Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Beat na Montanha: um projeto com sucesso

por Correio da Guarda, em 04.06.23

 

Projeto BEAT na MONTANHA _fot Helder Sequeira .JPG

No Grande Auditório do Teatro Municipal da Guarda decorreu ontem, 3 de junho, o concerto de apresentação do trabalho realizado no âmbito do projeto “Beat na Montanha”. A inclusão social aliada ao estímulo criativo na área da música e da escrita foi a ideia chave deste projeto concebido por Luís Sequeira (B.Riddim) e dirigido a crianças e jovens entre os 6 e os 16 anos.

Este projeto, através da residência artística (organização conjunta de Luís Sequeira do Teatro Municipal da Guarda/Serviços Educativos) que decorreu desde o passado mês de março pretendeu implementar uma fusão sonora de vários instrumentos clássicos com eletrónica, gerando texturas passíveis de uma ligação com textos em prosa e verso; por outro lado, não esqueceu também a exploração de capacidades vocais.

“Beat na Montanha” foi desenvolvido com o envolvimento de crianças e jovens do Centro Escolar de Gonçalo (concelho da Guarda) e da Aldeia S.O.S. da Guarda que tiveram a oportunidade de mostrar as suas capacidades num auditório que encheu para apreciar o trabalho realizado.

Luis Sequeira_BRIDDIM.jpg

“Procurámos que que as crianças/jovens conseguissem tocar algo simples, com diversos instrumentos. Falamos de uma mistura de sons que vão desde jambés, melódicas, maracas, xilofones, a sintetizadores, drum machines, sequenciadores, etc. Ao nível da exploração de alguns vocais foi intenção equacionar o Rap com as bases sonoras desenvolvida, por entendermos que se alcançava assim um vínculo importante. Até pelo facto de muitos jovens terem um acesso fácil ao estilo e ser algo bem recebido entre eles.” Explicou Luís Sequeira que não escondeu a sua satisfação pelo sucesso desta iniciativa.

De referir que paralelamente ao projeto musical esteve a ser filmado, pela realizadora Fabiana Tavares, o documentário oficial de "Beat na Montanha".

“Com o documentário pretendo retratar esta odisseia musical que se debruça na inclusão social através da criação de música. Retrato este feito através do acompanhamento das aulas de Beat Na Montanha, de forma a captar o processo e sua evolução”, referiu Fabiana Tavares.

Fabiana Tavares.jpg

“Em todo o caso – acrescenta a realizadora – o documentário Beat na Montanha é muito mais que isso, mais que as aulas de música, debruçando-se também em conversas/entrevistas de cada pessoa envolvida no projeto direta ou indiretamente, as suas perspetivas e o que as inspira, com o intuito de dar voz à inclusão, integração, humanidade, bem como à música e à criação em cidades como esta.”

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:43

Um projeto de inclusão social e estímulo criativo

por Correio da Guarda, em 26.05.23

 

A inclusão social aliada ao estímulo criativo na área da música e da escrita é a ideia chave do projeto “Beat na Montanha”, concebido por Luís Sequeira (B.Riddim), dirigido a crianças e jovens entre os 6 e os 16 anos.

Um projeto que, através da residência artística (organização conjunta de Luís Sequeira do Teatro Municipal da Guarda/Serviços Educativos) está a decorrer desde o passado mês de março e culminará com um concerto de apresentação no Grande Auditório do TMG, no próximo dia 3 de junho, pelas 21h30.

O projeto pretende implementar uma fusão sonora de vários instrumentos clássicos com eletrónica, gerando texturas passíveis de uma ligação com textos em prosa e verso; por outro lado, não esqueceu também a exploração de capacidades vocais. “Beat na Montanha” está a ser desenvolvido com o envolvimento de crianças e jovens do Centro Escolar de Gonçalo (concelho da Guarda) e da Aldeia S.O.S. da Guarda.

Procurámos que que as crianças/jovens conseguissem tocar algo simples, com diversos instrumentos. Falamos de uma mistura de sons que vão desde jambés, melódicas, maracas, xilofones, a sintetizadores, drum machines, sequenciadores, etc. Ao nível da exploração de alguns vocais foi intenção equacionar o Rap com as bases sonoras desenvolvida, por entendermos que se alcançava assim um vínculo importante. Até pelo facto de muitos jovens terem um acesso fácil ao estilo e ser algo bem recebido entre eles.” Explicou Luís Sequeira.

De referir que paralelamente ao projeto musical em curso está a ser filmado, pela realizadora Fabiana Tavares, o documentário oficial de "Beat na Montanha". “Com o documentário pretendo retratar esta odisseia musical que se debruça na inclusão social através da criação de música. Retrato este feito através do acompanhamento das aulas de Beat Na Montanha, de forma a captar o processo e sua evolução”, referiu Fabiana Tavares

Em todo o caso – acrescenta a realizadora – o documentário Beat na Montanha é muito mais que isso, mais que as aulas de música, debruçando-se também em conversas/entrevistas de cada pessoa envolvida no projeto direta ou indiretamente, as suas perspetivas e o que as inspira, com o intuito de dar voz à inclusão, integração, humanidade, bem como à música e à criação em cidades como esta.”

Em Gonçalo, uma freguesia do município da Guarda que fica a cerca de 22 km da cidade, o centro escolar conta com 27 crianças com alguma diversidade de nacionalidades e culturas; são alunos dos 6 aos 9 anos habituados a atividades extracurriculares como o teatro, escrita criativa ou a cestaria. Aliás, o vínculo que se pretendeu fazer com o projeto Beat na Montanha passa, precisamente, pela atividade da cestaria, criando uma ligação entre os artesãos da zona e esta ideia desenvolvida pelo guardense Luís Sequeira.

Pretendeu-se, com isso, conceber uma série de instrumentos feitos em vime para replicar alguns sons que vão ser usados nas músicas a serem apresentadas no espetáculo preparado para o encerramento desta atividade. Na Aldeia SOS, na Guarda, o projeto está a envolver crianças/jovens dos 9 a uma idade já adulta, que aderiram “de forma fantástica ao projeto”, disse Luís Sequeira.

No primeiro mês de trabalho “tivemos um leque de ritmos criados com os intervenientes. A intenção foi criar o gosto e deixá-los mais confortáveis com o equipamento usado. Este trabalho foi desenvolvido dentro de cada instituição.” Acrescentou o mentor do Beat na Montanha.

Uma das atividades .JPG

Nas últimas semanas, o trabalho da residência artística tem sido orientado no sentido de estimular a improvisação por parte das crianças, “retendo ideias para serem exploradas nas músicas a incluir no espetáculo de encerramento, absorvendo os estímulos rítmicos de cada um e conseguindo compreender quem conseguiu manter uma boa sincronia com o seu todo”, disse ainda Luís Sequeira.

O encerramento desta residência artística ocorrerá, como atrás se disse, com um espetáculo a ter lugar no Grande Auditório do TMG, dia 3 de junho, pelas 21h30. A entrada é gratuita, mediante levantamento prévio do bilhete no Teatro Municipal da Guarda.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

Rewind It: canal cultural com vertente underground

por Correio da Guarda, em 14.01.18

 

Rewind It - Rádio.jpg

 

     “Rewind It deixou de ser um programa semanal e passou a ser um canal cultural direcionado numa vertente inteiramente underground que em breve terá transmissão contínua e mais surpresas por o meio”. A afirmação é de Luís Sequeira (que adotou nome artístico de B.Riddim), produtor/compositor e MC nascido na Guarda, e foi feita a propósito da evolução de um projeto radiofónico que iniciou há cinco anos atrás.

    Rewind It surgiu em Novembro de 2013 mas ideia germinava há mais tempo, como nos referiu Luís Sequeira que materializou o projeto após um convite da Rádio Altitude.

    “Sediado em Londres, o programa sempre teve o intuito de dar a conhecer essencialmente nomes nacionais através de entrevistas e Dj/Live Sets. Com o tempo tornou-se uma espécie de porto de abrigo para alguns nomes, caso de Diogo, Pedro Arruda, Eskerda e Techtouch entre outros, onde se começou a preparar o futuro. Sessões com um Line Up diversificado, curadoria de Labels/Promotores convidados. Tentar levar algo às pessoas que têm dificuldade em sair ou porque não podem ou porque não querem. Quando digo "preparar o futuro" significa que o objetivo sempre passou por tornar Rewind It uma editora mas antes disso criar eventos e conseguir unir um rooster sólido de forma a nos apresentarmos com maior coerência e consistência”.

   Um processo gradual, empenhado num contínua afirmação e crescimento, sem esquecer que a expansão não seria, de imediato, global “porque as redes sociais têm hoje em dia um impacto crucial no desenvolvimento de um nome ou marca e nesse contexto há muito a fazer.” Reconhece autor deste projeto.

    Para Luís Sequeira, “o feedback sempre foi positivo e muita gente tem demonstrado respeito e apreço por aquilo que se tem feito. Ao mesmo tempo verificámos que é fácil falar e difícil concretizar; neste contexto não posso deixar de lembrar que as pessoas viram as costas muito facilmente quando há obstáculos. Tenho a sorte de contar com uma equipa que acredita neste projeto e, gradualmente, tudo vai ganhando uma melhor definição e solidez”.

   Entretanto a criação do projeto Guarda Records, liderado igualmente por Luís Sequeira, cruza-se com Rewind It, associando o nome da cidade mais alta de Portugal. “Na verdade, como B.Riddim, a única coisa que acaba por estar mais interligada é o facto de ser um dos raros espaços onde faço Dj Sets. Recebo muita música, algumas coisas acho que devem ser partilhadas e foi como uma forma de não deixar isso ganhar pó; criei o projeto e fui host do show durante anos até conseguir ter as ideias mais organizadas.

   Tudo isso fez sentido quando comecei com os eventos em Londres. Inicialmente, com uma parceria com H30H, da  30porumalinha, foi criado Be Kind Rewind. Depois avancei sozinho, acabando por conhecer duas pessoas que são cruciais para isto ter mais cor: Sam Kirton e Angie Newton; juntos começámos a delinear um novo plano”, esclareceu Luís Sequeira.

    Assim, acrescentou, “criou-se uma editora que na prática surgia mais como um coletivo apoiando várias vertentes artísticas em Londres. Honrando as minhas raízes, foram eles que decidiram o nome. Toda a imagem é fruto do trabalho da Angie. O Sam é um ótimo programador e está responsável pela criação da plataforma de Rewind It na web e a App que já está disponível para Android e IOS.

   A finalidade é editar nomes que temos em mente mas neste momento, investir e unir forças em prol de Rewind It porque sentimos que pode ser um canal que permitirá, a muita gente, expor ideias e projetos.”

   De referir que a plataforma de Rewind It está aberta ao público, em geral, mediante um registo, permitindo o acesso a conteúdos exclusivos  e a determinadas ferramentas que vão ser de grande utilidade no âmbito artístico.  “Não nos circunscrevemos apenas à música apesar de ser a nossa primeira aparência”, esclarece Luís Sequeira.

    Questionado se  Guarda Records vai dar uma nova amplitude ao Rewind it este jovem guardense disse-nos que “para além do esforço do Sam e da Angie, isto permitiu-me focar em desenvolver novas ideias e incluir mais gente nesta família. Lacroixx entrou, Skalator também, Diogo permaneceu com uma residência mensal fazendo a linha entre Norte América e Europa. Eskerda deixou a sua rubrica como Dj Left mas seguiu numa vertente mais sua. Pedro Arruda está também aí! A família continua a crescer com Lorac, Nicson, Matt Wills, Jason Hogans, Genetically Modified Beats e Lynx Tungur, entre outros; gente da América Latina, Norte da América, Europa e África”.

    Luís Sequeira manifesta a sua convicção de que haverá uma evolução contínua ao nível de web “o que vai proporcionar maior dinâmica e melhor interação entre os colaboradores tendo em conta que muita gente nem se conhece pessoalmente. No futuro esperamos juntar todas estas caras! Quem sabe num mini-festival ou algo assim. O presente é o que conta e sabemos que estamos no caminho certo. Rewind It deixou de ser um programa semanal e passou a ser um canal cultural direcionado numa vertente inteiramente underground que em breve terá transmissão contínua e mais surpresas pelo meio.”

    Luis Sequeira nasceu na Guarda onde estudou e residiu (aqui impulsionou o projeto G-Ward) até iniciar, em Madrid, a sua formação na área de engenharia de som. A capital espanhola foi, aliás, o ponto de partida para novos rumos. A sua experiência passa, além de Portugal, por países como Espanha, Canadá, México e Reino Unido.

    "(In)Theory", "Magic My Ear" e “Bubble Clocks" são os vinis que tem já editados, com selo da editora londrina Third-Ear.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01

Vinil...

por Correio da Guarda, em 31.01.16

Novo BRIDDIM -.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:47

B.Riddim hoje no TMG

por Correio da Guarda, em 29.01.16

    

     No espetáculo a realizar no auditório do Teatro Municipal da Guarda (TMG) vai ser apresentado hoje, pelas 21h30, o último trabalho de Luís Sequeira, conhecido no universo musical pelo nome artístico de B.Riddim.

    “Bubble Clocks" é o seu terceiro vinil, sucedendo a "(In)Theory" e "Magic My Ear", uma vez mais com selo da editora londrina Third-Ear. O anterior EP contou com o apoio de Pearson Sound, Ellen Allien, Emika ou Benji B e este seu último trabalho já teve especial destaque, por exemplo, na Deep House Amsterdam, revista dedicada à música electrónica, para a qual gravou um Live Set exclusivo, disponível em podcast.

B.RIDDIM - 1.jpg

     B.Riddim continua “a mostrar o seu talento e linhagem musical, num brilhante EP baseado na sua imagem de marca: tridimensionalidade no "beat" com uma linha de baixo bem rica e demarcada em torno de synths com uma sonoridade intrínseca e autêntica.”

   Evidenciado por destacados artistas internacionais, “Bubble Clocks" tem como ponto alto "Talking Proud", tema construído em torno de “uma das melhores vozes de sempre do universo jazz: Nina Simone."

    Luis Sequeira (B.Riddim), produtor/compositor e MC, nasceu na Guarda onde estudou e residiu (aqui impulsionou o projeto G-Ward) até iniciar, em Madrid, a sua formação na área de engenharia de som. A capital espanhola foi, aliás, o ponto de partida para novos rumos. A sua experiência passa, além de Portugal, por países como Espanha, Canadá, México e Reino Unido, onde reside.

    Os bilhetes para o espetáculo de hoje, no TMG, podem ser comprados aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:10

B.Riddim apresenta novo trabalho no TMG

por Correio da Guarda, em 24.01.16

briddim_press1 (1).jpg

     No auditório do Teatro Municipal da Guarda (TMG) vai ser apresentado no próximo dia 29 de Janeiro, pelas 21h30, o último trabalho de Luís Sequeira, conhecido no universo musical pelo nome artístico de B.Riddim.

    “Bubble Clocks" é o seu terceiro vinil, sucedendo a "(In)Theory" e "Magic My Ear", uma vez mais com selo da editora londrina Third-Ear. O anterior EP contou com o apoio de Pearson Sound, Ellen Allien, Emika ou Benji B e este seu último trabalho já teve especial destaque, por exemplo, na Deep House Amsterdam, revista dedicada à música electrónica, para a qual gravou um Live Set exclusivo, disponível em podcast.

    B.Riddim continua “a mostrar o seu talento e linhagem musical, num brilhante EP baseado na sua imagem de marca: tridimensionalidade no "beat" com uma linha de baixo bem rica e demarcada em torno de synths com uma sonoridade intrínseca e autêntica.”

    Evidenciado por destacados artistas internacionais, “Bubble Clocks" tem como ponto alto "Talking Proud", tema construído em torno de “uma das melhores vozes de sempre do universo jazz: Nina Simone."

   Luis Sequeira (B.Riddim), produtor/compositor e MC, nasceu na Guarda onde estudou e residiu (aqui impulsionou o projeto G-Ward) até iniciar, em Madrid, a sua formação na área de engenharia de som. A capital espanhola foi, aliás, o ponto de partida para novos rumos. A sua experiência passa, além de Portugal, por países como Espanha, Canadá, México e Reino Unido, onde reside.

   Atualmente, e para além da música, Luís Sequeira está também ligado à atividade radiofónica (relação que vem já desde a infância), produzindo, semanalmente (a partir de Londres para a Rádio Altitude) o programa Rewind It.

    Os bilhetes para o espetáculo do próximo dia 29, sexta-feira, podem ser comprados aqui.

    www.briddim.com

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:20

Rewind it

por Correio da Guarda, em 20.11.14

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01

B. Riddim editou novo trabalho

por Correio da Guarda, em 02.08.14

 

     “Magic My Ear” é o mais recente trabalho de B. Riddim e o segundo EP editado com a chancela da Third-Ear (Londres). Recorde-se que esta editora londrina editou em 2012 o vinil “(In)Theory”, deste artista, um disco alvo de elogiosas referências por parte da crítica.

    B.Riddim é Luis Sequeira (natural da Guarda), residente em Londres.

    “Conhecido pela sua influência no projecto de Hip-Hop/ Rap G-Ward, aparecendo como Bellatur, Luis seguiu a sua paixão pela cultura da Jamaica, mais concretamente o Dub, utilizando diversos elementos electrónicos que chegam a identificar-se mas que no seu conjunto soa original e único. Música deste cariz espera-se encontrar proveniente de Bristol, derivado da sua história musical”. Refere a nota informativa distribuída pela Third-Ear.

     De acordo com aquela editora de Londres, “o ritmo 4/4 tem maior ênfase neste trabalho que no EP anterior “(In)Theory” mas em geral é uma inércia contínua numa disputa entre o baixo e batida resultando num “groove” e num fluxo de melodias old-school/rave e arpégios.”

    O Dub e a sua sensibilidade psicadélica são os protagonistas de “Transformed Love” e “Magic My Ear”, temas de duas das faixas deste recente vinil de B. Riddim.

    “Noutro sentido, com particular influência das tendências acid house onde se mistura com imponentes baixos e um vaivém de batidas em “Dropping Your Soul”. Em “Left Side”, o grave do som oscila com uma subtileza e energia de flutuação sonora muito própria”, acrescenta a informação da Third-Ear.

    Para B.Riddim, este EP acaba por fazer mais sentido, “tendo em conta que é a linha actual de som” que tem “vindo apresentar ao vivo com uma conotação muito mais “Clubbing”.

    De acordo com as suas palavras, permite-lhe “entrar em vários universos musicais” dos quais tem tido “grande influência, e direccionar tudo isso numa vertente mais “dançável” e menos experimental. Tal como o anterior EP, os temas já têm alguns anos porém emanam a energia desejada e a dose mais que recomendada de graves.”

     B. Riddim acrescenta que continua a ter elementos muito característicos” na sua “sonoridade com toda a linha mais acid/psicadélica, linhas de baixo bem conotadas ao dub e uma tridimensionalidade sonora que se expande por caminhos por vezes muito experimentais.”

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13

Rewind It Radio

por Correio da Guarda, em 05.06.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08

Cine Concerto na Guarda

por Correio da Guarda, em 29.11.13


     Amanhã, dia 30, estreia o Cine Concerto 5 – Trilogia de curtas-metragens com música ao vivo, no Teatro Municipal da Guarda, a partir das 21h30. 

     “Le Voyage dans la Lune” de George Méliès será musicada ao vivo por Pedro Ospin.

     “The Scarecrow” de Buster Keaton terá música de Tiago Pereira.

     “The Cabinet of Jan Svankmajer” dos Irmãos Quay terá a paisagem sonora de B. Riddim.

    



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:43


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Contacto:

correio.da.guarda@gmail.com