reivindicação do sufrágio feminino e na exigência do reconhecimento dos direitos das mulheres. Em 1911, no mês de Fevereiro, subscreve, juntamente com outras destacadas figuras feministas, um documento – entregue a Teófilo Braga – em que solicita o direito de voto para a mulher, com reconhecida independência económica. Recorde-se que a primeira lei eleitoral da República Portuguesa condicionava o direito de voto aos cidadãos “com mais de 21 anos, que soubessem ler e escrever e fossem chefes de família”.

     Em Tribunal argumentou, em favor do exercício do seu direito de voto, com o facto de ser viúva (o marido falecera em Junho de 1910) e “chefe de família”. Em 28 de Abril de 1911, o juiz João Baptista de Castro, considerando que excluir a mulher “é simplesmente absurdo e iníquo e em oposição com as próprias ideias da democracia e da justiça proclamada pelo partido republicano”, sentenciou que “a reclamante seja incluída no recenseamento eleitoral em preparação no lugar e com os requisitos precisos”.

     Nesse mesmo ano, a 28 de Maio, e nas eleições para a Assembleia Constituinte, protagonizou o primeiro voto por parte da mulher portuguesa; acto que teve lugar na assembleia eleitoral de S. Jorge de Arroios (Lisboa).

     Quando do seu papel de liderança e da sua combatividade em prol dos ideais feministas e republicanos muito havia a esperar, a notícia da morte – a 3 de Outubro de 1911 – de Carolina Ângelo colheu de surpresa mais diversos meios políticos, intelectuais e sociais. Pioneira do sufrágio feminino, em Portugal, Carolina Beatriz Ângelo faz parte da toponímia guardense e de outros centros urbanos.(HS)

 

 

   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:25

Homenagem a João Gomes

por Correio da Guarda, em 02.10.09

 

A Câmara Municipal da Guarda vai homenagear, no próximo dia 5 de Outubro, o Dr. João Gomes, ex-Governador Civil do Distrito e conhecido opositor ao regime político que vigorou até Abril de 1974.
Considerado uma referência de cidadania, de defesa de ideais e intervenção política e um verdadeiro homem da Guarda, João Gomes foi um advogado prestigiado e um grande defensor do distrito da Guarda e da Beira Serra, terminologia que gostava de usar, sobretudo no programa radiofónico “Reflexões Políticas”, que apresentou, durante alguns anos, na Rádio Altitude.
De assinalar que a homenagem terá lugar no dia em que se comemoram os 99 anos da Implantação da República; o programa elaborado integrará uma romagem ao Cemitério Municipal da Guarda, pelas 11h30, e o lançamento do livro intitulado “João José Gomes – Homem do pensamento e da cultura / Homem da palavra e da acção”.
A apresentação desta obra, inserida na colecção “Gentes da Guarda”, ocorrerá pelas 14h30, na Sala da Assembleia Municipal.
Justificava-se plenamente, como já defendemos por várias vezes, o registo perene de João Gomes na toponímia guardense. Será um acto de justiça!
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:15


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com



Google +


Referenciar citações

Protected by Copyscape Website Copyright Protection




Error running style: Style code didn't finish running in a timely fashion. Possible causes: