Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Inclusão e vida ativa pelas artes

por Correio da Guarda, em 05.03.19

 

     A Comissão Executiva da Candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura e a Câmara Municipal da Guarda promovem, no próximo sábado, 9 de março, mais uma Conversa de Café.

    O tema central desta conversa é “A Cultura não tem idade: inclusão e vida ativa pelas artes”, que contará com a presença de Ruy de Carvalho, Rita Wengorovius e Maria José Dinis da Fonseca.

    Esta conversa decorrerá, partir das 18h00, no Café Concerto do Teatro Municipal da Guarda (TMG).

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:11

Apresentação de livro

por Correio da Guarda, em 16.02.19

 

     “Sobre outra coisa ainda – 13 short stories” é o título do livro de Fernando Carmino Marques (docente do Politécnico da Guarda) que vai ser apresentado na Guarda, no próximo dia 26 de fevereiro.

    A apresentação desta publicação será feita por Rosa Branca Figueiredo no café do Pequeno Auditório do Teatro Municipal da Guarda, pelas 18 horas. O livro, com a chancela da Edições Esgotadas, é composto por “treze shorts stories que se podem definir como de Realismo Mágico. O mistério envolvendo o quotidiano de personagens e preocupações contemporâneas.”

    Fernando Carmino Marques é Doutor em Letras pela Universidade de Paris IV – Sorbonne (1997), onde lecionou, de 1993 a 2002, língua, cultura e literaturas de expressão portuguesa. Colaborou no Instituto Camões em Paris e foi docente responsável pelo ensino do português nas universidades de Versailles – St. Quentin e Marne-la-Vallée. Publicou vários estudos sobre temas e autores portugueses e brasileiros, dos séculos XVI, XIX e XX. Mais recentemente traduziu e editou o estudo inédito de Pierre Hourcade sobre a poesia de Fernando Pessoa: A Mais Incerta das Certezas, Itinerário Poético de Fernando Pessoa (Coleção “Ensaios” sobre Fernando Pessoa, Tinta-da-china, Lisboa, 2016). É professor de língua e cultura portuguesa no Instituto Politécnico da Guarda.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:20

Américo Rodrigues nomeado Diretor Geral das Artes

por Correio da Guarda, em 08.02.19

Américo Rodrigues - CG.jpg

     Américo Rodrigues é o novo diretor-geral das Artes, em substituição de Sílvia Belo Câmara, anunciou hoje o Ministério da Cultura. «Américo Rodrigues assume, a partir da próxima quarta-feira, dia 13 de fevereiro, o cargo de Diretor Geral das Artes. Será nomeado em regime de substituição».

     Natural da Guarda onde nasceu em 1961, Américo Rodrigues foi diretor do TMG (2005-2013) e coordenador da Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (2005-2018)

    Actor, poeta sonoro e performer, é Licenciado em Língua e Cultura Portuguesa (ramo científico) pela Universidade da Beira Interior e Mestre em Ciências da Fala pela Universidade de Aveiro. Américo Rodrigues é autor de várias obras de poesia, crónica, teatro e literatura para crianças;

    “Na nuca”(1982), ”Lá fora: o segredo” (1986) “A estreia de outro gesto” (1989), “Património de afectos” (1995), “Vir ao nascedoiro e outras histórias (1996), “Instante exacto” (1997), “Despertar do funâmbulo” (2000), “O mundo dos outros”(2000), ”Até o anjo é da Guarda” (2000),“Panfleto contra a Guarda” (2002), “Uma pedra na mão” (2002), “Obra  completa – revista e aumentada” (2002), “O mal – a incrível estória do homem-macaco-português” (2003), “A tremenda importância do kazoo na evolução da consciência humana” (2003), ”Escatologia” (2003), “Os nomes da terra” (2003), “A fábrica de sais de rádio do Barracão (2005),  “Aorta Tocante” (2005), “O céu da boca” (2008),  “Escrevo-Risco” (2009) e “Cicatriz:ando” (2009) são alguns dos seus trabalhos.

    Coordenou os cadernos de poesia “Aquilo”, do boletim/revista “Oppidana”, foi co-diretor da revista “Boca de Incêndio”, coordenador da revista cultural “Praça Velha” e da coleção de cadernos “O fio da memória”. Fundou o Teatro Aquilo e também o Projéc~.

    Colunista de vários jornais, recebeu o Prémio Gazeta de Jornalismo Regional e também o Prémio Nacional de Jornalismo Regional.

   Em 2010 recebeu a medalha de mérito cultural atribuída pelo Ministério da Cultura.

  Foi animador cultural na Casa de Cultura da Juventude da Guarda/FAOJ (desde 1979 até 1989) e na Câmara Municipal da Guarda (desde 1989), onde coordenou o Núcleo de Animação Cultural.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10

Parágrafos e agrafos na Guarda

por Correio da Guarda, em 02.02.19
 
 
     "Parágrafos e agrafos"  é o tema da trigésima sessão do ciclo Contradizer, dedicada exclusivamente do poeta guardense Rodrigo Coelho dos Santos.
    A iniciativa é do Calafrio e decorrerá hoje  na sua sala, no Rio Diz (Guarda)  pelas 17 horas.
   Autor de uma vasta quanta desconhecida obra poética, Rodrigo é um poeta singular que cultiva o afastamento em relação à mundanidade, sendo raríssimas as suas apresentações públicas. O autor é também editor das suas obras, sempre manufacturadas. Durante anos assinava como Galo Porno. 

rodrigo.jpg

    Rodrigo Santos  nasceu em 1981. Cursou Clássicas em Coimbra, e vive em Gonçalbocas junto ao Jarmelo.
  Foi formador e carteiro, aprendiz de trolha e de cozinheiro; mas actualmente sente-se feliz como mosaicista e escritor a tempo inteiro. Conhecido na Guarda como Galo Porno, criou na juventude as Edições Galo, que deram lugar à mais "familiar" Coelho dos Prazeres, com os seguintes livros de autor: Deuteronómico, Anubis, Planeta Pã, Pangeia Gaia e Pantalassa.
 
 
    Fonte: Calafrio
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:44

José Vieira no espaço do Calafrio

por Correio da Guarda, em 19.01.19

prospectum_calafrio.jpg

     "PROSPECTUM, nas teias da vídeo arte" é o tema da vigésima nona sessão do ciclo Contradizer que decorrerá hoje, a partir das 21 horas,  no espaço da Associação Calafrio, na Guarda.
    Esta sessão é dedicada a José Vieira, criador nascido na Guarda que se tem dedicado à video-arte. O programa engloba uma mostra de vídeo com componente de instalação, apresentando-se um prospecto vídeo sobre o trabalho de José Vieira.
Com esta atividade pretende-se mostrar um pouco da história da vídeo arte, recorrendo ao trabalho do artista e a uma demonstração in loco da construção de uma peça de vídeo instalação.
   José Vieira nasceu na Guarda em 1962,  é licenciado em Pintura e Mestre em Comunicação Estética pela Escola Universitária de Artes de Coimbra de Coimbra. Vive e trabalha em Coimbra onde leciona Artes Visuais e Multimédia na escola Avelar Brotero.

   É comissário do Festival Fonlad (desde 2005) e participou como júri nos festivais Ventipertrenta (2010), Magmart (2012, 2014), Celeste Prize (2011, 2012) e Proyector (2014, 2015). Foi diretor artístico do Espaço Artes, Multimédia e Performance da Alliance Française de Coimbra (2013) e do Espaço Partícula, também em Coimbra (2015). Realizou variadas exposições e participou em variadas mostras e festivais de videoarte em Portugal, França, Espanha, Estados Unidos, Itália, Roménia, China, Macau, Argentina, México, Cuba, Grécia, entre outros.

 

  Fonte: Calafrio

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:50

Apresentação de Boletim do Museu da Guarda

por Correio da Guarda, em 13.12.18

 

     No Museu da Guarda terá lugar amanhã, pelas 18 horas, a sessão de apresentação do número dois do Boletim < 1056,3> - In Folio.

    A edição do caderno conhecerá duas edições anuais: uma correspondente à Primavera/ Verão e outra Outono/Inverno.

    Pretende-se com esta publicação dar a conhecer ao público as atividades desenvolvidas pelo Museu da Guarda durante o ano de 2017/2018, onde estão reunidos, entre outros, conteúdos científicos, notícias e artigos de opinião de algumas personalidades.

Museu da Guarda.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:02

No aniversário do Centro Cultural da Guarda

por Correio da Guarda, em 16.11.18

 

     O Centro Cultural da Guarda assinala amanhã,  sábado, o 56º aniversário. É uma instituição que continua a desenvolver o seu projeto, intervindo no quotidiano citadino através das suas várias valências.

     Compreenderemos melhor a sua eminente função cultural e social se recuarmos à primeira metade do século XX e remetermos os leitores para panorama cultural da Guarda, nesse época; período onde foram registadas distintas fases, entre as quais se evidenciaram o teatro e a música; nesta última área destacaram-se os Orfeões Egitaniense e o Egitânia, bem como a Banda do Regimento de Infantaria 12 que animava as tardes de domingo na Praça Velha e, depois, no jardim José de Lemos, conhecido por Campo.

     No ano de 1956 nasceu uma delegação do Movimento Pró-Arte (organização lisboeta dedicada, essencialmente, à música) que despertou muito interesse nos meios intelectuais, propondo-se oferecer música de qualidade. O Montepio Egitaniense acolheu esta delegação, tendo sido criado um curso de música, destinado a todos os interessados.

     Começou, por essa altura, a germinar a ideia de uma nova estrutura vocacionada para a cultura. Como foi realçado, “a criação do Centro Cultural da Guarda foi um sonho lindo, tornado realidade por um grupo de guardenses apaixonados pela música, presididos e orientados pelo Dr. Mendes Fernandes e galvanizados pelo entusiasmo e persistência do Dr. Virgílio de Carvalho”.

    Foi este grupo que, sensibilizando a direção do Montepio Egitaniense, passou a dispor de um salão onde promoveu audições musicais, abertas ao público, empenhando-se, igualmente, no desenvolvimento de uma ação formativa. A atividade da delegação da Pró-Arte não teve a continuidade desejada e surgiram alguns interregnos.

     Após um período de alguma estagnação, em termos de atividade, os dinamizadores do referido núcleo cultural concluíram, definitivamente, pela necessidade de uma instituição que funcionasse como plataforma impulsionadora de projetos e incrementasse a formação musical. O Dr. Virgílio de Carvalho presidiu à Comissão Promotora do Centro Cultural. Os estatutos do Centro Cultural da Guarda foram apresentados, para a devida aprovação ministerial, em 17 de novembro de 1962.

     A história do Centro Cultural é o somatório da ação e empenho de muitas personalidades e outrossim dos contributos dos seus associados, em especial aqueles que intervieram, ativa e diretamente, nas atividades das várias secções. A identidade desta instituição guardense tem sido, ao longo destes 56 anos, preservada e suportada pelas pedras basilares do lema que o CCG adotou desde o seu nascimento.

    O seu percurso assenta, assim, numa convergência de esforços mas muito deve a personalidades que, com a sua cultura, saber, entusiamo e capacidade de realização souberam manter e revitalizar um projeto de grande alcance cultural e social; tiveram uma consciência clara das dificuldades mas não desistiram nem perderam a esperança.

    O Centro Cultural da Guarda bem merece a homenagem e o apreço de todos nós. Parabéns por mais um aniversário e pela defesa do lema “Pela Guarda, pela Arte, pela Cultura”. (Helder Sequeira)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:48

Cruciformes no Museu da Guarda

por Correio da Guarda, em 13.11.18

Cruciformes no Museu da Guarda.jpg

     "Cruciformes no espaço equívoco" é o tema da exposição de fotografia que está patente, no Museu da Guarda, até ao próximo dia 8 de Janeiro de 2019.

     Esta exposição integra um conjunto de trabalhos de elementos do Fotoclube da Guarda e resultou do desafio lançado na sequência de uma ação de formação, realizada no Museu da Guarda, sobre cruciformes.

Cruciformes.jpg

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:16

Rogério Pires no espaço do Calafrio

por Correio da Guarda, em 12.11.18

ROGERIO.jpg

     No próximo dia 17 terá lugar mais uma sessão do ciclo Contradizer,  promovido pla associação cultural CalaFrio.
    Trata-se da vigésima sexta edição que é dedicada a duas obras de Rogério Pires, o disco de música original "Bagatelas" e o livro de narrativas curtas "Historietas de Marim Afonso".
   "As bagatelas são pequenas músicas que surgem na sequência de um acontecimento emocional: a morte de alguém,o nascimento de alguém, um qualquer encantamento ou revolta. Em termos estéticos não definem o autor, só parcelarmente. Os textos vêm pela boca de um personagem, Martim Afonso, que, sumariamente, diz o que lhe vem à cabeça de uma maneira meio tresloucada, esgrouviada ou mesmo absurda.Esta apresentação alterna entre a pretensa força afectiva e musical e a escrita desconexa, resultante, em parte, da ironia do viver chocante e, em parte, absurdo." Adianta o autor
    A sessão de música e leitura de textos realiza-se pelas 21h30 no espaço que o Calafrio dinamiza no Rio Diz, na Guarda,
Rogério Pires nasceu em Pinhel e cresceu na Guarda. Guitarrista e professor acompanhador de dança contemporânea no Conservatório Nacional de Lisboa. 
    Ao longo do seu percurso musical tem tocado com músicos como João Afonso, Michel – Cadernos de Viagens e Zeca Medeiros. 
 
    Fonte: CalaFrio

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:50

Calafrio apresenta CD de Carlos Canhoto

por Correio da Guarda, em 06.11.18

carlos canhoto.jpg

 

     A Associação Cultural Calafrio vai promover no próximo sábado, dia 10 de novembro, a sessão de apresentação do novo disco de Carlos Canhoto.
    A iniciativa decorrerá, a partir das 21h30, no espaço que a Calafrio dinamiza no Rio Diz, na cidade da Guarda; a antiga escola primária tem recebido nos últimos meses várias propostas de índole cultural e artística.
    O CD "Soli" (feito com o apoio da Direcção-Geral das Artes) inclui nova música para saxofone solo; música dos compositores Eduardo Luís Patriarca, Amílcar Vasques Dias, José Carlos Sousa e Jaime Reis. 
    Nesta sessão Carlos Canhoto enquadrará o projecto e tocará quatro temas. A entrada é livre. 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com



Google +


Referenciar citações

Protected by Copyscape Website Copyright Protection