Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Feirinha da Cultura no Café Concerto

por Correio da Guarda, em 31.10.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:29

Turismo e Cultura em debate na Guarda

por Correio da Guarda, em 30.10.11

 

     “Inovação e Empreendedorismo na Beira Interior” é o tema de um ciclo de conferências que Instituto Politécnico da Guarda (IPG) – através da sua Unidade de Investigação para o Desenvolvimento do Interior (UDI) – está a promover, desde 19 de outubro, até ao próximo dia 9 de novembro. Os trabalhos decorrem no Auditório dos Serviços Centrais, a partir das 10 horas.

     No próximo dia 2 de novembro o tema em debate será “Turismo e Cultura na Beira Interior”. O programa, desse dia, vai integrar comunicações sobre “Competitividade do Turismo em Portugal”, “A relação entre a cultura e o desenvolvimento”, “Projeto By Nature”, “Projeto Aldeias de Montanha”, “Turismo Religioso”, “Projeto Aldeias Históricas”, “Turismo e Património do Coa”, “Conceito Papperfree Restaurant”, “Turismo de Habitação no Interior” e “A oferta hoteleira da Beira Interior”.

     Ainda no dia 2 de novembro, no edifício dos Serviços Centrais, será apresentado o livro “Inovação em Turismo e Hotelaria”, editado pelo Instituto Politécnico da Guarda.

    Analisar e identificar as oportunidades de desenvolvimento e de aumento de competitividade de região; reconhecer o contributo dos empreendedores para a prosperidade, criação de emprego e inovação; salientar o papel do IPG no seu contributo na investigação aplicada, e fomento de inovação e criação de empresas e informar os empreendedores sobre os apoios e programas disponíveis para o seu negócio a nível nacional e transfronteiriço, são, entre outros aspetos, os principais objetivos deste ciclo.

    As inscrições, obrigatórias, são gratuitas e podem ser feitas em http://www.ipg.pt/iebi/, onde os interessados têm disponíveis mais informações.

    Será emitido certificado de participação.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26

Mudança de hora

por Correio da Guarda, em 29.10.11

 

     Na próxima madrugada a hora é atrasada sessenta minutos. Quando os relógios chegarem às duas da manhã, deste domingo, terá de mudar os ponteiros para a uma hora .

     A mudança acontece em simultâneo, respeitando as diferenças horárias, nos outros países da União Europeia. A hora legal de Portugal continental coincide com o tempo universal coordenado (UTC) no período compreendido entre a uma hora UTC do último domingo de Outubro e a uma hora UTC do último domingo de Março seguinte.

    No último domingo de Março os ponteiros serão adiantados, de novo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:18

Concerto de Música Coral no TMG

por Correio da Guarda, em 29.10.11

 

 

     No Grande Auditório do Teatro Municipal da Guarda vai realizar-se hoje, a partir das 16 horas, um Concerto de Música Coral. A organização é do Centro Cultural da Guarda e do TMG.

    O espectáculo contará com a participação de Choral Phydellius e do Orfeão do Centro Cultural da Guarda.

    O concerto tem entrada livre, mediante o levantamento, prévio, do ingresso na Bilheteira do TMG.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:08

Feira Franca no Sabugal

por Correio da Guarda, em 29.10.11

 

     A Casa do Castelo vai promover no Sabugal, amanhã, uma feira franca.

     A feira realiza-se no Largo do Castelo e aí poderá encontrar diversificados produtos do concelho do Sabugal, como sejam enchidos, artesanato, queijos, artefactos agrícolas além de muitos utensílios e objectos antigos.

     Certames idênticos estão agendados para os dias 27 de Novembro e 25 de Dezembro, no período das 9 às 19 horas.

      Sobre a a Casa do Castelo pode obter mais informação em http://casa-do-castelo.net/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:12

Facas do Verdugal: no fio da tradição

por Correio da Guarda, em 27.10.11

 

 

     Espalhadas pelo país e além-fronteiras, as facas são um cartaz de excelência do Verdugal, localidade do concelho da Guarda, onde a tradição da cutelaria tem largas décadas.

    Embora o trabalho artesanal das peças de cutelaria ali produzidas conheça hoje uma nova realidade, perante a evolução dos equipamentos e as solicitações de uma clientela cada vez mais exigente, a tradição das facas do Verdugal continua a perdurar nos nossos dias.

    Actualmente existem duas oficinas de cutelaria, ligadas por laços familiares embora autónomas na produção; as suas raízes atravessam já quase quatro gerações, de trabalho árduo mas determinado em garantir artefactos de qualidade.

    Nas primeiras décadas do século passado, os tempos eram outros e as dificuldades das gentes beirãs eram um peso constante, condicionado a vidas das pessoas e inviabilizando sonhos, ou mesmo mudança de vida. A diminuta produção de facas não se comparava com as actuais solicitações, havendo nesse período uma maior procura de enxadas, machadas e ferramentas para os lavradores, relhas para os arados.

    A maioria dos clientes era da zona, embora houvesse compradores oriundos de outras regiões, que acabavam por ser agentes de divulgação dos produtos de cutelaria do Verdugal.

    Na ausência da energia eléctrica, que só chegou ao Verdugal em 1976, houve que recorrer durante largos anos a motores de petróleo (para o funcionamento de alguns dos equipamentos), combustível também utilizados nos candeeiros para iluminação.

    A energia eléctrica contribuiu para a entrada novo ciclo de produção e perspectivou o seu desenvolvimento das instalações; a velha forja abdicou a favor do forno eléctrico que veio facilitar as tarefas desenvolvidas.

    A função dos enormes foles que avivavam a forja foi dispensada; estas duas peças são bem o símbolo de uma época e de uma arte e que, conjuntamente com algumas antigas ferramentas, ilustram de forma clara e pedagógica, o que era, na realidade, o núcleo inicial destas cutelarias.

    Outra melhoria introduzida, decorrente da disponibilização de nova fonte de energia, foi a máquina de “picar as foices”, responsável pela execução “dentado”, um trabalho que até cerca de 1990 era feito à mão.

    Embora o recurso a algumas ferramentas, e máquinas, seja uma necessidade quotidiana, o saber fazer tem ainda um enorme peso na execução e qualidade das facas do Verdugal, sempre procuradas, nos vários modelos disponibilizados.

    Apesar de uma quebra pontual nas vendas, fruto da entrada no mercado de utensílios congéneres mais baratos, a procura das facas tem continuado e elas continuam a espalhar-se, seja nas bancas dos mercados e feiras, nas lojas do comércio tradicional ou nas “vendas” das aldeias.

    O tempo utilizado na confecção de uma faca não é determinado com rigor, dado as fases por que passa e as eventuais necessidades de conciliar o processo de produção com o incremento de uma tarefa específica dentro desse percurso.

    As placas de aço são colocadas na máquina onde é efectuado o corte da faca; será, seguidamente, aberto um orifício ao qual será fixado, mais tarde, o cabo de madeira ou de plástico, de acordo com as actuais exigências. Na lâmina é gravada a marca da cutelaria após o que será introduzida no forno, para lhe ser conferida dureza (há anos atrás era utilizada a velha forja), mergulhando-a depois em óleo.

    Corrigido algum eventual “empeno” da lâmina, a faca “vai depois a desbastar, uma vez de um lado, outra vez de outro”, de modo a que fique “fininha mas ainda não pronta para cortar”. Há, ainda, a necessidade de a passar pelo rebolo (a roda que antes era de duro granito da região) de forma a aperfeiçoá-la; nesta operação é notório ainda o trabalho artesanal.

    Posteriormente é inserido o cabo – mandado executar por encomenda – e colocada a anilha de alumínio que o irá envolver, antecedendo assim o furo do cabo de modo a que o orifício feito anteriormente no prolongamento da lâmina coincida com ele.

    É embutido uma espécie de prego, sem cabeça, de forma que o cabo fique bem seguro; a partir daí vai a polir, para “ficar com brilho”, após o que a faca fica pronta para os potenciais utilizadores. O tempo de vida de uma faca pode variar; mesmo sendo “perdido o fio”, e face à utilização do aço inox nas lâminas, este pode ser recuperado.

    A comercialização destes artefactos não se circunscreve ao território regional e nacional; há mesmo encomendas feitas para países longínquos, onde chega assim uma “marca” do concelho da Guarda.

    No Verdugal persiste, assim, a tradição do saber e bem-fazer e, neste caso, também de bem cortar. E é importante que não se corte o fio da tradição.

 

     Helder Sequeira, in "O Interior"

     20/10/2011

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:51

Computação Móvel na Guarda

por Correio da Guarda, em 27.10.11

     Na Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico da Guarda vai ter lugar no próximo dia 29 de Outubro, pelas 13h15, um Seminário subordinado ao tema "Smart Homes - Novo desafio para computação móvel". Este seminário, que decorrerá no auditório da ESTG, terá como orador Fernando Melo Rodrigues e integra-se no Ciclo de Seminários do Mestrado em Computação Móvel, leccionado na Escola Superior de Tecnologia e Gestão do IPG.

     A introdução de novas tecnologias nos edifícios tem sido gradual, contudo a maioria das instalações eléctricas dos edifícios e das habitações usam a mesma tecnologia que há 50 anos atrás. As companhias de água, gás e electricidade continuam a mandar-nos ao fim do mês uma factura com o consumo global, não conseguindo perceber-se como e quando gastámos essas energias e recursos. Se tomarmos como referência a área das telecomunicações tudo isto parece arcaico. As facturas das telecomunicações detalham com todo o rigor a quem ligámos, quando e quanto tempo falámos. É inadmissível uma factura de telecomunicações que refira apenas os “impulsos” telefónicos que gastámos.

    Do ponto de vista do controlo é impensável comprar uma televisão sem telecomando! Porque não temos a mesma atitude perante os nossos edifícios? Porque é que não podemos conhecer os nossos perfis de consumo de água, gás e energia da nossa casa, porque é que ainda temos que nos levantar do sofá para apagar uma luz ou fechar um estore?

    A introdução de sistemas de gestão técnica de domótica nos edifícios e habitações permite dar resposta a todas estas questões. Para isso necessitamos de introduzir sistemas que executem as ordens e possam abrir e fechar os contactos em substituição dos actuais interruptores. As ordens de abrir e fechar, subir/descer, etc, podem ser dadas a partir de botões. Quando virtualizamos os botões num qualquer ecrã, de um computador, de um telemóvel ou de uma TV, então o paradigma do controlo das habitações muda por completo… é sem dúvida um novo desafio para computação móvel!

    Neste seminário irá apresentar-se uma das tecnologias de automação de edifícios que nos parece mais promissor – a tecnologia KNX. Irá caracterizar-se o protocolo de comunicação, os meios de transmissão, os dispositivos, bem como o modo de parametrização e configuração das instalações. No decorrer da sessão irá proceder-se ainda a uma demonstração de equipamentos de vários fabricantes, bem como um protótipo desenvolvido no âmbito do Mestrado de Computação Móvel.

 

  fonte: ESTG/IPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:41

Feira de Artesanato

por Correio da Guarda, em 26.10.11

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:05

Ciclo de Conferências na Guarda

por Correio da Guarda, em 25.10.11

     “Inovação e Empreendedorismo na Beira Interior” é o tema de um ciclo de conferências que Instituto Politécnico da Guarda (IPG) – através da sua Unidade de Investigação para o Desenvolvimento do Interior (UDI) – está a promover, desde 19 de Outubro, até ao próximo dia 9 de Novembro.

     Amanhã, dia 26 de Outubro, o tema em debate será “O Sector Agro-Industrial no Interior”.

     As conferências decorrerão no Auditório dos Serviços Centrais do IPG., a partir das 10h. Mais informações em: http://www.ipg.pt/iebi/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:43

Assobio: Guarda-música

por Correio da Guarda, em 25.10.11

    

     O ASSOBIO está a concluir as gravações do próximo disco. Sairá em princípios de fevereiro do próximo ano e vai chamar-se fado 2.0

     Durante 5 minutos e 32 segundos poderá ouvir (em http://aassobio.blogspot.com) uma amostra com 7 dos 15 temas que integrarão o disco.

    Dará então conta que escutou temas conhecidos por todos e que fazem parte do nosso património musical. São fados sem guitarra e sem viola.

    Os arranjos foram exclusivamente feitos com samples, programações, controladores MIDI e processamento digital. Trata-se, assim, de uma espécie de “upgrade” do fado.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:30

Pág. 1/4



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Contacto:

correiodaguarda@sapo.pt correio.da.guarda@gmail.com



Google +


Referenciar citações

Protected by Copyscape Website Copyright Protection




Error running style: Style code didn't finish running in a timely fashion. Possible causes: