Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mateus Miragaia: A minha vida dava um livro

por Correio da Guarda, em 23.08.16

 

     Mateus Miragaia é o convidado para a conversa “A Minha Vida dava um livro” que terá lugar a 20 de Setembro, pelas 18, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, na Guarda.

    Nascido em 25 de Outubro de 1941, em Donfins do Jarmelo, Mateus Filipe Miragaia é, atualmente, o único a fazer tesouras de tosquia no país, arte que começou a aprender com cerca de 15 anos.

    A entrada, para esta iniciativa promovida pela BMEL, é livre.

Mateus Miragaia.jpg

     Foto: Telma Miragaia

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:55

Na noite...

por Correio da Guarda, em 22.08.16

Luzes na Escuridão -HS.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:20

No fim do dia...

por Correio da Guarda, em 20.08.16

IMG_6995.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:06

Respeito e gratidão

por Correio da Guarda, em 19.08.16

 

     Ao longo das últimas décadas, e como consequência dos inúmeros fogos florestais, têm desaparecido, importantes parcelas de manchas verdes e outrossim de espécies autóctones.

     Na ausência ou a lenta resposta em termos de reflorestação – pelo menos de forma eficaz, sustentada e gradual – aumenta, anualmente, a extensão do território com um desolador panorama de áreas enegrecidas e agrestes, erguendo os gestos trágicos de uma floresta extinta.

Imagem de incêndio.jpg

      Os recentes incêndios ocorridos, por todo o país – alguns com dimensão assustadora que exigiram, uma vez mais, um esforço hercúleo por parte dos nossos bombeiros – sublinharam a tragédia, a par de levantarem múltiplas questões, sistemática e teimosamente reeditadas…

    As outrora anunciadas, e rapidamente esquecidas, medidas de reflorestação mostraram, na prática, a inconsistente persistência das intenções oficiais, relegando sempre para os períodos do martírio das florestas e haveres das populações a retórica circunstancial das boas e pragmáticas medidas; as palavras e o propalado empenho, fenecem logo após se apagarem as chamas e se afastarem as televisões do “teatro das operações”…terminologia que já aborrece, de tanta utilização e perante o ar teatral de alguns protagonistas…

    Fazer o confronto entre o património florestal de ontem e a realidade de hoje não é tarefa difícil, pois as evidências estão ao alcance dos nossos olhares, por mais restritos que sejam alguns horizontes.

    É trágica esta falta de intervenção, real e sistemática, neste sector, como se a floresta e o ambiente não fossem duas importantes e insubstituíveis riquezas do nosso País, onde parece haver, por parte de muitas entidades e departamentos oficiais um incrível alheamento pela preservação e aumento das zonas verdes, numa contínua cedência aos interesses económicos.

    Em contrapartida, aumenta a mancha de desertificação e perecem muitas das peculiaridades e belezas paisagísticas, resumidas à fotografia de arquivo ou às memórias individuais, impotentes perante a evolução dos tempos; não podemos ficar presos aos mais mediáticos (mas inconsequentes) projetos de reflorestação mas interessa ir mais além, desenvolver uma ação quotidiana, sistemática e global.

     Repensar o nosso património florestal e construir novos horizontes – onde o verde seja uma cor associada a montes e vales desta terra, em que alguns continuam a acreditar, mesmo com a apatia de muitos poderes – é uma tarefa urgente; caso contrário, estaremos a progredir para o fatal desaparecimento das nossas aldeias e vilas, perdendo, gradualmente, um dos poucos bens que alguns ainda nos reconhecem: a qualidade do ambiente... Neste, como noutros assuntos, importa reavivar as memórias.

   E por falarmos em memória, é importante que não se esqueçam as imagens do trabalho e esforço dos nossos bombeiros, a sua abnegação, o risco permanente em que colocam as suas vidas…

   Os nossos Bombeiros, pelo seu exemplo, pelo seu papel em prol da sociedade, pela sua coragem não devem apenas ser enaltecidos e apoiados apenas nestes períodos de horror e tragédia; devem ter sempre o nosso profundo respeito, apreço, apoio e gratidão!... (H.S.)

 

   In O Interior, 18|Agosto|2016

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01

Muralhas com história

por Correio da Guarda, em 18.08.16

 

     Em Sortelha vai decorrer, de 23 a 25 de Setembro, o evento temático denominado “Muralhas com História”, promovido pela Câmara Municipal do Sabugal.

    A edição deste ano evocará o espírito trovadoresco do séc. XIII-XIV, proporcionando uma viagem ao quotidiano medieval, complementada com mercado de época, tabernas, ofícios ao vivo, teatralizações contínuas, música ao vivo e espetáculos.

Muralhas com história.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:22

Na varanda...

por Correio da Guarda, em 16.08.16

Cao na Varanda 3 HS.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:22

Recanto beirão...

por Correio da Guarda, em 14.08.16

Recanto 1 - HS.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:25

Folclore na Guarda

por Correio da Guarda, em 11.08.16

Festival.jpg

 Organizado pelo Centro Cultural da Guarda vai realizar-se, nesta cidade, no próximo dia 13 de Agosto, o  36º Festival de Folclore da Guarda.

    Esta iniciativa, integrada no programa do "Verão em Alta", decorrerá na Alameda de Santo André, a partir das 21h30.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:31

Vencedores do Transversalidades 2016

por Correio da Guarda, em 10.08.16

 Imagem.jpg

      Foto: Artur Lópel Llana

 

     Arturo López Illana (Madrid/Espanha) é o autor do portefólio vencedor da quinta edição do Transversalidades – Fotografia sem Fronteiras, promovido pelo Centro de Estudos Ibéricos (CEI).

    Este concurso decorreu entre 11 de março e 31 de maio de 2016, e, segundo a organização “alcançou resultados quantitativos e qualitativos que atestam a maturidade e valia da iniciativa: foram submetidas cerca de 700 candidaturas (mais do dobro do ano passado) e a sua penetração aumentou ao atingir mais de 30 países representados.”

    No tema “Património natural, paisagens e biodiversidade” foi vencedor o portefólio apresentado por João Pedro Costa (Portimão), enquanto na categoria “Espaços rurais: povoamento, atividade, modos de vida” o vencedor foi Teo Liak Song (Johor Bahri / Malásia). No tema “Cidade e processos de urbanização” o portefólio vencedor é da autoria de Luz (Madrid/Espanha); na temática “Cultura e sociedade: diversidade cultural e social” o destaque foi para Arez Ghaderi (Sanandaj /Irão)

   Este foi um concurso predominantemente jovem (mais de 40% dos concorrentes tem menos de 30 anos), equilibrado em termos de género (mais de 40% dos concorrentes são do sexo feminino), com elevada participação de profissionais (fotógrafos, fotojornalistas, jornalistas, designers e ligados às artes, etc.).

   De acordo com a organização deste concurso, “é de sublinhar que, embora predominem concorrentes de Portugal (30%) e do Brasil (28%), é relevante a presença da América Latina (16%), sobretudo a Argentina com 7%, e dos Países de Língua Portuguesa (especialmente Moçambique)”.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:20

Museu de Vilar Maior

por Correio da Guarda, em 08.08.16

 

     No Museu de Vilar Maior (Sabugal) vai ser inaugurada no próximo dia 10, pelas 18 horas, a exposição permanente daquela unidade museológica.

      "A criação do Museu de Vilar Maior surgiu da necessidade de expor condignamente o espólio recolhido ao longo dos anos pela professora Maria Delfina Marques, tendo sido inaugurado a 22 de agosto de 1998, sob a tutela da Associação Cultural, Desportiva e Social de Vilar Maior", de acordo com informação divulgada pela Câmara Municipal do Sabugal.

     A partir do espólio existente e do objetivo definido no Projeto Museológico criado, foram traçadas as linhas condutoras da nova exposição permanente tendo dois fulcros principais: o edifício e as peças.

     A história do edifício é contada através de algumas peças pertencentes ao conjunto, e o restante espólio (etnográfico, documental e religioso) foi dividido por vários núcleos, através da conjugação de objetos e grafismos, criados para o efeito, resultando em diversas áreas: a casa rural, o trabalho do campo, o ciclo do linho, os ofícios (barbeiro, alfaiate/costureira, carpinteiro), o rito litúrgico, a Misericórdia de Vilar Maior, enquadrados pela documentação gráfica e fotográfica (também pertencentes ao acervo) que revelam os traços da história da localidade.

 

    Fonte: CM Sabugal

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:51

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com



Google +


Referenciar citações

Protected by Copyscape Website Copyright Protection




Error running style: Style code didn't finish running in a timely fashion. Possible causes: