Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Redes colaborativas na defesa do património

por Correio da Guarda, em 21.03.24

 

A criação de redes colaborativas entre as autarquias, populações e academias com a diocese da Guarda da Guarda foi defendida pelo Presidente da Câmara Municipal do Fundão no decorrer da sétima edição dos “Itinerários do Sentir”, realizada no dia 16 de março em Alcongosta.

Esta iniciativa, sob “O património religioso numa comunidade aldeã: que sentires, que futuro?” foi dedicada à visitação ao património religioso de Alcongosta (Fundão), localidade integrada na diocese da Guarda.

Tratou-se de uma atividade desenvolvida pelo Município do Fundão no contexto da “Quadragésima – Tradições da Quaresma”.

Paulo Fernandes, Presidente da Câmara do Fundão, considerou que as redes colaborativas devem visar o “bem maior que é a inventariação, o estudo, a preservação e a divulgação do património religioso móvel, imóvel e imaterial.”

Nesta iniciativa, e a convite da organização, participou o Departamento do Património, Cultura e Turismo (DPCT) da diocese da Guarda que esteve representado pela sua Coordenadora.

Dulce Helena Borges deu a conhecer a estrutura do DPCT, as suas áreas de atuação e os objetivos que se pretendem atingir, tendo aludido à realização do Fórum Património, Cultura e Turismo realizado na Guarda, Covilhã e Seia, “como ação de sensibilização de párocos, investigadores e comunidades locais”.

Sessão em Alcongosta_DPCT.jpg

A Coordenadora do DPCT referiu também algumas das próximas ações que estão programadas pela referida estrutura diocesana.

No decurso desta iniciativa foi realçada, pelos diversos especialistas presentes, a importância do trabalho que o Departamento do Património, Cultura e Turismo da diocese da Guarda se propõe desenvolver, e agora “com mais este desafio do Sr. Presidente da Câmara Municipal do Fundão relativamente à implementação de redes colaborativas”, afirmou Dulce Helena Borges.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00

Festival de Tunas Cidade da Guarda

por Correio da Guarda, em 20.03.24

Copituna_guarda).JPG

Na Guarda vai decorrer no próximo sábado, 23 de março, o XXI Oppidana, organizado pela Copituna D’Oppidana, tuna masculina do Politécnico desta cidade.

O XXI Oppidana – Festival de Tunas Cidade da Guarda terá lugar, a partir das 21h30, no Grande Auditório do Teatro Municipal da Guarda (TMG).

Na tarde de sábado, pelas 15h30, as tunas participantes vão realizar serenatas no Café-Concerto do TMG, com entrada livre.

As turnas que vão a concurso neste festival são a Desertuna-Tuna Académica da Beira Interior, a TAFDUP-Tuna Académica da Faculdade de Direito da Universidade do Porto, anTUNIA-Tuna de Ciências e Tecnologia da Universidade de Lisboa e FAN-Farra Académica de Coimbra.

Os prémios a concurso são Melhor Estandarte, Melhor Serenata e Melhor Pandereta, entre outros, sendo o principal o Grande Prémio Oppidana (Melhor Tuna).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:20

Semana Santa na Guarda

por Correio da Guarda, em 16.03.24

 

A Câmara Municipal da Guarda vai promover, a partir de hoje, e até 30 de março, um conjunto de atividades sob a designação “Semana Santa – Cultura e Fé”.

SemanaSanta2024.jpg

Esta iniciativa, em parceria com várias entidades, decorrerá na Guarda e também em Pêra do Moço, Pousade, Vale de Estrela, Benespera, Famalicão da Serra, Gonçalo, Carvalhal Meão e Castanheira.

Este evento religioso “assume uma forte componente cultural e social, apresentando uma programação constituída por várias atividades num momento de exaltação do património material e imaterial que carateriza as celebrações da Quaresma, da Semana Santa e da Páscoa”. É referido pela autarquia guardense.

Entre 22 a 30 de março, a localidade de Pousade recebe uma Residência Artística orientada por Sofia Portugal, com o Coro Teatro Religioso.

No dia 23 de março, sábado, a Associação de Jogos Tradicionais da Guarda (AJTG) promove, com o apoio do Município da Guarda, o Percurso das Alminhas. A atividade inicia-se às 9h00 na Menoita, e conta com uma visita ao património local e identificação de alminhas sendo o percurso acompanhado pela AJTG, pela Junta de Freguesia e pelo arqueólogo, Tiago Ramos.

Nesse mesmo dia, na Catedral da Guarda, pelas 16 horas, o Conservatório de Música de São José realiza o Concerto de Páscoa; pelas 21h, em Pêra do Moço cumpre-se o rito de louvor aos mortos com a Encomendação das Almas. “Um rito do período quaresmal que leva um grupo de pessoas à rua durante a noite, normalmente num lugar de elevação, para fazerem orações pelas almas dos que já partiram”. A iniciativa contará com a participação dos Grupos de Encomendação das Almas da Sequeira, Faia, Quinta de Gonçalo Martins, Maçainhas, Famalicão da Serra, Grupo de Cantares 'A Mensagem', Marmeleiro e Castanheira.

Ainda na freguesia do Pêra do Moço, na igreja Matriz da freguesia, realiza-se às 22h30 o Concerto de Páscoa, pelo grupo italiano 'D'Altro Canto Duo'.  No Domingo de Ramos, 24 de março, o duo italiano volta a atuar na Igreja de S. Miguel, na Guarda, pelas 17 horas.

No dia 27 de março, a Igreja da Misericórdia recebe o Concerto de Páscoa, 'Monte das Oliveiras', por Cardo Roxo.

Na noite de sábado, 30 de março, Pousade recebe, pelas 21h30, o Teatro Religioso 'Eis, Pôncio Pilatos!'. O espetáculo terá a direção artística de Daniel Rocha e é “uma representação de índole comunitária que pretende respeitar a tradição centenária de teatro religioso e popular de Pousade”. Trata-se de uma coprodução do Grupo Desportivo e Cultural Pousadense e o Teatro Municipal da Guarda.

Na Sexta-feira Santa, dia 29 de março, a Sé da Guarda será palco da celebração da Paixão do Senhor, com a adoração à Cruz, pelas 17h00; à noite, a partir das 21h30, terá lugar na Igreja da Misericórdia, o Enterro do Senhor.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:52

Guarda elegeu três deputados de diferentes partidos

por Correio da Guarda, em 10.03.24

 

A Aliança Democrática (AD) elegeu a sua cabeça de lista, Dulcineia Moura, como deputada pelo distrito da Guarda. O Partido Socialista (PS) voltou a escolher Ana Mendes Godinho para a Assembleia da República.

Os resultados finais, há pouco divulgados, dão conta da eleição de um deputado do Chega pelo distrito da Guarda, Carlos Simões e Melo.

A maior votação no distrito foi para AD (34,12 %), seguindo-se o PS (31,86) e Chega (18,59%).

DEPUTADOS GUARDA-1.jpg

 

Resultados no Distrito_Guarda.jpg 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:20

Em dia de neve...

por Correio da Guarda, em 09.03.24

Neve_Guarda2024_foto_HS-2.jpg 

Guarda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08

Passadiços galardoados na Gala dos World Travel Awards

por Correio da Guarda, em 06.03.24

 

Os Passadiços do Mondego foram distinguidos com o Prémio Europe's Leading Tourism Development Project 2024 (Projeto Líder de Desenvolvimento do Turismo 2024), no decorrer da Gala dos World Travel Awards que decorreu esta noite (6 de março) em Berlim, Alemanha.

Os World Travel Awards são considerados os "Óscares" do Turismo, sendo dos prémios mais prestigiados deste setor.

Passadiços do MONDEGO_guarda_foto Helder Sequeira

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:47

Jornais centenários em exposição

por Correio da Guarda, em 05.03.24

 

Na Biblioteca Municipal Vergílio Ferreira, em Gouveia, vai ser inaugurada no dia 9 de março, pelas 15 horas, a exposição “Jornais Centenários de Portugal e do Brasil: Um legado cultural”.

Esta iniciativa pretende assinalar a passagem do 110º aniversário do “Notícias da Gouveia” e os 50 anos do 25 de abril. Trata-se de uma rara coleção de 56 jornais centenários de Portugal e do Brasil, publicados ininterruptamente desde 1835 e 1825, os quais testemunham a história do jornalismo, da imprensa e da língua portuguesa, bem como a evolução cruzada dos dois países no contexto da formação política, ideológica, social, económica, cultural e científica do mundo desde o século XIX até aos dias atuais.

Em Portugal, esta exposição esteve já patente já esteve no distrito de Évora, no Porto, em Aveiro e em Lisboa), tendo também decorrido no Brasil (Pernambuco) e no Parlamento Europeu (Bruxelas).

No mesmo dia, e após a inauguração da exposição, terá lugar um debate subordinado ao tema “Desertos de notícias. Desertos de Liberdade?”

O estudo dos desertos de notícias, coordenado pelo investigador Pedro Jerónimo da LabCom (Universidade da Beira Interior), aponta que 25% dos concelhos em Portugal não tem qualquer órgão de comunicação, e que mais de 50% estão em algum nível de risco, ou seja, que se podem tornar num deserto de notícias.

 O jornal Notícias de Gouveia (NG), fundado a 12 de fevereiro de 1914, apresenta neste seu aniversário novas rubricas, além da renovação do programa de literacia mediática, que oferece a assinatura a estudantes do agrupamento local escolar.

Notícias de Gouveia_.jpg

Durante os primeiros três anos da sua existência o NG intitulou-se Semanário Evolucionista, na linha das confissões políticas que animavam os seus fundadores. Até ao número 17, a redação e a administração situavam-se na Rua do Ouvinho, sendo proprietário João Pinto de Sousa e diretor Afonso Xavier de Oliveira Fonseca.

Sucedeu-lhe, no cargo, José de Almeida Motta, que passou a ser o novo proprietário e reconhecido fundador do Notícias de Gouveia, a partir da publicação no13, a 7 de maio de 1914. Em 1916, José de Almeida Motta abandonou a designação de Semanário Evolucionista e o jornal passou a proclamar-se “Defensor dos Interesses da Região”. Mais tarde, viria a assumir funções, Carlos Gomes de Almeida Motta, seu filho, nomeado subdiretor em maio de 1954 e mais tarde diretor em junho de 1970.

Em outubro de 1995, o jornal passou para a titularidade da Associação de Beneficência Popular de Gouveia (ABPG), tendo Carlos Gomes de Almeida Motta sido substituído, no cargo de diretor, por Hercílio Azevedo Ribeiro. Em julho de 2007, por força de imperativos de ordem legal firmados na nova legislação que veio regular o sector, alterou a sua periodicidade de semanal para trimensal Atualmente o jornal é dirigido por Liliana Carona.

A exposição “Jornais Centenários de Portugal e do Brasil: Um legado cultural” poderá ser visitada na Biblioteca Municipal Vergílio Ferreira (Gouveia) no seu horário de funcionamento. A entrada é livre.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:12

"Beat na Montanha": apresentação de documentário

por Correio da Guarda, em 29.02.24

 

O documentário oficial de "Beat na Montanha", que foi filmado paralelamente ao desenvolvimento do projeto musical pela realizadora Fabiana Tavares, vai ser apresentado no próximo dia 26 de março, pelas 21h30, no Grande Auditório do Teatro Municipal da Guarda.

A inclusão social aliada ao estímulo criativo na área da música e da escrita foi a ideia chave deste projeto concebido por Luís Sequeira (B. Riddim) e dirigido a crianças e jovens entre os 6 e os 16 anos.

Este projeto, através de uma residência artística (organização conjunta de Luís Sequeira do Teatro Municipal da Guarda/Serviços Educativos), pretendeu implementar uma fusão sonora de vários instrumentos clássicos com eletrónica, gerando texturas passíveis de uma ligação com textos em prosa e verso; por outro lado, não esqueceu também a exploração de capacidades vocais.

“Beat na Montanha” foi desenvolvido com o envolvimento de crianças e jovens do Centro Escolar de Gonçalo (concelho da Guarda) e da Aldeia S.O.S. da Guarda que tiveram a oportunidade de mostrar as suas capacidades num espetáculo realizado no dia 3 de junho de 2023 no Teatro Municipal da Guarda.

Projeto BEAT na MONTANHA _fot Helder Sequeira .JPG

“Procurámos que que as crianças/jovens conseguissem tocar algo simples, com diversos instrumentos. Falamos de uma mistura de sons que vão desde jambés, melódicas, maracas, xilofones, a sintetizadores, drum machines, sequenciadores, etc. Ao nível da exploração de alguns vocais foi intenção equacionar o Rap com as bases sonoras desenvolvida, por entendermos que se alcançava assim um vínculo importante. Até pelo facto de muitos jovens terem um acesso fácil ao estilo e ser algo bem recebido entre eles.” Explicou, na altura, Luís Sequeira

Como atrás se disse, paralelamente ao projeto musical esteve a ser filmado, pela realizadora Fabiana Tavares, o documentário oficial de "Beat na Montanha".

“Com o documentário pretendo retratar esta odisseia musical que se debruça na inclusão social através da criação de música. Retrato este feito através do acompanhamento das aulas de Beat Na Montanha, de forma a captar o processo e sua evolução”, referiu Fabiana Tavares.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:57

 

A falta de participação efetiva e de transparência do processo de elaboração do Programa de Revitalização do Parque Natural da Serra da Estrela foi denunciada, em carta aberta, por 28 associações cívicas e ambientais. O Movimento Associativo da Serra da Estrela questiona assim o Governo sobre o Programa de Revitalização do Parque Natural da Serra da Estrela.

Recorde-se que na sequência da Resolução do Conselho de Ministros de 8 de fevereiro, foi anunciado um investimento total de 155 milhões de euros no âmbito do Programa de Revitalização do Parque Natural da Serra da Estrela (PRPNSE).

As associações do território solicitaram o acesso ao Programa aprovado e denunciam várias falhas no seu processo de elaboração, sublinhando que “o instrumento tinha sido anunciado pela Ministra Ana Abrunhosa, como um plano que partisse do território, envolvendo as entidades e populações locais, o que acabou por não acontecer.”

SERRA da ESTRELA_foto de Helder Sequeira .jpg

Assim, 28 associações da Serra da Estrela e de âmbito nacional uniram-se “para partilhar preocupações e formular exigências relativamente ao que foi anunciado pelo Governo e pelos Municípios da Guarda e da Covilhã.” Como foi referido, “do seu conhecimento do terreno e do historial da gestão do Parque Natural, ressalta a indignação com a falta de modelos de participação, a falta de transparência e uma tendência para uma aposta que foca o investimento público na Serra da Estrela em projetos avulsos em vez de desenhar um plano resiliente, partindo de uma visão de longo prazo.”

Manuel Franco, presidente da Associação Guardiões da Serra da Estrela criada após os incêndios de 2017, considera que “houve uma auscultação inicial para a qual algumas associações foram convidadas de forma aleatória, mas não foi um processo abrangente nem suficientemente participado.”

A este propósito acrescentou que foram “confrontados com um comunicado que fala em grandes obras sem uma palavra dirigida à conservação ou resiliência, completamente desligado das verdadeiras origens das catástrofes cíclicas que assolam este parque natural.” Na referida carta aberta, as associações acrescentam que a “falta de transparência manifesta na definição e aprovação do PRPNSE impossibilitou a sua avaliação e discussão pública atempada, isto é, enquanto era possível colaborar na elaboração de uma estratégia conjunta para a Serra da Estrela.”

Os autores da carta aberta partilham o “receio de que o Programa não esteja realmente centrado na urgência de revitalização da paisagem destruída pelos incêndios, uma vez que a maior parte de possíveis projetos entretanto comunicados” pelo Ministério e pelos Municípios focam em grandes obras e infraestruturas, há muito reclamadas pelos poderes locais.

Na perspetiva dos signatários, “este programa deveria ter como principal preocupação a sustentação e regeneração de um território de conservação e de prestação de serviços de ecossistema, nomeadamente ao nível da água e dos solos, do carbono e da própria biodiversidade.”

Joana Viveiro, do Movimento Estrela Viva, criado também em seguimento da calamidade de 2017, afirmou que “as associações da Serra da Estrela depositavam neste ‘Plano Marshall’ para a Serra da Estrela, alguma esperança. Mas o processo começou mal, com a falta de envolvimento efetivo da sociedade civil e a pouca transparência na elaboração do documento, que não foi alvo de qualquer consulta pública. Para além disso, este programa deveria ter como principal preocupação a regeneração de um território de conservação e a remuneração justa pelos serviços de ecossistema, e parece-nos que não será bem essa a prioridade.’’

Essas preocupações comuns e a vontade de contribuir para uma regeneração efetiva da maior área protegida do país, levaram os signatários a solicitar uma audiência, com carácter urgente, ao Ministério da Coesão Territorial e à CIM-BSE.

Assinam esta carta aberta A Geradora - Cooperativa Integral, CRL; Acréscimo - Associação de Promoção ao Investimento Florestal;

Associação ALDEIA / CERVAS - Centro de Ecologia e Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens; Associação Guardiões da Serra da Estrela; Associação Veredas da Estrela; Campo Aberto - associação de defesa do ambiente; CIDAMB - Associação Nacional para a Cidadania Ambiental; Coletivo à escuta; Ecoativo - Associação de Protecção e Conservação da Natureza; FAPAS - Associação Portuguesa para a Conservação da Biodiversidade; FOLGONATUR - Associação Sem Fins Lucrativos;  GEOTA - Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente; GO Romaria - Associação Cultural Gouveense; Grupo Lobo - Associação para a Conservação do Lobo e do seu Ecossistema;  IRIS - Associação Nacional de Ambiente; LPN - Liga para a Protecção da Natureza; Milvoz - Associação de Protecção e Conservação da Natureza; Movimento Estrela Viva - Associação Cívica pelo Desenvolvimento Sustentável e Integrado da Serra da Estrela; Núcleo Regional da Guarda - Quercus A.N.C.N.; Palombar - Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural; ProTejo - Movimento Pelo Tejo; QUERCUS- A.N.C.N. - Associação Nacional de Conservação da Natureza; Rewilding Portugal; SPBotânica - Sociedade Portuguesa de Botânica; SPEN - Sociedade Portuguesa de Entomologia; Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA); URZE - Associação Florestal da Encosta da Serra da Estrela e ZERO - Associação Sistema Terrestre Sustentável.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:46

 

O património da Igreja “é muito diferenciado porque a fé das gerações que nos antecederam, ao longo dos séculos, proporcionou que se manifestasse em materialidade das formas mais diversificadas”. Afirmou a Diretora do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja, Fátima Eusébio, no decorrer do terceiro Fórum Património, Cultura e Turismo que decorreu na passada sexta-feira, 16 de fevereiro, em Seia, organizado pelo Departamento do Património, Cultura e Turismo (DPTC) da diocese da Guarda.

SEIA_Fórum_ Fátima Eusébio_foto HS_.JPG

Fátima Eusébio salientou que ao nível do património religioso material “temos edifícios de grande impacto, como as catedrais, mas temos depois outros edifícios como as pequenas ermidas em locais completamente inóspitos”. A Diretora do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja disse que “não devemos intelectualizar muito o património e esquecer a parte afetiva”, sublinhando a necessidade de ser estabelecido um equilíbrio, e alertando ainda para “tudo o que está numa Igreja tem um simbolismo”.

Na sua intervenção neste Fórum, que decorreu no Espaço Museológico da Santa Casa da Misericórdia de Seia, Fátima Eusébio defendeu que tem de ser dada maior atenção ao património imaterial da Igreja.

O Fórum Património, Cultura e Turismo – que anteriormente tinha sido já realizado na Guarda e na Covilhã – teve por objetivo a sensibilização dos párocos da diocese egitaniense e da comunidade em geral para a salvaguarda e promoção do património religioso, a da apresentação dos objetivos e linhas de atuação do DPCT, “no sentido de uma maior e eficaz colaboração”.

Como foi salientado pela Coordenadora do DPCT, Dulce Borges, as principais competências daquela estrutura diocesana são a “promoção da dimensão evangelizadora do património cultural da Diocese, cuidando a pastoral do turismo e o diálogo com iniciativas culturais da sociedade civil”.

Este departamento está integrado no Secretariado Diocesano da Cultura e Comunicação que tem como objetivos cuidar a cultura e os bens culturais, a comunicação social e as relações-públicas da Diocese.

O programa do Fórum que decorreu em Seia, integrou uma intervenção do Bispo da Diocese, D. Manuel Felício, seguindo-se a apresentação do DPCT pela sua Coordenadora, Dulce Helena Borges, com uma comunicação intitulada “Departamento de Património Cultura e Turismo da Diocese da Guarda: objetivos e desafios”. Hélder Sequeira interveio com o tema “Comunicar (n)a Diocese”, enquanto Carlos Caetano apresentou uma comunicação intitulada “Entre o passado e o futuro: o lugar do Património na Igreja de hoje”.

Aires Almeida apresentou uma comunicação intitulada “Porquê um Regulamento para a gestão e proteção do património e bens culturais da Diocese da Guarda” e Gonçalo Fernandes falou sobre “Itinerários turísticos e património religioso. Desafios de valorização territorial”. Rita Saraiva apresentou a comunicação “Arquitetura de Culto e Memória: Igreja da Misericórdia de Seia” e o programa do Fórum foi concluído com a intervenção de Fátima Eusébio subordinada ao tema “Salvaguardar e valorizar os bens culturais da Igreja; estratégias e dinâmicas na Diocese de Viseu”.

Neste Fórum Património, Cultura e Turismo Bispo da Guarda, referindo-se ao património religioso da Diocese, disse ser uma realidade que “precisa de ser conhecidas, precisa de ser cuidada, precisa de ser acompanhada, precisa de ser apresentada e também fruída nos lugares próprios de também noutros ambientes que as circunstâncias proporcionem”. Manuel Felício acrescentou que estes bens têm de ter “quem os cuide, os apoie e apresente”, os quais se podem transmitir uma mensagem, “podem também atrair pessoas às nossas terras”.

O Bispo da Guarda destacou, noutra passagem da sua intervenção, o papel do DPCT “neste trabalho de formação e informação”.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:18


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Contacto:

correio.da.guarda@gmail.com