Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sandra Esteves: o “Alta Voltagem” foi inovador

por Correio da Guarda, em 21.11.21

 

Sandra Esteves - 3 - RA1990.jpg

Sandra Esteves nasceu em Lisboa, no ano de 1971, mas com seis meses foi viver para Vila Nova de Foz Côa com os seus pais. “O facto de eles serem de uma aldeia perto, e terem um café muito conhecido, fez com que, para mim, fosse fácil comunicar. Fui sempre muito destemida e de arregaçar as mangas no que toca a trabalho e de ajudar no que fosse preciso”. Afirmou ao CORREIO DA GUARDA.

Desde a sua infância que a música a acompanhou, bem como ao grupo de amigos. “Como as redes sociais não existiam, muito menos telemóveis, os tempos livres na infância e adolescência, para além de ajudar os meus pais e de estudar, eram passados a brincar na rua, ensaios de teatro, grupo coral, grupo de jovens e de dança.”

Em 1990, com 18 anos, vem estudar para o Politécnico da Guarda. Nesse mesmo ano, um dos seus sonhos “torna-se realidade com entrada para a Rádio Altitude, conciliando o trabalho radiofónico (em part time), com os estudos, o qual mantive até terminar o curso superior.”

Em 2001 por razões de ordem professional foi viver para Aveiro, onde reside.

 

 O que é feito de si? O que faz atualmente

Trabalho na minha área de formação académica (Secretariado de Administração)

 

 Que comparação ou diferenças acentua entre a Guarda e a cidade onde vive atualmente?

Embora sejam ambas as cidades capitais de distrito, não são cidades muito grandes, o que para mim é bom. A cidade da Guarda é uma cidade do interior com menos população. A cidade de Aveiro tem mais população e mais desenvolvimento e devido à proximidade com o mar, potencializa uma maior procura de turismo e oferta de mais oportunidades de trabalho.

 

A sua vida cruza-se com a Rádio. Como entrou para o mundo da rádio?

Em 1990, com 18 anos e com a entrada para o ensino superior (Instituto Politécnico da Guarda). O meu interesse pela rádio e por música, já vem desde a minha infância. A rádio sempre exerceu sobre mim um grande fascínio, até porque falava na minha Região. O facto de puder trabalhar, ganhar experiência radiofónica enquanto estudante e conhecer pessoas novas, foi muito importante naquela fase da minha vida. A minha entrada na Rádio mais concretamente na Rádio Altitude FM, acontece através de um anúncio onde procuravam vozes e colaboradores novos para a nova grelha de programação da rádio. Fiz alguns testes e fui selecionada.

Nesse ano, sob a direcção do António Adriano Arede, formámos uma grande equipa de jovens animadores de emissão e jornalistas, maioritariamente estudantes.

 

RA 1991 - Sandra Esteves .jpg

Alguma vez tinha pensado fazer rádio?

Sim. Na verdade era um dos meus objetivos.

 

 O que mais a entusiasmou?

Primeiro, o facto de poder trabalhar na rádio que sempre ouvi graças aos meus pais, uma vez que em Vila Nova de Foz-Côa e no distrito da Guarda a Rádio Altitude era a rádio local mais ouvida, e também pela curiosidade de ter uma experiência no mundo da rádio.

 O facto de poder ter um programa de música, e comunicar com os ouvintes assíduos da região foram muito importantespara mim. Lembro-me que, na altura, sendo a Rádio Altitude uma rádio local, foi tendo fases menos boas, principalmente a nível financeiro. E toda a equipa de colaboradores e profissionais, todos, sem exceção vestíamos a camisola. Eramos um grupo muito unido, a dar o nosso melhor para todos os ouvintes.

Sandra Esteves - 1.jpg

Quais os programas que mais gostou de fazer?

Gostei de todos os programas que fiz, mas o programa que mais me marcou pela positiva foi o “Alta Voltagem”, um programa de segunda a sexta-feira, com duração de uma hora, onde o estilo musical se diferenciava no contexto da programação das rádios locais da época e quebrava um pouco as regras numa programação mais tradicional. Basicamente passava música dos anos 70, 80 e 90 no estilo rock, Heavy Metal, pop Rock, Grunge e Rock Alternativo. Era um programa com o qual eu me identificava muito.

A década de 90 na cidade da Guarda, de uma forma geral, foi a melhor. Havia muitos estudantes na cidade vindos de todo o país, e posso dizer que uma grande percentagem ouvia o meu programa, o que me deixava muito feliz

Sandra Esteves - 2.jpg

 Como era o ambiente de trabalho? E que colegas recorda?

Os meus tempos de rádio foram sem dúvida, os melhores da minha vida. Fiz amizades que ainda hoje, ao fim de 31 anos, perduram. Foram 11 anos numa rádio com altos e baixos, mas sempre unidos.

Lembro-me que, na altura, sendo a Rádio Altitude uma rádio local, foi tendo fases menos boas, principalmente a nível financeiro. E toda a equipa de colaboradores, animadores de emissão e profissionais, todos, sem exceção vestíamos a camisola.

Éramos um grupo muito unido, a dar o nosso melhor diariamente, que tal como eu, “vestiam a camisola” para levar da melhor maneira a música e as noticias da região, a todos os ouvintes.

Recordo com muita estima e saudade muitos dos colegas e amigos: O grande senhor e profissional Emílio Aragonês, António Adriano Arede, Rosa Diogo, Teresa Gonçalves, Goreti Figueiredo, Carmina Andrade, Célia Miragaia, António Sá Rodrigues, Mário Sequeira, Paulo Coelho, Antunes Ferreira, Olga Ferreira, Francisco Carvalho, Gabriel Correia, Joaquim Martins, António Martinho, Cristina Ferreira, Carlos Gomes, Ismael Marcos, Paula Pinto, Madalena Ferreira, Sandra Ferreira, Barata, Rui Pedro, Carlos Martins, Valdemar Guimarães, José Carlos Monsanto, Rui Fazenda, João Neves , Horácio Antunes, Albino Bárbara, Eduardo Matas e o Dr. Helder Sequeira, a quem eu deixo desde já, um agradecimento muito especial pelo convite para esta entrevista, e por ter sido um excelente Diretor da Rádio Altitude, amigo e profissional nos meus tempos de rádio.

Sandra Esteves - 5 .jpg

 Estudou na Guarda. O que significaram esses anos nesta cidade?

Tenho muito boas recordações, que guardo com muita saudade. Os melhores anos de sempre.

Sandra Esteves - RA- Rally 1991 - .jpg

 O que diferencia a Guarda de outras cidades?

Na Guarda, sendo uma cidade que não tem uma dimensão muito grande, acabamos por nos sentir acolhidos, para além da proximidade da terra dos meus pais.

 

 E o que falta na Guarda?

A meu ver, a falta de oportunidades de trabalho e de mais promoção do turismo da região.

 

11 - Continua a acompanhar o que se passa na Guarda?

Sim.

 

 Depois de sair da Guarda voltou a fazer rádio?

Sim. Tive a oportunidade de fazer uma experiência numa rádio online, uma maneira diferente de fazer rádio, mas da qual gostei muito.

 

Como vê hoje a sua terra natal? O que poderia ser feito para uma maior projeção?

Infelizmente sendo uma localidade do interior carecem as oportunidades de trabalho, provocando inevitavelmente a emigração e a saída dos jovens do concelho para continuarem os estudos universitários, como foi o meu caso.

Para uma maior projeção deveriam ser criados programas de incentivo à natalidade, procurar cativar investimento exterior por forma a evitar a emigração para outros países e criar condições económico sociais para reter as populações mais jovens.

O município deveria apostar em empresas que criem estímulos fortes ao emprego.

 

Tem algum projeto ou atividade que gostasse de implementar?

Sim. A breve prazo voltar a fazer rádio, nomeadamente um programa musical da minha autoria.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:02

João Neves: a Rádio não tem limites

por Correio da Guarda, em 27.10.21

 

 

João Neves é uma voz da rádio, com quem se relacionou bem cedo. Competente, trabalhador, cordial e discreto, João Neves sustenta que a “rádio não tem limites” e fala dela sempre com o entusiasmo dos primeiros tempos.

Natural do Porto, onde nasceu em setembro de 1962, João Crisóstomo das Neves veio ainda muito novo para a Mêda (onde tinha família), vivendo mais tarde em Trancoso e posteriormente na Guarda, onde reside. “Comecei por frequentar a segunda classe do ensino primário, na escola do Espírito Santo. Prossegui cá os estudos até ao secundário, começando logo a trabalhar. Mais tarde retomei a aprendizagem, tirando vários cursos profissionais, jornalismo escrito, e jornalismo de rádio, que me conduziram à profissão que tive; animador de emissão (locutor)”. Disse João Neves ao CORREIO DA GUARDA.

Para o nosso interlocutor de hoje, “a Rádio não deve ser o que as pessoas querem, antes o que nós queremos dar às pessoas. É assim que se “educam” os ouvintes. Se não lhes oferecermos programas de qualidade, elas cingir-se-ão apenas ao que se lhes propõe! Se for bom, tanto melhor.” Tem também, para além da rádio, outros gostos que nos revela. “Gosto de fotografia, automóveis antigos, música, conduzir, conviver com os amigos, e passar o maior tempo possível junto da família (o meu bem mais precioso). Gosto também de me manter anónimo quanto baste”.

JOÃO NEVES - 1.jpg

 

Quem é o João Neves?

Não sou eu que devo falar de mim. Essa pergunta seria mais bem dirigida a uma terceira pessoa. Atrever-me-ia a redirecionar-lhe a pergunta a si! Quem é o João Neves?

Considero-me um cidadão comum, com defeitos e virtudes. Sério, honesto, justo e apaixonado pela família. Detesto conflitos. Sou muito pacato e não gosto de vedetismo.

 

É um reconhecido apreciador de música. Quando começou a manifestar esse gosto? Houve alguma influência familiar?

O meu gosto pela música, começou era ainda criança.

Venho de uma família de classe média. A minha mãe era telefonista, e o meu pai radiotécnico. Frequentava ainda a instrução primária, quando, num Natal o papá me deu um rádio. Pequenino, vermelho com detalhes dourados, e que era também mealheiro, com chave e tudo! Creio que foi a partir desse dia, que o gosto de ouvir música nasceu. Foi, de facto, o meu pai que me “mostrou” a música.

 

Recorda-se dos seus primeiros vinis? Quais eram os cantores ou grupos preferidos?

Eram muito variados. Ainda hoje escuto os meus primeiros LPs oferecidos pelo meu pai, eram também os que ele escutava. Pink Floyd, The Doors, Led Zeppelin, Rolling Stones, Bob Marley, Genesis, Yes, a música eletrónica dos Tangerine Dream, Kraftwerk, Klaus Schulze, Vangelis, e o incomparável Andreas Vollenweider, que faziam “viajar” um solitário introvertido (o que eu era).

Tantos, tantos outros, que se tornaria enfadonho enumerar aqui.

 

João Neves 8 .jpg

 

Ainda conserva os seus primeiros vinis? E cassettes?

Com certeza! Jamais me separarei deles, apesar de ter sido “acossado” várias vezes para os vender. E estamos perante grandes quantias que alguns colecionadores estavam dispostos a oferecer!...

Nunca os venderei. É o meu espólio. Pertence aos meus filhos, que também têm um gosto musical bastante apurado.

 

O que representam para si os antigos equipamentos de áudio? Tem algum preferido?

Tal como os discos, também preservo algum do primeiro equipamento. Guardo ainda o meu primeiro gira discos. A funcionar! Um “La Voix De Son Maitre”, pesadíssimo, trazido de França pelo meu pai, e que, no tempo do liceu, levava para as festas de adolescentes.

Depois veio o PE, e mais tarde, depois de vários “upgrades” (como se diz hoje) surge a Grundig. Uma aparelhagem por módulos, completa, com um som potente e límpido. Uma coisa sublime!...

Custou-me o equivalente a um ano de trabalho. Foi importada pelo representante da marca em Portugal. (Apenas pessoas com algum poder financeiro a podiam adquirir – foi um “investimento” enorme para mim).

 

Partilhava os gostos musicais com os seus irmãos?

Sim. Sem dúvida. Até porque na época, eu, como irmão mais velho, já trabalhava e tinha um salário, que acabava por empregar quase na totalidade, em discos e livros.

A minha mãe nunca me exigiu nenhuma “comparticipação” para ajudar nas despesas da casa, apesar se ser apenas ela a trabalhar para sustentar os três filhos e a nossa ama de toda a vida, que vivia connosco, e praticamente nos criou. A mensalidade era toda minha. Assim, nós três ouvíamos juntos a mesma música.

Nunca separámos os discos. Eram NOSSOS! Simples.

Tanto é, que hoje sou eu que tenho comigo todos eles, e os guardo qual tesouro bem preservado.

 

Rádio Antigo.JPG

 

Como surgiu, e quando, a sua ligação com a Rádio?

A minha ligação à Rádio começou muito cedo. Talvez aos 14 anos!

Andava já no ensino secundário, quando o meu pai me ofereceu um gravador de cassetes Philips portátil e um microfone, e muitas cassetes. Eu gravava tudo, mas mesmo tudo o que me parecia importante. Tinha sempre cassettes prontas.

Preservo ainda as gravações (áudio) que fiz da televisão aquando da queda da estação espacial Skylab, há mais de 40 anos, e que tanto alarido provocou na altura. Foi um acontecimento mediático mundial. Anunciava-se até a venda de capacetes para proteção dos eventuais destroços que atingissem a Terra.

E, ainda mais importante para nós portugueses, a notícia em direto da morte do então primeiro-ministro Francisco Sá Carneiro, a 4 de Dezembro de 1980, no trágico acidente de Camarate, como ficou conhecido, e que ainda hoje permanece um “mistério”. Foi arrepiante… depois de interrompida a emissão, fez-se um silêncio e “apagou-se” a imagem na televisão. Coloquei-me em frente ao ecrã, de microfone na mão (como se já soubesse o que iria acontecer!) e comecei a gravar. Foi Freitas do Amaral quem deu a notícia: …”…português… morreu Sá Carneiro…”…

Naquele momento, tive logo a noção de que estava perante um facto histórico, e que tinha na minha posse um verdadeiro “documento” áudio.

Isto para explicar o meu interesse pela comunicação áudio visual e pela informação. Creio que foi nessa altura que comecei a interessar-me verdadeiramente pela Rádio, e pelo poder que ela tinha.

Cerca dos 16 anos, mais coisa menos coisa, fui para a Rádio Altitude, levado pelo amigo Emílio Aragonês, onde desempenhei variadíssimas tarefas, mas bem cedo me colocaram no estúdio a fazer programas em direto. Estava verdadeiramente “No Ar”. Mas só mais tarde tive os meus próprios programas, à noite, que era o meu ambiente.

 

Foi fácil a adaptação ao ambiente da rádio?

Foi. Foi muito fácil para mim, pois eu vinha habituado a “mexer com os aparelhos”. Nunca precisei que ninguém me dissesse como funcionavam, ou para que servia este ou aquele botão. Hoje é completamente diferente. Também já sou mais velho… e nem sempre acompanhei a evolução tecnológica.

 

Quais foram os seus primeiros trabalhos e em que programas?

Como disse, fiz vários programas. Desde os discos pedidos, até “ler” os jornais na antena.

Quando o então presidente da república Mário Soares fez uma presidência aberta pelo distrito da Guarda (1988), eu estive todo o tempo, desde a abertura até ao fecho da estação (Rádio Altitude), em antena. Foi nesses dias que fiz de tudo, incluindo os noticiários, pois que os restantes companheiros jornalistas, seguiam a comitiva em permanência para dar aos ouvintes toda a informação.

Depois tive os meus próprios programas. Fazia as noites na Rádio Altitude, das oito à meia-noite, e foram programas de muita audiência, onde se inclui mais tarde, o famosíssimo “Música Pimba” que eu fiz (durante a primeira hora), não por apreciar esse “tipo” de música (antes pelo contrário), mas por um desafio de um companheiro. Mal imaginava eu o sucesso que viria a ter, com os próprios cantores em estúdio e tudo! Eu era “falado” em todo o lado!

Alem de conversar com os ouvintes, cativava-os com a minha maneira de ser, calmo, atencioso e, obviamente, com a música que os “ensinei” a ouvir. O telefone tocava incessantemente. Sempre utilizei os meus discos. Cheguei a passar música em “exclusivo nacional”, pois costumava comprar muitos discos que mandava importar, muito antes de serem editados por cá. E assim fidelizava os ouvintes, que ouviam o que não estavam habituados a ouvir. E era ali que acontecia.

Tive patrocinadores do programa da noite, que pagavam, não só o meu salário, como ainda geravam receitas publicitárias para a Rádio. Fui o primeiro “avençado” a ter um ordenado fixo por mês. De referir que fui eu quem inaugurou o FM da Rádio Altitude, uma banda de frequência mais “pura” que fazia com que qualquer risco ou “pico” ou até pó que existisse num disco de vinil não passasse despercebido, ao contrário da Onda Média (AM). Daí também a minha preocupação em utilizar apenas os meus discos (sempre muito bem preservados e limpos).

 

João Neves 5 .jpg

 

Teve também programas de que foi responsável. Quais os que gostou mais de produzir?

Como já disse, foram, sem dúvida, os programas da noite. Que aliás mantive, na Rádio F, de que também fui fundador, em 1990. (Era o único animador de emissão no quadro de profissionais).

 

Quais os/as colegas que recordas dessa época?

Recordo todos eles. Todos foram muito importantes na minha formação profissional e pessoal. A todos deverei uma parcela da minha limitada sabedoria, pois a Rádio não tem limites. Auto regenera-se ao longo do tempo. Hoje é completamente diferente do meu tempo. Mas a essência e os princípios do que se deve ou não deve fazer, mantêm-se.

Não destaco nenhum companheiro em especial para evitar esquecer-me de algum. Como disse todos foram importantes para mim. Guardo-os no coração.

 

Como era a relação que se estabelecia com os ouvintes?

Era uma relação óptima e verdadeira. Hoje não é assim!

Estabeleciam-se amizades, algumas que ficaram prá vida. Houve namoricos… e ainda alguns “amargos de boca”!... mas regra geral travavam-se conhecimentos sadios.

Muitas das vezes nem era preciso o contacto físico. As amizades fluíam através da antena…

 

As pessoas identificavam-no no exterior, reconheciam a sua voz?

Eu era um “ilustre desconhecido”.

As pessoas conheciam e “amavam” a minha voz (se assim posso referir-me à minha ferramenta de trabalho). Mas isso era o suficiente para elas. Sabiam que eu estava ali para lhes fazer companhia com a minha música, mas também para ouvir, off record, os seus desabafos e até os seus segredos. Confiavam no locutor como se fosse da família. Chegaram a levar-me o jantar, guloseimas, flores, alguém me fez uma vez uma camisola de lã cinzenta (que eu adorava e usei até deixar de servir) … e por aí em diante.

Mas também houve casos complicados, que se mantiveram vários anos, inclusivamente depois de casar, e que me obrigaram a trocar de número de telefone, por exemplo. Sabiam de cor todos os meus passos e horários, “ameaçaram” suicidar-se, trinta por uma linha! Hoje rio-me daquele tempo louco!

 

Como era feita a seleção musical para os programas que apresentava?

O critério era sempre a qualidade, embora houvesse uma seleção muito variada.

Eu mostrava-me aos ouvintes, como era, através da música. Apesar do meu inglês não ser, nem sequer razoável, o importante para mim, além das palavras, era a melodia.

O som é que me fazia viajar. E era assim que eu gostava de me apresentar a quem me ouvia. Eram passadas muitas “mensagens” para o lado de lá do microfone!

 

Como era a relação entre a Rádio e a Cidade/Região? As pessoas apreciavam a rádio?

Naquela época a Rádio tinha um papel muito importante nas pessoas. Além de informar, era a companhia. Era um ponto de referência. “Ouvi no rádio que…”. “O rádio disse que…”. As pessoas se queriam saber alguma coisa, ligavam o rádio, e telefonavam muito, também a dar “notícias” do que acontecia junto delas, nas suas terras. Não havia ainda telemóveis, nem internet...

 

Tem algum episódio que possa ilustrar essa relação?

Por exemplo um apelo para recolha de donativos, que viriam a ajudar os pais de uma criança a levá-la para Inglaterra, a fim de ser sujeita a um tratamento médico, que não havia cá.

Outro caso em que se tratava de uma família que tinha imensas dificuldades e vivia em condições precárias. Também foi ajudada.
Mas já não me lembro de pormenores, nem isso é importante. O importante era mesmo sentirmo-nos úteis.

Isso era prática corrente na Rádio, sempre que alguém necessitava.

A Rádio desempenhava também um papel social e solidário muito importante.

 

Qual foi a sua experiência mais positiva na rádio? E a mais negativa?

A experiência mais positiva foi poder fazer o que sempre gostei. A música, e o contacto com as pessoas. Mas nunca gostei nem pretendi ser conhecido! Antes reconhecido. Amei muito a Rádio, em devido tempo.

Quanto à questão mais negativa, prefiro, neste momento, não me pronunciar!... (Mas a esta distância, lido pacificamente com a situação!)

 

Tem também feito publicidade, na rádio. Gosta desse trabalho?

Com toda a sinceridade… Não!

É outra etapa da minha vida. Sempre a Rádio, mas agora desempenhando outras funções, pois todos estes anos me deram o “conhecimento de causa”, eu diria!

Estou dentro da Rádio. Sei como funciona. O que se deve ou não fazer. Terminarei a minha carreira nas atuais funções; administrativas e comerciais. (A minha voz, já não é o que era! Hoje não gosto de me ouvir!).

 

A rádio do passado e do presente: diferenças, semelhanças, desafios?

A Rádio evoluiu muito, e está em constante mutação.

Apesar de hoje os ouvintes serem mais exigentes, a rádio é contudo, mais fácil. Tudo é digital.

Hoje com um simples “clique” chega-se a todo o lado, e faz-se praticamente tudo. A tecnologia está ao nosso serviço e disposição.

Tenho para mim que o futuro da rádio passará para as plataformas digitais “online”. Acaba-se o acto de sintonizar o rádio.

 

Hoje é mais fácil o acesso à produção de programas de rádio?

Sem dúvida. Apesar de ser primordial ter, cada vez mais, conteúdos de qualidade. Caso contrário, satisfarão apenas uma imensa minoria.

Sempre fui apologista de que a Rádio não deve ser o que as pessoas querem, antes o que nós queremos dar às pessoas. É assim que se “educam” os ouvintes. Se não lhes oferecermos programas de qualidade, elas cingir-se-ão apenas ao que se lhes propõe! Se for bom, tanto melhor.

 

Acha que a história da Rádio, em Portugal, passa também pela Guarda?

Claro que sim. Até porque é na Guarda que está a rádio local mais antiga de Portugal. Desde 1948. A Rádio Altitude.

 

Os carros, em especial os clássicos, têm merecido a sua atenção e entusiasmo. Teve inclusivamente, uma página sobre “Os Matrícula Preta”. Como surgiu este gosto e o projeto que desenvolveu?

“Os Matrícula Preta” é uma página onde eu e o meu filho João Paulo mostramos as fotos dos carros pré clássicos e clássicos que circulam pelo país com matrículas de fundo preto e numeração branca, e que vamos captando por aí.

O conceito surgiu da junção de dois gostos de família; a fotografia e os automóveis. “Os Matrícula Preta” começaram por ser um blogue, até 2006, tendo depois surgido com uma página no facebook.

Este hobby familiar, uma comunidade em constante crescimento e evolução, conta já com 5162 seguidores, e foi inclusivamente tema em destaque num programa na Rádio Altitude. Todos os veículos presentes são efetivamente fotografados por nós, únicos administradores da página.

O surgimento “oficial” de  “Os Matrícula Preta” no Facebook, a 9 de Outubro de 2011, acabou por rapidamente se revelar um projeto interessante a todo o tipo de públicos e faixas etárias. 

Apesar de estar “adormecido” há cerca de dois anos, por motivos de ordem pessoal, contamos permanecer nesta rede social com a divulgação de mais exemplares. (Temos ainda em arquivo milhares de fotos por publicar, obtidas em vários pontos do país).

João Neves 6 .jpg

Que outras coisas gosta de fazer, nos seus tempos livres?

Além de ouvir música, gosto de ler, navegar na net, (conhecer coisas novas, pesquisar, informar-me, etc.), fotografar e viajar (adoro conduzir – gostava de fazer uma “volta a Portugal com a minha máquina fotográfica”. Hoje muito mais acessível, devido ao digital! Mas esta ideia já tem muitos anos).

 

João Neves 7 .jpg

 

Como vê, hoje, a cidade onde vive?

Vejo a Guarda como sempre vi. Apesar de ter havido alguma evolução ao longo de todos estes anos, para quem cá está, isso não é muito percetível, no imediato. Contudo, hoje vive-se muito melhor. Aqui sim. Temos qualidade de vida!

 

O que desejava para esta cidade e região?

O que seria preciso nesta terra? Talvez indústria, para que as pessoas se fixassem cá. Com isto, o comércio também cresceria.

Pouco mais temos além de serviços.

 

O que representam para si os amigos?

Simples. É preciso tê-los. E saber onde estão quando precisamos deles. (Felizmente tenho alguns!).

João Neves 2 .jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:00

"Ensemble Sonido Extremo" no TMG

por Correio da Guarda, em 10.10.21

 

No âmbito do XV Ciclo de Música Contemporânea da Guarda (Síntese) , o grupo "Ensemble Sonido Extremo" vai atuar no Pequeno Auditório do Teatro Municipal da Guarda (TMG),  dia 13 de outubro, pelas 21h30.

O Ensemble Sonido Extremo é um grupo de músicos comprometidos com a divulgação da cultura e da arte através da música. O grupo define a sua atividade a partir da reflexão sobre as múltiplas linguagens do feito musical que coexistem em nosso tempo. As suas preocupações centram-se também nesta pluralidade, e na combinação de linguagens de diferentes épocas em torno de conceitos ou ideias que unem as obras, propondo um itinerário de escuta.

SONIDOEXTREMO.jpg

Desde a sua criação (2009) actuaram em alguns dos ciclos mais importantes desta área: Ciclo Fundação BBVA em Bilbao, Ciclo CNDM 20/21, Quinzena Musical Donostiarra, Festival de Música Contemporânea Três Cantos, Festival Ensems de Valencia, a Temporada ESM Lisboa, Festival de Música Atual de Badajoz, Xornadas de Santiago de Compostela, Ciclo de Música Contemporânea do Museu Vostell, etc.

Realizaram a estreia absoluta de mais de 60 obras, muitas delas graças ao apoio do CNDM e da Sociedade Filarmónica de Badajoz. As suas propostas de concertos têm ocorrido principalmente em ciclos de divulgação e promoção da música contemporânea, mas propõem também combinações musicais, em que o repertório atual se integra com o repertório de épocas passadas.

 

Fonte: CMG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:01

Festival no Castelo do Sabugal

por Correio da Guarda, em 08.08.21

 

 
No Castelo do Sabugal terá lugar no próximo dia 11 de agosto, pelas 21h30, mais um concerto integrado no Festival Sete Sóis Sete Luas, desta vez com Gwendoline Absalon & Santo Antão 7Sóis Band.
Esta produção original do Festival Sete Sóis Sete Luas conta com a participação de cinco famosos músicos da ilha de Santo Antão. O repertório do grupo defende a tradição musical das montanhas da ilha de Santo Antão, um dos bastiões da cultura de Cabo Verde, através da recolha musical das canções de labor dos camponeses e dos pescadores, utilizando o crioulo, que confere aos temas uma emoção muito especial. Domingos Lima, Rogério Monteiro, Rui Salomão, Roger dos Santos e John D’Brava foram dirigidos pelo mestre italiano Mário Incudine. Este concerto conta ainda com a convidada especial Gwendoline Absalon, uma cantora famosa da ilha francesa da Reunião.

SETES SÓIS.jpg

Atendendo ao atual contexto pandémico, e face às restrições impostas pela Direção-Geral da Saúde, a participação é limitada (sujeita aos lugares disponíveis), com necessidade de reserva através do telefone 271 750 080 (Museu do Sabugal).
O Festival Sete Sóis Sete Luas vai decorrer até setembro, com um programa dedicado à diversidade cultural do mediterrâneo e do mundo lusófono: música, circo acrobático e street art. 
 
 
 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:01

Francisco Carvalho: na Guarda da Rádio

por Correio da Guarda, em 30.06.21

 

 

Em 1973 Francisco Carvalho entrou para a Rádio Altitude (RA) e, desde então, tornou-se uma voz inconfundível da atividade radiofónica construída a partir da mais alta cidade de Portugal.

Juntamente com Luís Celínio, produziu a partir desse ano o programa “Escape Livre” o programa de com mais longevidade em Portugal. Francisco Carvalho entrou para os quadros da Rádio Altitude em 1978, “primeiro como animador de emissão e depois como jornalista”.

Saiu da RA 1990, “para integrar a equipa fundadora da Rádio F”, onde trabalhou quatro anos, após o que ocorreu o regresso à Rádio Altitude, onde esteve até há algumas semanas atrás.

Iniciado que está um novo ciclo na sua vida, não vai por de parte a sua voz, num tempo onde cabe também espaço para a escrita e memórias, como disse ao CORREIO DA GUARDA.

Sobre a cidade onde continua a residir, Francisco Carvalho considera que é preciso “menos invejas e mais gente empreendedora”, acrescentando que, na região, “houve uma evolução desorganizada. Tem faltado planeamento e visão de futuro. Diria que na grande maioria dos casos falta aos autarcas preparação adequada para o exercício dos cargos.”

F carvalho 2.jpg

Como e quando ocorreu a tua entrada para a rádio?

Como profissional aconteceu por mero acaso.

Tinha regressado de Lisboa, onde estudei no ISLA, e na altura dava aulas de geografia na Escola Secundária Afonso de Albuquerque quando fui convidado para fazer algumas horas de locução, como se dizia na altura.

Comecei, naturalmente, pelos discos pedidos que naquela altura preenchiam grande parte da programação.

Depois fui passando aos poucos para a informação e para os noticiários regionais.

 

Que nomes recordas dessa época?

Alguns dos que me convidaram e incentivaram na altura.

Antunes Ferreira, Emílio Aragonez, Luís Coutinho, Virgílio Ardérius, Luís Coito e José Domingos, entre outros.

Francisco Carvalho - 1984.jpg

Na Redação da Rádio Altitude, com Emílio Aragonez, início da década de oitenta

 

Nessa época o que havia de diferente na programação da(s) rádio(os)?

Era tudo muito diferente!

A informação era de certa forma “artesanal", feita sobretudo por colaboradores que iam à rádio algumas horas por dia fazer os noticiários e o resto da programação que era, em maioria, preenchida com discos pedidos.

Lembro que naquela época (década de 70) ainda não tinha acontecido o “boom" das rádios locais e não havia jornalistas profissionais no mercado – nem sequer possibilidade de os contratar porque o quadro da rádio só comportava três profissionais: o encarregado-geral, um locutor e um administrativo).

Hoje há mais gente profissional, mais rigor e o telefone foi substituído pelo computador.

 

Que música ou músicas estiveram/estão na tua preferência?

Pink Floyd, Genesis, Queen, Bruce Springsteen John Legend, Joe Cocker, Alicia Keyes, entre outros.

Por muitos motivos – e não apenas pela música – valeu a pena ter vivido intensamente os anos 80. Nunca mais haverá uma década assim (digo eu !!)

Edifício da Rádio Altitude -1982.jpg

Continuas a ouvir mais música ou notícias?

Música de vez em quando. Notícias sempre.

 

Quando começou a tua ligação ao jornalismo?

Como já disse, fui incentivado por alguns colegas mais velhos que na altura faziam a informação regional.

Aos poucos fui deixando a música e comecei a escrever e a apresentar noticiários

 

Qual foi notícia sobre a cidade que mais prazer te deu em transmitires aos ouvintes? E a pior?

No primeiro caso talvez tenha sido o anúncio da presidência aberta de Mário Soares na Guarda – que tive oportunidade de entrevistar em Belém, juntamente com o António José Teixeira.

Achei que poderia ser uma grande oportunidade para a Guarda começar a aparecer no mapa com o mediatismo de uma visita presidencial de vários dias.

As piores notícias tiveram naturalmente a ver com a morte de pessoas.

Por dever de ofício acorri a vários acidentes no antigo IP5 e cada vez que lá fui raramente trouxe boas histórias para contar. Tantas mortes que podiam ter sido evitadas se tivessem construído logo a auto estrada!

O grande acidente ferroviário de Alcafache (Mangualde) que cobri também a nível nacional (RR), com a ajuda do Carlos Martins, foi outro acontecimento que me marcou bastante assim como, mais recentemente, os incêndios de 2017 que fizeram várias vítimas mortais no distrito.

 

Que diferenças notas ao nível do jornalismo em Portugal, confrontando o passado com o presente?

Agora é mais rigoroso e interventivo.

Há profissionais muito mais qualificados e as novas ferramentas tecnológicas que temos à disposição também ajudam muito.

F carvalho.jpg

Hoje o jornalista passa demasiado tempo na redação?

Talvez sim. Mas é preciso dizer que em relação por exemplo à investigação, com os meios disponíveis em redações geralmente pequenas, não há grande possibilidade de ter um ou dois jornalistas dedicados em exclusividade.

No resto acho que poderia haver mais sensibilidade para procurar histórias que interessem à generalidade das pessoas.

Mas lá está, se somos imprescindíveis na redação ou no estúdio não podemos estar noutras tarefas.

Francisco Carvalho - RA 2.jpg

O Desporto foi uma das áreas da tua preferência? Porquê?

Pratiquei desporto no liceu e essa área sempre me interessou, mais do que a política por exemplo.

Primeiro foi o automobilismo por via do programa Escape Livre – chegámos a ir ao rally de Monte Carlo e às 24 horas de Le Mans – e depois comecei a interessar-me mais pelo futebol.

 

Tiveste, também, uma colaboração com a imprensa desportiva. Fala-nos desse período?

Foi na altura em que a saudosa Associação Cultural e Desportiva da Guarda era um dos postais da cidade e o clube mais importante do distrito, com participações regulares no então Campeonato Nacional da Segunda Divisão.

Para além dos trabalhos para a rádio comecei nessa altura uma colaboração com o jornal O Jogo, com comentários e reportagens sempre que a equipa jogava em casa.

Mais tarde, a convite do Fernando Paulouro, iniciei uma colaboração com o Jornal do Fundão na altura em que começaram a editar um suplemento semanal de desporto.

O meu trabalho era coordenar e editar o trabalho de uma série de correspondentes desportivos que faziam o resumo dos jogos do campeonato distrital de futebol.

Sem as tecnologias que temos hoje era um funcionário do jornal que ao domingo à noite vinha do Fundão recolher o material à Guarda!

 

A recolha dos resultados desportivos era muito diferente do que acontece na atualidade. Era um trabalho difícil?

Não era fácil. Quando os campos de futebol não tinham telefone (e geralmente não tinham…) era preciso encontrar uma pessoa de confiança que ligava para a redação a dar o resultado final do jogo, ou então tínhamos de ligar para o café mais próximo!

 

Que confronto fazes entre o panorama desportivo de algumas décadas atrás e o de hoje?

Apesar de todas as limitações antigamente julgo que era mais saudável. Hoje já não tenho paciência para ver grande parte dos programas televisivos sobre futebol.

Pouco se discute o jogo e o que interessa são as polémicas.

Já nem falo dos critérios jornalísticos e das regras deontológicas!

Francisco Carvalho - RA .jpg

O que te levou a optares pela Guarda, em termos profissionais?

Não foi uma questão de opção foi uma questão de oportunidade.

 

Atualmente tomarias a mesma opção?

Se tivesse alternativa pensaria duas vezes.

 

O que pensas da evolução da Guarda, cidade e região, ao longo da tua vida de jornalista?

Houve uma evolução desorganizada. Tem faltado planeamento e visão de futuro.

Diria que na grande maioria dos casos falta aos autarcas preparação adequada para o exercício dos cargos.

Isto não vai lá só com os cartões partidários!

E também é evidente que os governos de Lisboa estão-se nas tintas para o resto do país.

 

O que falta na Guarda?

Menos invejas e mais gente empreendedora.

O problema é que somos cada vez menos!...

 

Achas que as pessoas conhecem ou valorizam a dimensão radiofónica que a Guarda teve, sobretudo antes do alargamento do espetro radioelétrico?

De uma vez por todas a cidade – e os decisores –  tem de saber valorizar essa importância. Cada vez que passo pelos pavilhões em ruínas do antigo sanatório não deixo de pensar que bem ali ficaria o museu da saúde e da rádio.

A Guarda tem a rádio local mais antiga do país e uma história importante para contar concentrada no atual Parque da Saúde.

 

A história da rádio, na Guarda, está ainda por fazer?

Já foi feita em boa parte graças também ao autor deste blogue (Hélder Sequeira). Mas sim, ainda há gente pouco informada sobre a importância da rádio no passado e no presente da cidade e da região.

Afinal temos a rádio local mais antiga do país e isso tem de ser valorizado, até para não deixar cair no esquecimento os pioneiros da Rádio Altitude com Martins Queirós, à cabeça.

 

Tens projetos em mente para este novo ciclo da tua vida?

Continuar a aproveitar a voz que Deus me deu, escrever, viajar e começar a organizar o baú das memórias.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01

Seia Jazz & Blues

por Correio da Guarda, em 28.06.21

 

O festival “Seia Jazz & Blues” vai decorrer este ano ao ar livre, de 2 a 4 de julho, e coincidirá com o feriado municipal da cidade. A 16ª edição deste festival acontece no  parque verde do Centro de Interpretação da Serra da Estrela (CISE).

O programa inicia-se a 2 de julho, pelas 22 horas, com Peter Storm & The Blues Society, quatro experientes músicos do panorama dos Blues em Portugal. No dia seguinte, feriado municipal, o festival inicia à tarde (às 17 horas), com um concerto da Big Band EPSE, uma formação habitual no festival.

psbs.jpg

Ainda no sábado (3 de julho), mas às 22 horas, sobe ao palco Jogo de Damas; no seu espetáculo, o conjuga temas cantados à capela, pelas vozes de Barbara Francke, Fátima Serro e Sameiro Sequeira e Gabriela Braga, com outros em que é acompanhado por um trio de jazz – piano, contrabaixo e bateria, constituído por três conceituados músicos do panorama jazzístico português: Paulo Gomes, Miguel Ângelo e Acácio Salero.

No dia 4 de julho, pelas 17 horas, Filipe Raposo e Rita Maria são protagonistas de um espetáculo de puro jazz. O festival encerra às 22 horas com o “Coletivo Gira Sol Azul”, um tributo ao artista internacional Sting.

O Seia Jazz & Blues é uma iniciativa do Município de Seia e conta com a parceria da Escola Profissional da Serra da Estrela, do Conservatório de Música de Seia, do Festival DME – Dias da Música Eletroacústica e da candidatura da Guarda Capital Europeia da Cultura – 2027.

A lotação dos concertos está sujeita ao espaço onde decorrem os concertos, cumprindo todas as recomendações da Direção Geral de Saúde para eventos desta natureza.  Os interessados podem obter mais informação aqui.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:19

Concerto "La Renaissance" no Sabugal e Vila do Touro

por Correio da Guarda, em 11.06.21

 

O Castelo do Sabugal e a Igreja Matriz de Vila do Touro vão acolher no dia 19 de junho (21h30) e 20 de junho (17 horas), respetivamente,  o concerto ‘La Renaissance - 500 anos da morte de D. Manuel I’, apresentado pelo Coro Misto da Beira interior.
“O reinado de D. Manuel I insere-se no período do Renascimento em Portugal, um período com forte criação e inovação, quer em diálogo com modelos europeus, quer enriquecendo-os, seja nas ciências, na arte, na literatura, poesia e teatro, música, pintura e arquitetura, seja na filosofia, na religião e na política. O projeto ‘La Renaissance’ visa a divulgação da música desta época, assim como a animação de espaços condizentes".
Ainda de acordo com a informação divulgada pelo município do Sabuagl,  "de modo a recriar o ambiente vigente naqueles séculos, todos os elementos do Coro se apresentam trajados à época e acompanhados por instrumentos da época como Percussão, Flauta Doce, Viola da Gamba e Alaúde. Todas as obras serão apresentadas e explicadas de modo que o concerto seja também, para além de um tempo de lazer, uma fonte de aprendizagem.”
Devido ao atual contexto pandémico, e face às restrições impostas pela Direção-Geral da Saúde, a participação é limitada (sujeita aos lugares disponíveis), com necessidade de reserva.

Concerto.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:30

Ciclo de Música Contemporânea

por Correio da Guarda, em 04.06.21

Ciclo de música.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:07

Recordações do Sabugal

por Correio da Guarda, em 12.01.21

 

Promover e incentivar o gosto pela criação artística é o objetivo do projeto "RECordações" que a Câmara Municipal do Sabugal está a promover.
Com esta iniciativa pretende-se efetuar uma recolha de música, ao nível do concelho, dos mais diversos géneros musicais.
De acordo com a informação divulgada pelo município sabugalense, procura-se facultar uma  oportunidade aos munícipes e descendentes de mostrarem o seu talento (a solo ou em grupo), 
Os interessados em participar no ‘RECordações’ devem efetuar a sua inscrição – com indicação do nome, idade, proveniência, contacto telefónico/email –, até ao dia 31 de janeiro de 2021, para o email: movimento@cm-sabugal.pt.
Depois de analisadas as inscrições, seguem-se as gravações e no final será selecionada uma música (original ou cover) por participante, a qual será divulgada nas plataformas digitais do Município e integrará um cd a ser editado no final do projeto.
 

Recordações -.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:55

Festival de Tunas adiado para 2021

por Correio da Guarda, em 30.09.20

 

O XIX Festival de Tunas Cidade da Guarda, organizado pela Copituna d’Oppidana, foi adiado para 20 de março do próximo ano.

Inicialmente agendado para o passado mês de março tinha sido reagendado para 21 de novembro de 2020.

Este adiamento, e de acordo com a informação divulgada pela Tuna Académica da Guarda – Copituna de Oppidana, ocorre face às “muitas incertezas que ainda vivemos derivado ao aumento a nível nacional da taxa de transmissão do vírus Covid-19, e com todas as suas restrições inerentes a um evento que envolve centenas de pessoas”.

A Copituna de Oppidana adianta que esta decisão “foi tomada em consonância com as várias entidades envolvidas neste evento, onde a razão e o bom senso prevaleceram para o bem e segurança de todos envolvidos, desde da plateia (esgotada), técnicos, backstage e Tunas a concurso.”

De referir que os bilhetes continuam válidos para a nova data, podendo também ser entregues junto da bilheteira do TMG para devolução do respetivo valor.

Festival de Tunas da Guarda.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:03


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Contacto:

correio.da.guarda@gmail.com