NOTÍCIAS DA GUARDA e REGIÃO | APONTAMENTOS | REGISTOS DIVERSOS

Quinta-feira, 27 de Abril de 2017
Novo livro de Américo Rodrigues

 

     "Arquivo Morto" é o novo livro de poesia de Américo Rodrigues, obra que será apresentada amanhã, 28 de Abril, pelas 21h30, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, na Guarda.

   "Arquivo Morto" é uma designação inapropriada, quase absurda, para o espaço onde se guardam os documentos fora de uso, a papelada a que julgamos não regressar por aparentemente não necessitarmos dela. Uma obra sobre a perda da memória.

   O autor nasceu na Guarda e escreveu já vários livros de poesia, nomeadamente  "A estreia de outro gesto", "Instante exacto", "Acidente poético fatal", "A casa incendiada" e "Ponto cego". É também autor de obras de teatro, crónicas e poesia sonora.

   A obra, edição da Bosq-íman:os,  será apresentada por Norberto Rodrigues. O livro segue um projecto gráfico de Jorge dos Reis, professor e designer.

capa arquivo morto 3.jpg

 

 



publicado por Helder Sequeira às 21:46
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 3 de Abril de 2017
O Monstro e o Ermitão em Castelo Mendo

Castelo Mendo.jpg

    "O Monstro e o Ermitão" é o tema da visita encenada, pelo Calafrio, que decorrerá, no próximo dia 8 de Abril em Castelo Mendo, a partir das 22 horas

    Este trabalho, produzido a convite da Câmara Municipal de Almeida, tem encenação de coordenação de Américo Rodrigues, a partir de um texto de Daniel Rocha.

   Como intérpretes vão estar, entre outros, Luciano Amarelo, Américo Rodrigues, Ana Couto, Daniel Rocha e Suzete Marques, também responsável pela produção executiva.

   O alcaide de Castelo Mendo, D. Mendo, faz as honras da visita, convidando todos os visitantes a segui-lo pelas ruas da aldeia histórica, enquanto vai chamando a atenção para pormenores do seu património edificado. Pelo caminho, encontram uma donzela a cantar um rimance à janela e, a meio da visita, são introduzidos também mitos e lendas que fizeram, desde sempre, parte do imaginário dos habitantes, com maior destaque para a lenda do monstro e o ermitão.

    O espectáculo termina com a recriação da procissão dos rapazes até à ermida da Sacaparte e com a queima do monstro.

 

    Fonte e foto: Teatro do Calafrio

 

 



publicado por Helder Sequeira às 23:46
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2015
Cântico Negro na BMEL

 

     O exercício final de uma oficina que decorreu, nas últimas semanas no Estabelecimento Prisional da Guarda, vai ser apresentado, no próximo dia 16 de Dezembro, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço.

    A partir do poema de José Régio “Cântico Negro” sete reclusos do Estabelecimento Prisional da Guarda vão apresentar (a partir das 16h) “em voz alta” o poema, numa abordagem que valoriza os aspetos sonoros do texto.

    A oficina tem tido orientação Américo Rodrigues e introdução por Fernando Carmino Marques.

 



publicado por Helder Sequeira às 21:05
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 15 de Junho de 2015
"O homem emparedado" é apresentado no TMG

 

      A "Bosq-íman:os livros" vai apresentar hoje, dia 15 de Junho, no Pequeno Auditório do Teatro Municipal da Guarda três novas obras teatrais de Américo Rodrigues: "O homem emparedado", "A ameaça" e  "Uma presença real".

      A sessão, a iniciar pelas 21h30, terá entrada livre. A artista Joana Oliveira Paiva (Pumukill) é a autora das três capas. Na sessão de lançamento o actor José Neves dará voz àquelas peças.

LIVROS.jpg

      Américo Rodrigues, licenciado em Língua e Cultura Portuguesa e Mestre em Ciências da Fala, é programador de actividades culturais e artísticas desde 1979; dirigiu vários festivais de performance, teatro e música; Foi director do Teatro Municipal da Guarda até fins de 2013. Fundou o Teatro Aquilo e também o Projéc~. É autor de várias obras de poesia, crónica, teatro e literatura para crianças; Actor, poeta sonoro e performer.

     As obras a apresentar assentam em textos marcados por Beckett e Kafka. Pela espera, pelo absurdo, pelo desalento, pelo sarcasmo e pelo cinismo. Uma presença real"- Um homem perseguido pela presença de um cão fechado num andar vizinho. Um homem acossado por um cão que é "uma presença real", mesmo que possa existir, apenas, na imaginação daquele inspector de finanças que, mesmo longe de casa, pressente o cão que destrói a sua vida burguesa. "A ameaça" - Um homem que, num museu de Berlim, guarda há dezenas de anos a imagem de Nefertiti. Para resistir ao esforço e aos dias todos iguais inventa biografias dos turistas, treina sistemas de vigilância e espera que uma ameça de bomba traga inquietação à monotonia dos dias. "O homem emparedado" - Um homem, funcionário, que sem que perceba a razão é enviado de castigo para um espaço onde nem sem sequer tem uma cadeira para se sentar. Durante meses (anos?) não lhe mandam fazer seja o que for. O funcionário escreve um diário sobre os nadas que todos os dias o ocupam. Diário doloroso e catártico. Quase demencial.

 



publicado por Helder Sequeira às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 7 de Junho de 2015
Novos obras teatrais de Américo Rodrigues

 

      A "Bosq-íman:os livros" vai apresentar no próximo dia 15 de Junho, no Pequeno Auditório do Teatro Municipal da Guarda três novas obras teatrais de Américo Rodrigues: "O homem emparedado", "A ameaça" e  "Uma presença real".

     A sessão, a iniciar pelas 21h30, terá entrada livre. A artista Joana Oliveira Paiva (Pumukill) é a autora das três capas. Na sessão de lançamento o actor José Neves dará voz àquelas peças.

     Américo Rodrigues, licenciado em Língua e Cultura Portuguesa e Mestre em Ciências da Fala, é programador de actividades culturais e artísticas desde 1979; dirigiu vários festivais de performance, teatro e música; Foi director do Teatro Municipal da Guarda até fins de 2013. Fundou o Teatro Aquilo e também o Projéc~. É autor de várias obras de poesia, crónica, teatro e literatura para crianças; Actor, poeta sonoro e performer.

A Rodrigues.JPG

      As obras a apresentar assentam em textos marcados por Beckett e Kafka. Pela espera, pelo absurdo, pelo desalento, pelo sarcasmo e pelo cinismo. Uma presença real"- Um homem perseguido pela presença de um cão fechado num andar vizinho. Um homem acossado por um cão que é "uma presença real", mesmo que possa existir, apenas, na imaginação daquele inspector de finanças que, mesmo longe de casa, pressente o cão que destrói a sua vida burguesa. "A ameaça" - Um homem que, num museu de Berlim, guarda há dezenas de anos a imagem de Nefertiti. Para resistir ao esforço e aos dias todos iguais inventa biografias dos turistas, treina sistemas de vigilância e espera que uma ameça de bomba traga inquietação à monotonia dos dias. "O homem emparedado" - Um homem, funcionário, que sem que perceba a razão é enviado de castigo para um espaço onde nem sem sequer tem uma cadeira para se sentar. Durante meses (anos?) não lhe mandam fazer seja o que for. O funcionário escreve um diário sobre os nadas que todos os dias o ocupam. Diário doloroso e catártico. Quase demencial.



publicado por Helder Sequeira às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 20 de Abril de 2015
CalaFrio evoca Lucebert

 

     Calafrio-Associação Cultural vai promover no próximo dia 2 de Maio mais uma sessão integrada no Ciclo Contradizer.

     A iniciativa vai realizar-se na Quinta das Cegonhas (concelho de Gouveia) e será integralmente dedicada ao poeta e artista plástico holandês Lucebert.

     O programa integra uma conferência – "O duplo talento de Lucebert" – a proferir pelo tradutor e professor Arie Pos, bem como o lançamento de uma colectânea bilingue, entre outras acções “dedicadas a divulgar um poeta quase desconhecido em Portugal mas de grande reconhecimento internacional”.

LUCEBERT.jpg

      Haverá música de Charlie Parker, Dizzie Gillespie e Thelonious Monk (músicos que influenciaram Lucebert); a exibição do filme "Tempo e Adeus", do cineasta Johan van der Keuken; apresentação duma pequena colectânea bilingue de poemas de Lucebert, traduzidos para o Português por Jos van den Hoogen, e leitura de alguns daqueles poemas por Américo Rodrigues.

     A associação cultural Calafrio, da Guarda, sublinha, em nota informativa sobre esta iniciativa que Lucebert é “considerado como o poeta mais revolucionário, mais autêntico e mais expressivo da geração experimental do pós-guerra. Pertenceu ao grupo CoBrA, foi amigo de Karel Appel e recebeu vários prémios literários”.



publicado por Helder Sequeira às 11:28
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 7 de Abril de 2015
Nova produção do Teatro do CalaFrio

 

     O Teatro do CalaFrio estreia no próximo dia16 de abril, no Teatro  Municipal da Guarda, a sua segunda produção, "Empresta-me um revólver até amanhã. A peça estará também cena nos dias 17 e 18 de abril, a partir das 21.30 horas.

     "Empresta-me um revólver até amanhã" parte da uma leitura peculiar de duas pequenas peças de Anton Tchekhov: "O Canto" do Cisne e "Trágico à força".

     Nesta revisitação, o ponto Nikita ocupa o centro da trama. Ele vive no teatro, vive do teatro. O teatro é ele. Conhece muitas peças de cor e é o guardião da memória do teatro. É no seu teatro, nos bastidores, que se encontra com o actor Vassili Vassilitch (que se deixou dormir após a actuação da noite) e se confronta com as recordações e angústias de um velho actor de passado glorioso. Na segunda parte, o veraneante Ivan Ivanovich, sobrecarregado de tarefas, procura um amigo para desabafar sobre sua deplorável condição de vítima. Ivanovitch, que é uma voz e uma ténue imagem, é escravo de um trabalho extenuante porque todos lhe pedem que transporte os mais estranhos objectos. Ivan Ivanovitch fala da sua amarga condição. Nikita, o ponto, representa o papel de Muraskhin, num crescendo de tragédia.Talvez o ponto seja ainda mais trágico do que a personagem Ivanovitch. Talvez este seja uma personagem criada por Nikita, o ponto. Talvez o ponto seja um verdadeiro trágico. Talvez Nikita tenha sempre desejado ser um actor.Trágico.

     “Empresta-me um revólver até amanhã" tem encenação de Américo Rodrigues e interpretação de Valdemar Santos, Américo Rodrigues e José Neves .

CALAFRIO.jpg

      Anton Tchékov nasceu em Taganrog, no sul da Rússia, no dia 17 de janeiro de 1860, filho de um comerciante. A sua família mudou-se para Moscovo em 1876 devido à falência do pai, mas Anton permanece na sua cidade natal para terminar o liceu. Assim, só três anos mais tarde se juntou à família em Moscovo, onde se matricula na faculdade de Medicina. Para ajudar financeiramente a família, Tchékhov faz pequenos trabalhos jornalísticos e as primeiras tentativas literárias. Termina os estudos de Medicina em 1884 e começa a exercer nos arredores de Moscovo.

     A sua primeira narrativa é publicada num jornal humorístico em 1880, desencadeando uma intensa colaboração de Anton com diversas publicações. Os seus primeiros textos dramáticos datam do final da década de 1880 ("Ivánov"). No ano de 1892 compra uma casa no campo, em Mélikhovo, para onde se muda com a família. Três anos mais tarde visita Tolstoi, cujas ideias irão exercer uma forte influência e um grande fascínio sobre Tchékhov.

    Por motivos de doença, muda-se para Ialta, em Crimée. É no final da sua vida que escreve as três peças que o consagram como grande dramaturgo: "A Gaivota" em 1896, "As Três Irmãs" em 1900 e "O Cerejal" em 1903. Em 1904 parte para a Alemanha com a atriz Olga Knipper, com quem casara em 1901, morrendo no mês de julho em Badenweiler, na Floresta Negra. Hoje é reconhecido como um dos maiores escritores russos.

 

     Fonte: Teatro do CalaFrio

 



publicado por Helder Sequeira às 22:20
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2014
Lontra e poemas na Biblioteca

 

LONTRA.jpg

      "A lontra é um pouco tronta e outros poemas de amor entre animais" é o novo livro de Américo Rodrigues, a apresentar amanhã, sábado, pelas 16 horas, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (Guarda)

     Este livro, uma edição de Bosq-íman:os, tem ilustrações de Brígida Ribeiro e a apresentação será feita por Antonieta Garcia.

    De referir que o tema da obra é o amor e o sexo entre animais. Sapos, ouriços-cacheiros, hienas, lontras, orangotangos, orcas, percevejos, piolhos, lesmas, perdizes, doninhas e, até, animais imaginários. Jogos de palavras, poesia fonética, rimas desconcertantes, trava-línguas, novas lengalengas, neologismos, versos absurdos, histórias non sense. Este livro surge na sequência de "O céu da boca", editado em 2008.

     Américo Rodrigues escreveu para crianças: "O ouriço caixeiro, a libélula patinadora e o amor espacial" (teatro), "D. Choramingão, rei tristão no país da confusão" (teatro), "Língua de trapo" (poesia, com Leonardo Rodrigues) e "O céu da boca" (poesia). Apresenta, agora, "A lontra é um pouco tontra".

 

 



publicado por Helder Sequeira às 00:21
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2014
Poemas de amor entre animais

LONTRA.jpg

     "A lontra é um pouco tronta e outros poemas de amor entre animais" é o novo livro de Américo Rodrigues, a apresentar no próximo dia 13, pelas 16 horas, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (Guarda)

     Este livro, uma edição de Bosq-íman:os, tem ilustrações de Brígida Ribeiro e a apresentação será feita por Antonieta Garcia.

    De referir que o tema da obra é o amor e o sexo entre animais. Sapos, ouriços-cacheiros, hienas, lontras, orangotangos, orcas, percevejos, piolhos, lesmas, perdizes, doninhas e, até, animais imaginários. Jogos de palavras, poesia fonética, rimas desconcertantes, trava-línguas, novas lengalengas, neologismos, versos absurdos, histórias non sense. Este livro surge na sequência de "O céu da boca", editado em 2008.

     Américo Rodrigues escreveu para crianças: "O ouriço caixeiro, a libélula patinadora e o amor espacial" (teatro), "D. Choramingão, rei tristão no país da confusão" (teatro), "Língua de trapo" (poesia, com Leonardo Rodrigues) e "O céu da boca" (poesia). Apresenta, agora, "A lontra é um pouco tontra".

 

 

 



publicado por Helder Sequeira às 22:55
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 12 de Abril de 2014
Proibido roer os ossos

 

      “Mas era proibido roer os ossos” (a partir da Carta ao Pai e Relatório a uma Academia, de Kafka) é o espectáculo de teatro que pode, ainda, ver hoje, no Teatro Municipal da Guarda

     Este é, recorde-se, o trabalho de estreia do recém-criado Teatro do CalaFrio, da Guarda.

    Neste espectáculo cruzam-se três textos de Frank Kafka, “um dos autores mais importantes (e perturbantes) da literatura ocidental”.

    “Mas era proibido roer os ossos” tem como actores José Neves, Valdemar Santos e Américo Rodrigues, que é também o encenador.

    Américo Rodrigues escreveu, a propósito, que “apesar da crise e da selvajaria, há homens e mulheres dispostos a arriscar fazer teatro, apenas pela paixão que têm pelo teatro”.

     Acrescenta, depois, que os mentores do Teatro do CalaFrio “acreditam na força insubstituível das palavras (som e significado). E aqui estão em palco, a apresentar textos de um grande escritor. A falarem. A darem nova vida a palavras que tomam como suas. A desinquietarem. A pedirem que o espectador esteja atento, acordado, que pense, que aja”. Hoje é o último espectáculo, na Guarda.



publicado por Helder Sequeira às 13:56
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Hora local
relojes web gratis
posts recentes

Novo livro de Américo Rod...

O Monstro e o Ermitão em ...

Cântico Negro na BMEL

"O homem emparedado" é ap...

Novos obras teatrais de A...

CalaFrio evoca Lucebert

Nova produção do Teatro d...

Lontra e poemas na Biblio...

Poemas de amor entre anim...

Proibido roer os ossos

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

links
tags

todas as tags

Visitantes
free html visitor counters
hit counter
Referenciar citações
Protected by Copyscape Website Copyright Protection
Google +
Bem- Vindo
blogs SAPO
subscrever feeds