Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Na impressão das memórias...

por Correio da Guarda, em 29.08.15

 

     O distrito da Guarda, para além de pioneiro, foi rico em títulos de imprensa local e de muitos outros, acumulando um valioso património em termos de equipamentos gráficos. Como tem acontecido noutras áreas, o esquecimento atingiu as velhas peças das antigas tipografias, elementos primordiais para o conhecimento da evolução operada no sector gráfico.

     Na Guarda existem, por enquanto, testemunhos desse percurso, de uma época em que as máquinas de impressão não tinham o auxílio da energia elétrica, a composição era manual e as zincogravuras eram indispensáveis para ilustração dos textos.

     Aqui nestas colunas, tivemos já a oportunidade de falar (há alguns anos atrás) da Tipografia “Beira Serra”, em pleno centro da cidade, onde era (porque encerrou, entretanto) possível o reencontro com o passado desta atividade. As origens desta casa de artes gráficas parecem remontar à primeira década do século XX, a uma modesta oficina que existiu na Rua D. Sancho I (em pleno centro histórico). Após algumas mudanças de titularidade, e já na década de quarenta, a então proprietária vendeu a tipografia que, com a morte do novo proprietário, foi adquirida por Virgínia Guedes Ribeiro para seus filhos, Emídio e Francisco Guedes Ribeiro. Com a aquisição de uma nova máquina, automática (marca Frontex), tornou-se necessário um espaço com outras condições, pelo que, em meados da década de cinquenta, a tipografia passou a funcionar na Rua Nuno Álvares, a escassos metros do Lactário Dr. Proença. Este é um exemplo, entre outros, de espaços onde a mestria se aliava à intensa salvaguarda de palavras e a uma multiplicidade de trabalhos gráficos.

     Nessa tipografia, para além do equipamento de impressão existe/existia uma antiga guilhotina manual; uma peça rara, pois a generalidade das guilhotinas são elétricas. Encerra, ainda, outro valioso património, do ponto de vista documental e técnico, como sejam as zincogravuras; estas – que permitiam a inserção de fotos ou ilustrações nos trabalhos impressos – eram feitas em zinco, suportado numa base em madeira. Junto a uma das paredes da velha oficina estava o antigo cavalete, ou seja o móvel que guarda as caixas tipográficas (feitas em madeira e dispostas em plano inclinado) e no qual era desenvolvido uma grade parte do trabalho do profissional de tipografia; nelas estão, devidamente compartimentados e organizados (em divisões, caixotins), os tipos, nome que se atribui a todos os caracteres (a forma que se dá à letra) de chumbo.

     Na atualidade a composição manual é um labor raro; compor um trabalho consistia em alinhar os caracteres tipográficos de modo a formar palavras e linhas, de acordo com aquilo que estava no original.

     O quotidiano guardense tem passado ao lado de uma riqueza patrimonial e afetiva que corre o risco de se perder irremediavelmente, face à marcha célere do progresso, da evolução da técnica, do redimensionamento dos mercados ou das novas exigências empresariais e comerciais. Tem havido mesmo quem considere (certamente por inconsciência ou ignorância...) que o material das antigas tipografias não merece outro destino que não seja o lixo...

     Através do velho cavalete das antigas tipografias abrem-se múltiplas memórias que é preciso compor, com os tipos do presente, alinhados em mensagens claras sobre este património valioso, a exigir um justo enquadramento museológico. A zona de abrangência de uma instituição dirigida ao sector em referência poderia ir muito além das fronteiras do distrito da Guarda.

     A Guarda ficaria, indubitavelmente, enriquecida e faria justiça a um sector (bastaria evocar os títulos de imprensa local que aqui foram editados) que tanto contribuiu para a sua promoção e divulgação.

(In O Interior, 20/8/2015)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:20


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com



Google +