Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Antunes Ferreira: um rosto da Rádio

por Correio da Guarda, em 25.11.08

 

A histórica Rádio Altitude perdeu ontem mais um dos seus obreiros: Antunes Ferreira. Um nome que atravessa um largo período das emissões em onda média e igualmente os anos iniciais da frequência modulada, na RA.
A estação guardense foi para Antunes Ferreira (nasceu a 30 de Novembro de 1929, faleceu a 24 de Novembro de 2008) o local de trabalho ao longo de 35 anos, período durante o qual interveio no desenvolvimento da própria rádio, que considerou ter sido uma "autêntica escola".
Antunes Ferreira passou pelo Sanatório Sousa Martins, como internado, tendo, dentro do espírito da terapia ocupacional praticada naquela unidade, sido convidado para trabalhar na Rádio Altitude.
Em entrevista que nos concedeu há alguns anos atrás (e que foi publicada no Diário da Guarda), relembrava a abertura de um concurso, aquando da passagem do décimo aniversário da RA, para a escolha de alguns elementos destinados a trabalhos de apresentação de programas. "Fiquei classificado em quarto lugar", disse-nos Antunes Ferreira, que, juntamente com mais quatro companheiros, passou a desenvolver a sua actividade na, então, modesta estação de rádio.
 
Na altura, o suporte humano da Rádio Altitude "era o amadorismo puro. Éramos todos amadores e nas horas disponíveis é que íamos para lá. Nós, os doentes, íamos após a fase do período das curas, que eram de repouso total. Alguns iam trabalhar na locução, outros nos arquivos de discos, outros nos registos."
A partir dessa altura desenvolve "uma colaboração assídua, durante vários anos. Juntamente com outras pessoas, de fora, assim se mantinha o Altitude". Cerca de 1960, o então Director do Sanatório Sousa Martins – Dr. Martins de Queirós - que para Antunes Ferreira "era a alma e o coração do Altitude", entendeu e perspectivou a importância daquela rádio como meio de comunicação social.
"Nessa altura começou a haver uma colaboração mais regular de outros elementos. Estava para sair do Sanatório, um vez que estava curado, e o Dr. Martins de Queirós convidou-me para ficar, como profissional, isto à volta de 1965".
Foi também a partir dessa altura que começou a haver alguns profissionais. " A minha função não era propriamente de animador de emissão, até porque eu gostava mais da técnica. Dediquei-me mais à técnica". Um trabalho que Antunes Ferreira privilegiou ao longo dos 35 anos que trabalhou na Rádio Altitude.
"O ambiente era muito diferente do actual. Todos nós trabalhávamos mais sobre o joelho mas poderei dizer que aquilo era uma escola de rádio. Houve muita gente que ali aprendeu e dali saíram para outros emissores; recordo que houve elementos que foram para os emissores associados de Lisboa, outros para o Porto. A Rádio Altitude nos seus primeiros vinte e cinco, trinta anos, funcionou como uma escola de Rádio". Recordou, com alguma nostalgia, Antunes Ferreira.
Havia "muito amadorismo e sobretudo muita vontade e amor àquela casa", uma fórmula que, na sua opinião, foi importante para se consolidar a projecção da Rádio Altitude. "Aqui na região o que mais se ouvia era a RA, não só pelo interesse das notícias mas também pela música popular que passava, do gosto do nosso povo".
Todos os programas deixaram boas recordações a Antunes Ferreira mas "aqueles espaços que mais vivia, como técnico, eram as transmissões directas. Eram feitas transmissões directas desportivas, religiosas, quer de acontecimentos políticos".
A veracidade das notícias, para o povo, referia Antunes Ferreira, "era confirmada pela RA. Se o Altitude dava qualquer notícia era porque isso tinha mesmo acontecido.".
Daí que, fez questão em sublinhar, “toda a população da Guarda sentia o Altitude como uma coisa deles. Toda a gente achava que tinha um bocadinho na própria Rádio Altitude. Aquela casa era de todos".
(da direita para a esquerda: Antunes Ferreira, Helder Sequeira, José Augusto Marques)
 
Ao longo dos anos o apoio do Sanatório e do Hospital foi permanente, quer através da disponibilização das instalações, quer do fornecimento da energia eléctrica e da água. "Ainda houve uma altura em que havia sócios. Era uma quotização diminuta mas realmente como as despesas também não eram grandes, pois o pessoal era amador. As despesas eram também suportadas pelos discos pedidos, pelos anúncios de bailes e pela própria publicidade. Esta era importante e fundamental para a compra de máquinas. Vivia-se com o que se tinha e nada mais."
Questionado, na altura dessa entrevista, sobre o futuro da Rádio Altitude, disse-nos: "Houve sempre uma coisa que sempre pedi: era que fosse o Altitude a ver-me desaparecer a mim e eu não ver desaparecer o Rádio Altitude. É isso que continuo a pedir."
E a Rádio continua, e vai recordá-lo! No dia de ontem e de hoje a bandeira da Rádio, a meia haste, era disso testemunho. A actual direcção da Rádio, e muito justamente, não esqueceu o homem que durante largos anos foi um dos principais rostos da estação, trabalhador incansável, solidário, intransigente defensor dos verdadeiros interesses da sua estação emissora, cuja solidez económica soube sempre salvaguardar.
Também nós, que com ele privámos largos anos, não o esquecemos. Estas breves notas são uma singela homenagem ao homem e ao profissional (gostava de ensinar, partilhar, apoiar) que tão intensamente viveu a Rádio Altitude.
Até sempre, Senhor Ferreira!...
 
                                                                                         Helder Sequeira
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:37


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com



Google +