Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Fórum sobre Património, Cultura e Turismo

por Correio da Guarda, em 29.04.24

 

No Fundão vai decorrer no próximo dia 4 de maio, a partir das 10 horas, a quarta sessão do Fórum Património, Cultura e Turismo, promovido pelo Departamento do Património, Cultura e Turismo (DPCT) da diocese da Guarda.

“À semelhança das sessões já realizadas na Guarda, Covilhã e Seia, o DPCT, para além de dar a conhecer a nova orgânica criada na diocese nas áreas do património, cultura e turismo, irá apresentar um conjunto de comunicações que visam evidenciar a importância dos bens culturais da Igreja, a sua preservação e divulgação”. Afirmou Dulce Borges, Coordenadora do DPCT, a propósito desta iniciativa.

Segundo Dulce Borges, “a descentralização deste tipo de ações na área geográfica da diocese, visa sensibilizar os atores locais da importância que existe na criação e desenvolvimento de redes colaborativas entre as autarquias, populações e academias na defesa na prossecução daqueles objetivos”.

I Forum Património_FUNDÃOjpg.jpg

Após uma intervenção do Bispo da Diocese da Guarda, D. Manuel Felício, o programa deste Fórum integra uma comunicação subordinada ao tema “O Departamento do Património, Cultura e Turismo: objetivos e desafios”, por Dulce Borges; “Salvaguardar e valorizar os bens culturais da Igreja: estratégias e dinâmicas na Diocese de Viseu”, é o título da intervenção que será feita por Fátima Eusébio (atual diretora do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja), enquanto Hélder Sequeira fará uma comunicação sobre “O papel da comunicação na defesa do património religioso diocesano”; “Entre o passado e o futuro: o lugar do Património na Igreja de hoje”, será o tema a desenvolver por Carlos Caetano.

Neste Fórum, Aires Almeida apresentará uma intervenção sobre o “Porquê um Regulamento para a gestão e proteção do património e bens culturais da Diocese da Guarda” enquanto Gonçalo Fernandes irá falar de “Itinerários turísticos e património religioso. Desafios de valorização territorial”.

Recorde-se que o DPCT tinha participado, no passado dia 16 de março na sétima edição dos “Itinerários do Sentir”, em Alcongosta, onde a criação de redes colaborativas entre as autarquias, populações e academias com a diocese da Guarda da Guarda foi defendida pelo Presidente da Câmara Municipal do Fundão. A referida iniciativa, sob “O património religioso numa comunidade aldeã: que sentires, que futuro?” foi dedicada à visitação ao património religioso de Alcongosta (Fundão), localidade integrada na diocese da Guarda.

Paulo Fernandes, Presidente da Câmara do Fundão, considerou que as redes colaborativas devem visar o “bem maior que é a inventariação, o estudo, a preservação e a divulgação do património religioso móvel, imóvel e imaterial.”

O Fórum, que vai ter lugar no Salão Nobre da Câmara Municipal do Fundão, (com entrada livre a todos os interessados) inscreve-se também nesse objetivo e procura ampliar a ação de sensibilização de párocos, investigadores e comunidades locais iniciada a 17 de novembro de 2023 na Guarda, aquando da primeira ação do DPCT.

Este departamento tem já pronto o Regulamento de Gestão e Proteção do Património e Bens Culturais da Diocese da Guarda que em breve será apresentado publicamente.

Por outro lado, o DPCT tem agendadas outras iniciativas que pretendem dar prossecução aos objetivos traçados pela sua equipa de trabalho.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:25

 

O património da Igreja “é muito diferenciado porque a fé das gerações que nos antecederam, ao longo dos séculos, proporcionou que se manifestasse em materialidade das formas mais diversificadas”. Afirmou a Diretora do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja, Fátima Eusébio, no decorrer do terceiro Fórum Património, Cultura e Turismo que decorreu na passada sexta-feira, 16 de fevereiro, em Seia, organizado pelo Departamento do Património, Cultura e Turismo (DPTC) da diocese da Guarda.

SEIA_Fórum_ Fátima Eusébio_foto HS_.JPG

Fátima Eusébio salientou que ao nível do património religioso material “temos edifícios de grande impacto, como as catedrais, mas temos depois outros edifícios como as pequenas ermidas em locais completamente inóspitos”. A Diretora do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja disse que “não devemos intelectualizar muito o património e esquecer a parte afetiva”, sublinhando a necessidade de ser estabelecido um equilíbrio, e alertando ainda para “tudo o que está numa Igreja tem um simbolismo”.

Na sua intervenção neste Fórum, que decorreu no Espaço Museológico da Santa Casa da Misericórdia de Seia, Fátima Eusébio defendeu que tem de ser dada maior atenção ao património imaterial da Igreja.

O Fórum Património, Cultura e Turismo – que anteriormente tinha sido já realizado na Guarda e na Covilhã – teve por objetivo a sensibilização dos párocos da diocese egitaniense e da comunidade em geral para a salvaguarda e promoção do património religioso, a da apresentação dos objetivos e linhas de atuação do DPCT, “no sentido de uma maior e eficaz colaboração”.

Como foi salientado pela Coordenadora do DPCT, Dulce Borges, as principais competências daquela estrutura diocesana são a “promoção da dimensão evangelizadora do património cultural da Diocese, cuidando a pastoral do turismo e o diálogo com iniciativas culturais da sociedade civil”.

Este departamento está integrado no Secretariado Diocesano da Cultura e Comunicação que tem como objetivos cuidar a cultura e os bens culturais, a comunicação social e as relações-públicas da Diocese.

O programa do Fórum que decorreu em Seia, integrou uma intervenção do Bispo da Diocese, D. Manuel Felício, seguindo-se a apresentação do DPCT pela sua Coordenadora, Dulce Helena Borges, com uma comunicação intitulada “Departamento de Património Cultura e Turismo da Diocese da Guarda: objetivos e desafios”. Hélder Sequeira interveio com o tema “Comunicar (n)a Diocese”, enquanto Carlos Caetano apresentou uma comunicação intitulada “Entre o passado e o futuro: o lugar do Património na Igreja de hoje”.

Aires Almeida apresentou uma comunicação intitulada “Porquê um Regulamento para a gestão e proteção do património e bens culturais da Diocese da Guarda” e Gonçalo Fernandes falou sobre “Itinerários turísticos e património religioso. Desafios de valorização territorial”. Rita Saraiva apresentou a comunicação “Arquitetura de Culto e Memória: Igreja da Misericórdia de Seia” e o programa do Fórum foi concluído com a intervenção de Fátima Eusébio subordinada ao tema “Salvaguardar e valorizar os bens culturais da Igreja; estratégias e dinâmicas na Diocese de Viseu”.

Neste Fórum Património, Cultura e Turismo Bispo da Guarda, referindo-se ao património religioso da Diocese, disse ser uma realidade que “precisa de ser conhecidas, precisa de ser cuidada, precisa de ser acompanhada, precisa de ser apresentada e também fruída nos lugares próprios de também noutros ambientes que as circunstâncias proporcionem”. Manuel Felício acrescentou que estes bens têm de ter “quem os cuide, os apoie e apresente”, os quais se podem transmitir uma mensagem, “podem também atrair pessoas às nossas terras”.

O Bispo da Guarda destacou, noutra passagem da sua intervenção, o papel do DPCT “neste trabalho de formação e informação”.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:18

Fórum sobre Património Religioso em Seia

por Correio da Guarda, em 08.02.24

 

O Departamento do Património, Cultura e Turismo (DPTC) da diocese da Guarda vai promover, dia 16 de fevereiro, no Espaço Museológico da Santa Casa da Misericórdia de Seia o I Fórum Património, Cultura e Turismo. Esta iniciativa tem por objetivo a sensibilização dos párocos da diocese egitaniense, e a população em geral, para a salvaguarda e promoção do património religioso e a apresentação dos objetivos e linhas de atuação do DPCT, “no sentido de uma maior e eficaz colaboração”.

De referir que as principais competências do DPCT são a “promoção da dimensão evangelizadora do património cultural da Diocese, cuidando a pastoral do turismo e o diálogo com iniciativas culturais da sociedade civil”. Este departamento está integrado no Secretariado Diocesano da Cultura e Comunicação que tem como objetivos cuidar a cultura e os bens culturais, a comunicação social e as relações-públicas da Diocese.

Fórum sobre Património_ Seia.jpg

O referido Fórum decorrerá a partir das 15 horas e o programa tem agendada uma intervenção do Bispo da Diocese, D. Manuel Felício, seguindo-se a apresentação do DPCT pela sua Coordenadora, Dulce Helena Borges, de uma comunicação intitulada “Departamento de Património Cultura e Turismo da Diocese da Guarda: objetivos e desafios”. “Comunicar (n)a Diocese”, por Hélder Sequeira; “Entre o passado e o futuro: o lugar do Património na Igreja de hoje”, comunicação de Carlos Caetano; “Porquê um Regulamento para a gestão e proteção do património e bens culturais da Diocese da Guarda”, por Aires de Almeida, e “Itinerários turísticos e património religioso. Desafios de valorização territorial”, a apresentar por Gonçalo Fernandes, são outras das comunicações a apresentar. Nesta iniciativa vão ainda intervir Rita Saraiva com a comunicação “Arquitetura de Culto e Memória: Igreja da Misericórdia de Seia” e Fátima Eusébio (diretora do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja) diretora do Secretariado Nacional dos Bens Cultura apresentará uma comunicação intitulada “Salvaguardar e valorizar os bens culturais da Igreja; estratégias e dinâmicas na Diocese de Viseu”.

O Fórum é aberto a todos os interessados na problemática do património religioso. Recorde-se que no passado mês de novembro o DPTC promoveu uma idêntica iniciativa na Guarda, tendo sido anunciada na altura esta nova atividade, face à área da Diocese e a importância em envolver o maior número de párocos e cidadãos interessados na salvaguarda, estudo e divulgação do património religioso e na implementação de roteiros turísticos.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30

Prémios

por Correio da Guarda, em 17.06.17

 

     O Município da Guarda, através do seu Museu, foi galardoado com o prémio  Projeto Internacional  relativo ao SIAC.

    O autarquia guardense recebeu ainda uma Menção Honrosa do "Prémio Incorporação de Bens Culturais", pela incorporação de 118 obras de Arte no seu acervo em 2016.

    Estes galardões foram atribuídos pela Associação Portuguesa de Museologia.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:34

A delapidação do património

por Correio da Guarda, em 03.04.12

 

     O Comando Territorial da GNR da Guarda deteve, recentemente, dois indivíduos suspeitos de furto e de obras de arte e outros bens culturais; uma imagem religiosa estava entre esse conjunto.

     A segurança do património artístico, monumental e móvel, existente no nosso distrito, deve continuar a merecer cada vez mais atenção.

     Já tivemos o ensejo de aqui escrever a propósito dos, frequentes, roubos de cruzeiros e de nichos colocados junto à berma de muitas estradas da nossa região (ou mesmo dentro das localidades), objeto de cobiça fácil para quem se dedica à comercialização destas peças (muitas delas destinadas ao estrangeiro) ou pretende embelezar o exterior da sua habitação, mesmo sabendo que está a cometer um atentado contra o património cultural, herança coletiva de um povo.

     Ao longo dos anos têm faltado medidas eficazes e a definição de competências, quase sempre com o argumento de insuficiência de meios financeiros. Neste contexto, a degradação de muito do nosso património, como é público e notório, tem-se acentuado, facilitando assim a sua delapidação.

     As deficiências ao nível da inventariação e da caracterização completa dos monumentos, a par do isolamento de alguns, ou da sua localização em zonas de reduzida circulação pedonal ou rodoviária contribuem, em larga medida, para o avolumar das dificuldades nas ações de proteção e salvaguarda desses testemunhos do passado. Acresce, noutras situações, a indiferença ou o comodismo de algumas entidades, por mais que arvorem a bandeira da defesa do património e da manutenção da nossa identidade cultural.

     Já são demasiados os casos de vandalismo e de roubo dos nossos valores para se continuar numa atitude de passividade e contemplação, sem desencadear as medidas, para já, mais adequadas, com o objetivo de travar a espiral de empobrecimento do nosso património.

     Numa zona tradicionalmente desfavorecida, o desaparecimento dos elos com o passado histórico e cultural contribuirá, indubitavelmente, para uma maior desertificação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:25


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Contacto:

correio.da.guarda@gmail.com