Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

A equipa de projeto da candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura em 2027 vai ser apresentada amanhã, pelas 18 horas, no pequeno auditório do Teatro Municipal desta cidade.

Esta sessão integrará uma intervenção do diretor executivo da candidatura, Pedro Gadanho, bem como de Teresa Patrício Gouveia, presidente da Comissão de Honra da Guarda 2027.

Pedro Gadanho tem estado esta semana na Guarda quer para estabelecer contactos e ter encontros com intuições de ensino, associações de desenvolvimento local, associações culturais, quer também para reunir com os programadores afetos à candidatura e com o presidente do Conselho Estratégico.

Pedro Gadanho é arquiteto e designer, tendo sido diretor do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, e curador do departamento de arquitetura e design do Museum of Modern Art (MOMA), em Nova Iorque.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:18

Beethoven evocado em Pinhel

por Correio da Guarda, em 11.01.20

coro de Berlim.jpg

Na cidade de Pinhel vai ter lugar no dia 17 de janeiro um concerto sinfónico com a Orquestra Filarmónica Portuguesa e o Coro de Câmara Filarmónico de Berlim.

A nona sinfonia de Beethoven será executada neste concerto, agendado para o Centro Logístico de Pinhel, com entrada gratuita.

Este concerto abre as comemorações dos 250 anos da elevação de Pinhel à categoria de Cidade e assinala igualmente a passagem dos duzentos e cinquenta anos após o nascimento de Ludwig van Beethoven, “um dos maiores compositores da História da Música.”

Beethoven.jpg

De acordo com a autarquia pinhelense, a iniciativa surge também como manifestação de apoio do Município de Pinhel à candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura 2027.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:06

Uma relevante atividade

por Correio da Guarda, em 22.12.19

 

O último número da Revista Iberografias, recentemente apresentado na Guarda, integra uma série de trabalhos que nos facultam importante informação para um melhor conhecimento desta zona do interior, em várias vertentes e temáticas.

A título de exemplo poderemos mencionar artigos como “Geografia, literatura, viagem: ler o território, interpretar a Serra da Estrela” (Rui Jacinto), “A expedição Científica à Serra da Estrela em 1881”. Da aventura ao domínio do território” (Helena Gonçalves Pinto), “Serra da Estrela: literatura geográfica” (Cristina Robalo Cordeiro, Rui Jacinto, Duarte Belo) ou “A nova Igreja de São Vicente: construção e estética” (António Prata Coelho, Daniel Martins, Antonieta Pinto).

Por outro lado, no mais recente volume da revista “Praça Velha” escreve-se sobre “Do Património da Guarda. Casas Armoriadas” (Manuel Luiz dos Santos), “Eduardo Tracana, do R12 às campanhas em África. Roteiro de uma Expedição” (Anabela Matias), “Uma realidade esquecida – os Médicos de partido” (Aires Diniz), “Génese do concelho da Guarda: termo e população” (Francisco Manso), “A ocupação romana e alto medieval do sítio S. Gens (Celorico da Beira)” (António Carlos Marques, Gabriel de Souza, Catarina Tente), “O Primeiro de Maio na Guarda, entre a Primeira República e o Estado Novo: uma celebração de Luta, Festa e Propaganda” (José Lima Garcia) e “D. Brites do Mercado e Manuel Henriques do Mercado (fragmentos da vida de um casal cristão-novo)” (Antonieta Garcia), entre outros excelentes textos.

Nunca será demais realçar estes importantes e oportunos contributos – assim como empenho e profissionalismo colocado nestas edições – que enriquecem o fundo bibliográfico e documental colocado à disposição de quem queira aprofundar o estudo sobre a cidade da Guarda e região envolvente, sob várias abordagens.

Contudo julgamos que poderia ser ampliada a informação sobre os conteúdos destas (como de outras) publicações, através dos canais que as novas tecnologias colocam ao nosso dispor, captando a atenção de novos leitores, sobretudo aqueles com ligações (familiares ou afetivas) à Guarda, mas residindo noutras regiões, ou mesmo no estrangeiro.

É notória, mormente nalgumas redes sociais, a apetência por documentação e publicações sobre a cidade e distrito, remetendo para memórias ou para o desejo de fazer o confronto entre passado e presente.

Sendo certo que é possível a aquisição direta ou através de via postal, a agilização da disponibilidade dos conteúdos em formato digital, mediante o adequado pagamento, contribuiria, seguramente, para uma maior divulgação.

A relevante atividade que tem sido desenvolvida por estas publicações merece ser apoiada e valorizada, em prol da cultura, do conhecimento, da investigação, do património. (Hélder Sequeira

 

In "O Interior", 20/12/2019

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00

Fotoclube da Guarda no Transversalidades

por Correio da Guarda, em 06.12.19

 

Foto.jpg

“Lugares: distâncias e proximidades” é o tema da exposição que, no âmbito do III Transversalidades, vai estar patente a partir de hoje, 6 de dezembro, no antigo edifício da Câmara Municipal da Guarda, Praça Luís de Camões.

Esta exposição, composta por trabalhos da responsabilidade do Fotoclube da Guarda, resultou de um desafio envolto na paixão pela fotografia e “orientado para a (re)descoberta de realidades tão próximas e tão longínquas; territórios de solidão, de ausência que foram berço de múltiplos percursos individuais, de sonhos e de aventura…”.

Como é referido a propósito deste certame, “a grandeza pluridimensional das paisagens naturais e humanas foram registadas com diferentes sensibilidades, emoções e olhares que convergem numa leitura coletiva apostada em resgatar tais territórios ao esquecimento e afirmá-los na sua essência profunda visando rasgar novas vias de futuro.

Rostos, arquitetura, artefactos, caminhos, solidão, religiosidade, tradições, paisagens, flora, patrimónios, afetos, ausências, sulcos do tempo, ou caprichos da natureza são alguns dos motivos fixados pelas objetivas dos participantes num roteiro que a cada olhar se renova.”

O Fotoclube da Guarda é um grupo discreto, sem formalismos, que em muito tem contribuído para a promoção desta cidade, incrementando, igualmente, o gosto pela fotografia.

Tem olhado a cidade, a região, o país através de diversas objetivas e sensibilidades, proporcionando exemplos qualitativos, trabalhos de cativante beleza e técnica cuidada.

A exposição pode ser visitada até ao próximo mês de janeiro.

Cruzeiro - Fot Helder Sequeira.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:05

CEI promove mostras fotográficas na Guarda

por Correio da Guarda, em 04.12.19

CEI.jpg

No próximio dia 6 de dezembro vão ser inauguradas na Guarda as exposições Rumores do Mundo: diversidade cultural e inclusão social – Escola Secundária Afonso Albuquerque (Espaço Conhecimento e Memória), pelas 11 horas, seguindo-se a abertura de “Rumores do Mundo: (con) vivências (Fundação João Bento Raimundo), a partir das 11h30 e meia hora despois a inauguração da exposição “Rumores do Mundo: olhar a diversidade que nos rodeia” (na EnsiGuarda Escola Profissional da Guarda).

Pelas 15 horas será inaugurada a exposição “Paisagens Transgénicas |Álvaro Domingues) nos Serviços Centrais do Instituto Politécnico da Guarda e às 16h30 “Intervalos” | Santiago Santos” no átrio da consulta externa do Hospital Sousa Martins.

Pelas 17 horas ocorrerá a abertura das mostras fotográficas “Lugares: distâncias e proximidades” (com trabalhos do Fotoclube da Guarda), no Edifício CIMBSE (Praça Velha); “Rumores do Mundo: património natural, paisagens, biodiversidade”, no Centro Comercial La Vie (Piso 1) e “Caminhar oblíquo | Duarte Belo” nos claustros do Paço da Cultura.

A abertura do III Encontro Imagem & Território terá lugar nesse mesmo dia, pelas 18h45, na Câmara da Guarda, onde serão apresentados os portfólios premiados (vídeo de Catarina Flor) e inaugurada a exposição “Diálogos ibéricos, olhares transfronteiriços”, com fotos de Alberto Prieto, Monteiro Gil, Pedro Carvalho, Victorino García.

No Café Concerto do TMG vai estar exposta, a partir das 21h30, a Exposição “20 olhares, fotografias, concursos, prémios” de António Tedim. Seguir-se-á, no mesmo local, a mostra fotográfica/debate “Diálogo transfronteiriço: ausência e território”, com Ana Castro, Eduardo Nuñez e Alberto Picco.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46

Ciclo de Conferências no Politécnico da Guarda

por Correio da Guarda, em 06.11.19

 

IPG - cultura patrimonio artes design 26-11-2019.j

 

No Instituto Politécnico da Guarda (IPG) vai decorrer no próximo dia 26 de novembro, a partir das 14 horas, a primeira conferência de um ciclo sobre “Cultura, Património, Artes e Design”.

O painel desta conferência é constituído por Maria Calado, Presidente do Centro Nacional de Cultura, António Delgado, Escultor e Professor, e João Neto, Presidente da Associação Portuguesa de Museologia.

Este evento, aberto a toda a comunidade, pretende salientar os desafios culturais e artísticos existentes nos territórios do interior, como um recurso ao desenvolvimento local e catalisadores económicos, sociais, políticos e culturais da região.

Como foi referido a propósito deste ciclo, a “afirmação do interior pela inovação e pela diferenciação e criatividade pode passar pela valorização do seu património, da sua arte e da sua cultura.”

As conferências vão decorrer no auditório dos Serviços Centrais do IPG.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:22

Salão de Outono no Museu

por Correio da Guarda, em 25.10.19

Salão de Outono.jpg

No Museu da Guarda vai decorrer, de 31 de outubro de 2019 a 9 de janeiro de 2020, o IV Salão de Outono "Aberto para Obras".
As galerias Evelina Coelho e Espaço#4 vão acolher, no âmbito deste Salão (e além da expposição coletiva de pintura, escultura, gravura e poesia visual), duas exposições de Paul Mathieu, artista plástico belga.
 
 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01

Vale da Teixeira no CineEco 2019

por Correio da Guarda, em 17.09.19

 

 

Vale da Teixeira - ASá Rodrigues.jpg

 

O documentário “Paisagem sonora do Vale da Teixeira”, da autoria do jornalista António Sá Rodrigues, foi selecionado para a vigésima quinta edição do Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela/ CineEco.

Incluído na categoria de “Panorama Regional -Língua Portuguesa” este trabalho, “aborda aspetos relacionados com a natureza, a agricultura, a produção de azeite, o património religioso e algumas das marcas deixadas na paisagem pelos incêndios florestais de 2017”, como referiu o seu autor ao “Correio da Guarda”.

 

 

Como surgiu este trabalho?

 

A ideia para o documentário “Paisagem sonora do Vale da Teixeira” surgiu no ano letivo de 2018/2019, quando frequentava o 2.º ano do curso de Repórter de Som e Imagem na Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto do Instituto Politécnico da Guarda.

Fiz o filme para a cadeira de Captação e Edição de Vídeo II. O meu objetivo foi utilizar a imagem e o som para dar a conhecer as diversas potencialidades do Vale da Teixeira, que começa na freguesia de Panoias, junto da povoação de Barracão, próximo da Linha do Caminho de Ferro da Beira Baixa, e inclui áreas das freguesias de Ramela e de Benespera, todas do concelho da Guarda.

O documentário aborda aspetos relacionados com a natureza, a agricultura, a produção de azeite, o património religioso e algumas das marcas deixadas na paisagem pelos incêndios florestais de 2017 e termina com uma orquestra dos vários sons captados, que funciona como uma espécie de exaltação desta parcela territorial do concelho da Guarda.

 

Que mensagem pretende transmitir?

 

Pretendo chamar a atenção das pessoas para os vários aspetos do Vale da Teixeira (natureza, agricultura, património cultural e religioso, etc.) e contribuir para a divulgação deste bonito território.

O Vale da Teixeira situa-se perto da cidade da Guarda, mas, lamentavelmente, ainda é desconhecido por muitas pessoas. É uma zona muito bonita e agradável para descobrir sozinho ou acompanhado pela família, ao longo de todo o ano.

ASRodrigues (3).jpg

 

Que importância atribui à sua aceitação no CineEco?

 

Recebi a notícia com muita satisfação. Fui incentivado por alguns amigos a participar e, desde já, também lhes agradeço todo o apoio e colaboração que me deram nesse sentido.

 É para mim um orgulho verificar que a um trabalho realizado em contexto académico foi atribuído algum valor para poder estar ao lado de outros de maior importância e envergadura, não só no contexto nacional, mas também internacional.

Não esperava que o documentário da minha autoria fizesse parte da seleção oficial do CineEco 2019 – 25.º Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela, que se realiza em Seia de 12 a 19 de outubro; uma vez que faz, fico contente por levar o nome do meu querido Vale da Teixeira mais longe e de poder contribuir para a divulgação das suas potencialidades naturais e patrimoniais aos mais diversos níveis.

 

Vai continuar a abordar esta temática?

 

Certamente. Quem me conhece sabe que sou um eterno apaixonado pelo Vale da Teixeira, pelas paisagens, pela natureza, pelo azeite que ali se produz, pelo seu passado histórico …

Desta vez foi feita uma abordagem genérica e quase que superficial sobre o muito que ali existe, de modo que, admito a possibilidade de novos trabalhos.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:58

Um hermeneuta da cultura

por Correio da Guarda, em 01.08.19

 

     O ensaísta, filósofo e historiador Jesué Pinharanda Gomes, falecido no passado dia 27 de julho, foi considerado na nota difundida pela Presidência da República como "um dos nomes mais destacados no estudo e divulgação do pensamento português" e “trabalhador incansável, um homem de convicções profundas.

    Pinharanda Gomes (nascido em Quadrazais, Sabugal), figura incontornável da cultura portuguesa, foi tudo isso e muito mais; foi “um exemplo vivo de um estudioso desinteressado, sem prebendas nem honras institucionais, fazendo do estudo erudito uma vocação de vida”, como escreveu Miguel Real.

    Literariamente falando, Pinharanda Gomes era natural da Guarda, embora realizado em Lisboa, como nos referiu; foi na cidade mais alta de Portugal que lançou as primeiras raízes. A sua fidelidade à “mátria” foi constante, exemplar, de uma grandeza própria de personalidades de enorme saber, mas simultaneamente simples, humanas e profundamente solidárias com a sua terra de origem.

    No conjunto vasto de títulos publicados por Pinharanda Gomes avultam três áreas: os contributos na História da Filosofia; as monografias da história da Igreja e os estudos regionais. Defensor convicto, e incansável, do nosso património histórico-cultural assumiu igualmente a salvaguarda dos valores humanos, mormente desta zona raiana.

PINHARANDA GOMES - HS.jpg

    Em entrevista que nos concedeu, há alguns anos atrás, para a Revista “Praça Velha”, declarava-se “um hermeneuta da cultura” pois procurava “interpretar os seres, os factos e as coisas do âmbito cultural, sobretudo do pensamento, mas de modo a preenchê-las” com o seu próprio significado. O seu vasto labor não se circunscreveu, contudo, às edições conhecidas, pois “há uma atividade que não vem muito a público e que diz respeito às centenas de verbetes” que redigiu para Dicionários e Enciclopédias, quase sempre assinados, ou com as letras P.G.

    Desde 1981, e após a realização do I Encontro de Comunicação Social da Beira Interior, promovido, na Guarda, pela Rádio Altitude que os meus contactos com Pinharanda Gomes foram regulares, acentuados com a colaboração por ele dada ao quinzenário Notícias da Guarda. Aliás – é justo e oportuno realçar – foi sempre um inquestionável defensor da imprensa regional, sublinhando sempre o seu importante papel informativo e cultural.

    Recordemos que em 1983 publicou “Memórias de Riba Coa e da Beira Serra – A Imprensa da Guarda”, obra através da qual quis evocar os “homens e mulheres que, desde meados do século XIX, fizeram os jornais no distrito da Guarda, pioneiro da imprensa política regional e da imprensa católica nacional”. Na nota introdutória desse livro, Pinharanda Gomes afirmava que a “progressão cronológica do aparecimento de jornais, a tipologia diferenciada, as alternâncias ideológicas, são quadros vivos mesmo agora que, de muitos deles, já não temos senão raros exemplares”. Leitor atento da imprensa regional, mormente da Guarda, Pinharanda Gomes bem pode ser considerado um paladino dos jornais editados no país real. A imprensa tem o dever da memória, assim como a Rádio da sua Guarda, onde interveio, no plano cultural, em finais da década de 50 do passado século.

    Nestas breves notas, mais do que discorrer pela obra, vastíssima, de Pinharanda Gomes importa relembrar o mestre, o homem de cultura atento ao que se passava na região onde nasceu; correspondendo sempre aos convites formulados para aqui transmitir o seu saber, partilhar a sua experiência, incentivar o estudo.

   A melhor homenagem que lhe poderemos fazer será, sem dúvida, conhecer e divulgar a sua obra onde sobejam inúmeras indicações para diferenciadas e interessantes linhas de investigação e conhecimento, em vários campos do saber; perpetuando assim a sua memória. (Hélder Sequeira)

 

     In O Interior, 1|08|2019

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:58

O Dia da Rádio Altitude

por Correio da Guarda, em 29.07.19

Edifício RA -1990.JPG

     (Foto de Arquivo. 1990)

 

     Hoje é o dia da Rádio. De uma emissora muito especial não só pela sua génese solidária mas também pela sua longevidade, percurso ímpar, matriz beirã.

    A Rádio Altitude, que assinala hoje 71 anos de emissões regulares, tem sido uma lídima voz da região que na primeira metade do século passado foi procurada por milhares de pessoas, na procura de tratamentos para a doença que atingiu uma elevada percentagem da população; esta referência teria de ser feita para não se olvidar a profunda ligação a uma dos mais emblemáticos Sanatórios de Portugal.

   Neste contexto nasceu a Rádio que rapidamente alargou a sua área de influência, cativou colaborações, ultrapassou dificuldades, assumiu desafios, protagonizou criatividade, inovou e afirmou decisivas linhas de intervenção formativa e cultural.

    Da sua história já falamos, aqui, várias vezes. Daí que, nestas breves notas, seja de sublinhar o pioneirismo da estação emissora CSB 21 e os caminhos abertos através da onda média, inicialmente, depois em FM e hoje também nas plataformas digitais e redes sociais.

   Foram múltiplos os contributos pessoais (Jesué Pinharanda Gomes, falecido sábado, colaborou na RA) e coletivos que guindaram a Rádio Altitude a uma posição de destaque no panorama radiofónico português e, diria, mesmo europeu (pelas décadas de emissões contínuas, pela sua originalidade, subsistência e consciência da sua função social). Assinalar este 71º aniversário é evocar todas essas colaborações e apoios, imprescindíveis para uma evolução permanente, que se deseja continue no futuro.

RÁDIO ALTITUDE - Helder S.jpg

    A Rádio Altitude é uma marca informativa e cultural desta região que não a deve esquecer, antes valorizar pela sua história, pelo seu papel, pela sua presença quotidiana.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:46


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com